Cidades

11 de junho de 2021 11:35

Namoro virtual: casais vivem relacionamentos duradouros

Distância não atrapalhou os planos de Rannubia e Ygor Brandão, nem de Mariana Souza e Matheus Lima

↑ Rannubia e Ygor se conheceram pelo Facebook depois de um comentário dele numa foto postada por ela (Foto: Arquivo Pessoal)

Há quem diga que o namoro à distância iniciado via redes sociais não dure, mas para os casais Rannubia Venceslau e Ygor Brandão, Mariana Souza e Matheus Lima, a história é outra e com final feliz.

A técnica de enfermagem Rannubia, 30 anos, conheceu o companheiro, o autônomo, Ygor de 27 anos, pelo Facebook através de um comentário feito por ele em uma foto dela, o que segundo ela já chamou atenção e o flerte iniciou. “Ele comentou em minha foto, e isso me chamou atenção e nisso, comecei a acompanhá-lo pelas redes sociais… Daí tive a iniciativa de puxar conversa – conversamos por três meses, até resolvermos atualizar os status para um relacionamento sério’’, conta Rannubia.

Ela não esconde que no início a situação era difícil por conta da distância. “Foi difícil manter um relacionamento à distância – ele morava em Hortolândia no estado de São Paulo, e eu, em Chã Preta, Alagoas”, lembra Rannubia, acrescentando que apesar das regras para o compromisso, a distância no início atrapalhou. “Mas foram as regras, inclusive temos até hoje, e a dificuldade por conta da distância que conseguimos seguir firmes…”

Entre começar a se relacionar virtualmente e o encontro presencial, o casal conversaram por nove meses até Ygor chegar a Alagoas. “Nos encontramos, namoramos, noivamos e casamos na véspera do Dia dos Namorados – 11 de junho completamos três anos de casados’’, comemora.

Já Mariana Souza, 20 anos, e o empresário Matheus Lima, 19 anos, se conheceram através do Instagram. No caso deles, à distância era menor, 124,6 km, cerca de 2h15 entre Maceió e a cidade de Quebrangulo, no Agreste do Estado.

“Comecei meu namoro em 2018. Ele quem teve a iniciativa de me chamar no direct (privado) do Instagram, e por uma simples conversa a gente começou uma amizade. O interessante é que eu não sigo quem não tem fotos e nem aceito, e ele nunca foi de postar fotos em redes sociais. Ou seja, não respondia quem não tinha foto em feed por medo de ser algum fake, mas, como o destino já escreve sua história, acabei respondendo’’, conta Mariana.

Mariana diz que, por ser de Quebrangulo e Matheus de Maceió, eles não tiveram muito empecilho para se encontrar presencialmente. “Passamos apenas dois meses conversando por rede social. Eu tinha acabado de completar meus 18 anos e ele ainda tinha 16. Pedi a ajuda de uma amiga para me encontrar com ele pessoalmente. Conversamos e decidimos oficializar para os nossos pais depois de dois meses’’, diz.

Mariana e Matheus (Foto: Acervo Pessoal)

A jovem lembra que foi um susto para mãe quando explicou que conheceu Matheus através da internet. “Expliquei que o conheci por uma rede social, ela ficou nervosa, mas no fim deu tudo certo, estamos juntos há dois anos e 10 meses. E para ambos não foi difícil por não termos passado tanto tempo para se conhecer’’, expõe.

Segundo Mariana, o mais difícil foi manter a rotina para continuar se encontrando após a oficialização do namoro. “Não considero que tenha tido regras, e sim um consenso por querermos a mesma coisa que era independente de distância e outras dificuldades. A gente sabia o que queria – um futuro juntos. Então, por termos nos conhecido muito jovens e já termos um pensamento de um relacionamento sério, fomos aprendendo um com o outro’’.

O casal diz que muitas pessoas julgam as outras por viverem um relacionamento à distância, mas entende que o julgamento feito por elas é por nunca terem vivido uma conexão única e se apaixonar por uma pessoa que nunca viu em sua vida. “Quando se encontra pela primeira vez, o sentimento cresce ainda mais. O relacionamento à distância ensina você a amar a pessoa além de aparência e além de contato físico’’, pontua o jovem casal.

As histórias de Rannubia e Ygor, Mariana e Matheus não são casos isolados, milhares e milhares de casais se conheceram através das redes sociais ou de plataformas com essas finalidades e vivem uma história de amor.

“Vale tudo na era digital, contudo é preciso separar fantasias da realidade’’

Diferente do que muitas pessoas pensam os relacionamentos iniciados por meio das redes sociais não são situações da atualidade. As histórias só aumentaram e isso em função dos avanços tecnológicos que fizeram a procura por estas ferramentas virtuais com finalidades amorosas crescer cada vez mais.

O psicólogo Carlos Gonçalves pontua que a internet tem a premissa de aproximar pessoas que estão fisicamente distantes. Redes sociais, aplicativos, nudes, chamadas de vídeos, vale tudo na era digital, ou quase tudo.

Psicólogo destaca que é preciso ficar atento para não cair em golpes (Foto: Arquivo Pessoal)

“Cada vez mais isso vem se tornando comum. Escolher seu parceiro ou parceira acabou sendo algo que até mesmo os mais extrovertidos, tímidos ou os que não tinham coragem pra conquistar presencialmente encontraram nesse espaço virtual uma fortaleza que o faz ficar mais à vontade. Como cada caso é um caso e regras não servem para todos, é preciso tomar muito cuidado para esses relacionamentos à distância. Tem alguns casos em que o casal já se conhecia pessoalmente e, por motivo de alguma mudança de cidade, acabou se afastando e o relacionamento continuou virtualmente. Nesses casos é preciso manter contato constante, por telefone ou outro meio e fazer planos concretos para encontra-se sempre que possível. E existem os casos que casais se formam sem o contato presencial.

Esses especificamente temos que entender o seguinte: a medida em que não conhecemos o outro ao vivo, fazemos todo o tipo de interferências e idealizações, que na maioria das vezes não correspondem à realidade’’, explica o especialista.

Segundo Gonçalves, a pessoa acaba se relacionando com quem ela deseja, não com que de fato existe. “É muito comum nesses relacionamentos alguns golpes, frustrações, decepções. Temos que entender que todo ser humano sente necessidade de afeto, atenção, amor carinho, porém temos que prestar muita atenção que em alguns casos esses relacionamentos apenas ficam nesse universo, pois quando saem do virtual para o presencial é onde literalmente conhecemos o peso dessa relação. Vale ressaltar que todos nós carregamos nossas bagagens emocionais, alegria, tristeza, medo, angústia, ciúme, vaidade, orgulho, entre outros. Uma hora ou outra esse comportamento será ativado. Mas como sempre estamos livres para fazer escolhas, temos que entender que toda nossa ação terá uma reação. Se quer uma dica, sempre busque o mundo real’’.

Além disso, o especialista explica que a ansiedade é típica desse tipo de relacionamento. “Como falei anteriormente, expectativas foram colocadas de ambos os lados, cada um está esperando ser atendido em seus desejos. Entender que nem sempre tudo que idealizamos pode de fato ser real, apostar no amor-próprio e entender que amor é construção dia a dia. E isso só no ao vivo’’.

Fonte: Tribuna Independente / Texto: Lucas França

Comentários

MAIS NO TH