Cidades

4 de maio de 2021 08:10

Pandemia desacelera em Alagoas, aponta Observatório da ufal

Pesquisadores defendem necessidade de intensificação da imunização: “seriam necessárias 15 mil doses diárias”

↑ Foto: Igor Nascimento

Os casos e óbitos de Covid-19 em Alagoas apresentaram desaceleração nas duas últimas semanas. É o que mostra o boletim do Observatório Alagoano de Políticas Públicas para o Enfrentamento da Covid-19. As reduções são de 7% e 5% de casos e de óbitos respectivamente e indicam a tendência de um platô, que é quando mesmo em níveis elevados a doença alcança “estabilidade”.

Outro dado que reforça a tendência de desaceleração é a queda na taxa de ocupação de UTIs que está abaixo de 80%.

“A ocupação dos leitos de UTI exclusivos para Covid-19 em Alagoas também reduziu no decorrer da semana. A ocupação que se encontrava em 82% ao fim da 16ª Semana Epidemiológica encerrou a última semana em 75%, abaixo da margem crítica de 80% onde se é recomendado o lockdown. O valor, contudo, segue acima do patamar de 70%, estipulado pela literatura como uma margem de segurança. Como nos demais indicadores, a distribuição de leitos de UTI em Alagoas também é desigual”, diz o relatório.

O coordenador do Observatório, Gabriel Badue, explica que as reduções observadas estão relacionadas ao endurecimento das medidas de distanciamento social.

Ainda de acordo com o especialista, o cenário segue grave. Apesar disso, considerar lockdown está distante da realidade.

“O que temos concluído nas últimas semanas é que, ao que parece, estamos num platô. Os números têm caído nas últimas semanas, o que possivelmente se deve às medidas de restrição de circulação. No contexto atual, conseguir manter essa queda já é lucro. Na nossa avaliação não há condições sociais para um lockdown”, diz.

Gabriel Badue defende que apesar da chegada de novas remessas de vacinas, o reflexo da imunização só deve ocorrer a médio prazo. “No médio prazo, sim [teremos controle], mas para tal precisamos avançar bem mais. A proporção de vacinados ainda é pequena”, detalha.

15 MIL DOSES POR DIA

Segundo levantamento produzido pelo pesquisador, para alcançar a tão esperada imunidade coletiva, seria necessário que toda a população alagoana adulta fosse vacinada com duas doses.

“Segundo o Governo de Alagoas (Painel Alagoas contra o coronavírus), até 02/05 [último domingo] haviam sido aplicadas 654.498 doses em Alagoas. Considerando que a população adulta alagoana conta com aproximadamente 2,2 milhões de pessoas, o que corresponde a 2/3 da população do estado, para chegar a uma imunidade coletiva temos de vacinar toda a população adulta. Considerando que de amanhã [hoje] até o final do ano temos 242 dias, estamos falando de aproximadamente 15,5 mil doses diárias, muito acima da média das últimas semanas”, enfatiza.

Atualmente, segundo o pesquisador, o ritmo de vacinação não alcança toda a população adulta até o fim do ano. “Considerando que a imunidade é adquirida com duas doses, estamos falando em aproximadamente 4,4 milhões de doses. Então, ainda faltam cerca de 3,8 milhões de doses. A título de comparação, nas quatro últimas semanas foram aplicadas em Alagoas cerca de 130 mil, 88 mil, 67 mil e 32 mil doses, respectivamente”, reforça.

 

Fonte: Tribuna independente / Evellyn Pimentel

Comentários

MAIS NO TH