Cidades

7 de maio de 2021 21:12

Central Única das Favelas debate problemáticas sociais em AL

Próxima reunião será neste domingo (9), no bairro Benedito Bentes, em Maceió

Lideranças políticas e de movimentos sociais estão sendo mobilizadas pela Central Única das Favelas (Cufa) para debater, neste atual momento, os problemas que afetam as pessoas que vivem nesses aglomerados urbanos em Alagoas.

No último 1° de maio, dia emblemático para os trabalhadores brasileiros, aconteceu, no Quintal Cultural, a Consolidação da Central Única das Favelas em Alagoas (Cufa/AL), coordenada por Rogério Dyaz.

Na ocasião, a Central  reuniu-se com Preto Zezé – Presidente da Cufa Brasil e os gestores João Henrique Caldas (JHC) – prefeito de Maceió, Carlos Jorge – secretário de Assistência Social, Helder Maia – secretário de Educação- e o senador Rodrigo Cunha, para que fossem apresentadas as demandas, bem como as ações já realizadas pelas lideranças locais, para demonstrar a necessidade de apoio do poder público para a ampliação das ações, bem  como a capacidade produtiva da equipe em Alagoas.

Desde 2020 que a organização vem realizando ações no estado, visando concretizar o projeto “Mães da Favela”, uma luta contra os impactos causados pela pandemia.

Com esse propósito, diversas ações vêm sendo feitas, em especial a arrecadação de doações e distribuição, seja de alimentos, roupas, cartões digitais com cestas básicas, chips de celular com internet e ligações gratuitas.

A Cufa chama a atenção para a continuidade das atividades escolares, uma vez que vários alunos ainda sofrem com o isolamento digital, por não possuírem acesso à internet.

O Quintal Cultural é um espaço que promove ações culturais desde 1991, além disso, seu fundador, Rogério Dyaz, é reconhecido nas comunidades por sua presença no cenário cultural alagoano e na luta pelo bem-estar social, sendo ele um vetor de articulação que atua diretamente a favor das pessoas mais carentes.

“O encontro firmou o compromisso do prefeito JHC  e do senador Rodrigo Cunha  com a consolidação da Cufa em Alagoas, na busca de concretizar o compromisso por meio de uma pauta positiva.

“Pensar o desenvolvimento da cidade, a partir das periferias, promovendo o desenvolvimento da economia criativa e popular dessas regiões, bem como melhorias na infraestrutura dos bairros, com investimentos de crédito para os empreendedores de favela, incentivo através de editais, entre outras ações,  fazem parte da luta da entidade.

“Teremos algumas reuniões no decorrer dessa semana para organizar a agenda”, explicou Rogério Dyaz.

Segundo Juliana Fazio, que compõe a Direção Estadual da organização, a CUFA/AL possui todo mapeamento das favelas alagoanas e trabalha com a questão da formação das mães da favela e não basicamente apenas o assistencialismo, como a entrega de cestas básicas ou cartões digitais. A ideia é mostrar para os gestores, prefeito e secretários, como a CUFA interfere nessas comunidades “esse encontro foi justamente para a consolidação da CUFA em Alagoas, mostrá-la aos gestores públicos, para que eles enxergassem o trabalho que vem sendo feito no estado e como a CUFA alcançou as favelas de Alagoas. São quarenta Cufas presentes no Estado, que são coordenadas pelo Rogério” explica Juliana.

No encontro, Preto Zezé deixou claro que não é uma questão de fazer acordos ou apenas ter mais um encontro com o governo, porque, segundo ele, o governo passa, mas os líderes das comunidades ficam, bem como seus projetos  para a posteridade.

 

Em respeito ao protocolo de segurança da Covid-19, nem todas as 40 lideranças das Cufas de Alagoas puderam estar presentes.

Entretanto, acompanharam o evento na íntegra, por meio de transmissão ao vivo via Instagram. A pandemia agravou os problemas que já são comuns na sociedade e que recaem, de forma muito mais pesada, sobre as mães de favela, muitas vezes, mães solteiras.

A próxima ação será neste domingo, dia 9 , que no Dia das Mães, no bairro Benedito Bentes. A programação começa às 9h com o preparo, com todo o carinho de um café da manhã especial em homenagem às mães, que ainda receberão rosas e participarão de sorteios de brindes. Além disso, será dado início à entrega de cartões digitais (cestas básicas) recebidos da Cufa Brasil.

“A política não é o gestor, não é o prefeito e ninguém, a política é defesa de interesses e nós temos que defender os nossos e descobrirmos que conectar e somar diferenças é mais potente. Por isso que a Cufa é o que o que é, ela não é o Zezé, não é o Rogério, ela é a soma das nossas diferenças e de nossas potências, muitas vezes aparece um ou outro nome, mas é importante saber que nós somos um time, o roupeiro nunca aparece, mas ele que leva os uniformes para os jogadores entrarem em campo, ou seja, ele é sim muito importante para o time”, conclui o presidente nacional da Cufa.

“Agora fomos ouvidos pelos gestores que não conheciam nosso trabalho, e que fique gravado e firmado que o poder público está comprometido com as favelas de Alagoas, com nossos encontros, nossas demandas, porque não é só o alimento, tem todo um contexto que vai além disso” completa Juliana Fazio.

Fonte: Davi Salsa com assessoria

Comentários

MAIS NO TH