Cidades

26 de fevereiro de 2021 12:25

Movimento Negro repudia ato insistente de mudar nome da Praça Dandara dos Palmares

Membros de vários movimentos foram até a Câmara de Vereadores para tentar agendar uma audiência pública para debater o assunto

↑ Praça Dandara dos Palmares (Foto: Edilson Omena)

O Movimento Negro Alagoano, por meio de uma nota, manifesta seu repúdio e sua indignação diante do ato arbitrário e insistente de alguns membros do Legislativo Municipal, em mudar o nome da Praça Dandara dos Palmares, símbolo da Resistência Negra, para Praça Nossa Senhora da Rosa Mística, localizada no bairro da Jatiúca.

‘’Contra o apagamento da nossa história, no combate ao racismo, à intolerância e demais preconceitos correlatos, estamos mobilizados para impedir esta ação e quaisquer outras que queiram deslegitimar nossa existência’’, diz nota.

Membros de vários movimentos foram até a Câmara de Vereadores para tentar agendar uma audiência pública para debater o assunto. Veja nota na íntegra abaixo:

Foto: Assessoria

Nota de Repúdio do Movimento Negro Alagoano

No dia 21 de janeiro de 2021, Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, Maceió acordou com o nome da Praça Dandara dos Palmares, no Diário Oficial, sendo substituída para Praça Nossa Senhora da Rosa Mística. A iniciativa se tratava do Projeto de Lei nº 7.473, de autoria do vereador Luciano Marinho, que demonstra racismo e descaso com a história do povo negro alagoano.

A praça, localizada no bairro da Jatiúca, recebeu o nome de Dandara dos Palmares, após a sanção da Lei Municipal nº 4.423/95 e desde a sua criação, há 25 anos, é tida como espaço de reconhecimento da trajetória de líderes negros. Após várias mobilizações do Movimento Negro e da apresentação de queixa por parte do Instituto do Negro de Alagoas (INEG-Al), junto ao Ministério Público Estadual de Alagoas, no mesmo dia em que ocorreu a ação arbitrária de mudança de nome, dia 21 de janeiro, o prefeito de Maceió, João Henrique Caldas (JHC), ouviu a queixa do movimento negro e tornou sem efeito a sanção da lei que alteraria o nome da Praça Dandara dos Palmares.

Na persistência de apagamento da nossa história, no dia 24 de fevereiro de 2021, o Movimento Negro de Alagoas recebe a notícia de mais um ataque. O vereador Leonardo Dias encabeça a proposta de mudança de nome da Praça Dandara dos Palmares, acrescentando a mudança de local. E, novamente, sem o consentimento e consulta pública junto ao Movimento Negro e a sociedade civil.

É inaceitável essa postura de imposição de poder, confirmando o racismo estrutural e institucional. Queremos respeito ao patrimônio histórico-cultural por toda luta e resistência contra a escravidão que Dandara representa, sendo uma líder emblemática do Quilombo dos Palmares. Cabe ressaltar que estamos buscando garantir nossos direitos e a preservação da nossa história. Para tanto, estamos unidos enquanto movimento negro; o Fórum Afro de Maceió, no dia 27 de janeiro, esteve em reunião com a presidente da Fundação Municipal de Ação Cultural (Fmac), Mirian Monte, para discutir e apresentar pautas, visando a relevância de uma calendário municipal de valorização permanente da tradição da cultura negra, ressaltando a ocupação com a realização de atividades na Praça Dandara, bem como em outros espaços públicos.

Também, estamos reivindicando, junto ao Legislativo Municipal, a manutenção do nome e local original, da Praça Dandara dos Palmares, quando tivemos no último dia 24 de fevereiro, reunião com a vereadora Teca Nelma, que demonstrou apoio a causa, se disponibilizando a fortalecer ações para a população negra, ao exemplo da realização de uma audiência pública. A luta pela garantia do nome da praça está atrelada à cobrança pela revitalização e preservação dos espaços da memória preta da cidade. E, chamamos atenção para a necessidade de mais políticos comprometidos em manter o patrimônio histórico e negro vivo, afinal a Câmara de Maceió é composta por 25 vereadores eleitos, além dos quadros que compõem o governo.

É fundamental reconhecer a importância de quem fez e faz esse país, para que as próximas gerações não reproduzam a lógica colonial racista. Portanto, não vamos nos calar! Não vamos aceitar que sejamos deslegitimados! A Praça Dandara Resiste, Ontem, Hoje e Sempre!

Assinam esta Nota de Repúdio:

  1. Abadá Capoeira
  2. Abassá de Angola oyá Igbale
  3. Afoxé Ofá Omin
  4. Afoxé Oju Omim Omorewá
  5. Aliança Nacional LGBTI+
  6. Associação Àdapo da Comunidade Muquém de Remanescentes Quilombolas de União dos

Palmares/AL

  1. Associação Cultural Capoeira Tradição
  2. Associação Cultural Meu Berimbau tem Vida
  3. Associação de Negras e Negros da UFAL – ANU
  4. Bancada Negra
  5. Banda Afro Afoxé
  6. Banda Afro Dendê
  7. Banda Afro Mandela
  8. Banda Afro Zumbi
  9. Batuque Empreendimentos
  10. Bloco Sururu da Lama
  11. Capoeira Zuavos
  12. Centro Cultural Bobo Gaiato
  13. Centro de Cultura e Estudos Étnicos ANAJÔ (APNs-AL)
  14. Centro de Educação Popular e Cidadania Zumbi dos Palmares – CEPEC
  15. Centro de Estudos e Pesquisa Afro Alagoana Quilombo
  16. Centro de Formação Social Inaê
  17. Cia. De Teatro e Dança Afro Aiê Orum
  18. Coletivo Afro Caeté
  19. Coletivo Cia Hip-Hop de Alagoas
  20. Coletivo de Apoio às Trabalhadoras e Trabalhadores – CATT
  21. Coletivo O “Quê” do Movimento
  22. Comissão de Defesa da Promoção da Igualdade Social OAB/AL
  23. Comissão de Jornalistas Pela Igualdade Racial (Cojira /Sindjornal)
  24. Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial de Alagoas – CONEPIR
  25. Coordenação Estadual de CRQs de Alagoas Ganga-Zumba
  26. Coordenação Feminina Quilombolas de Alagoas – As DANDARAS
  27. Dagô Produções
  28. Formmer Afro

35.Fórum Afro de Maceió

  1. Fórum de Saúde Mental de Maceió
  2. Grupo de Capoeira Águia Negra
  3. Grupo Coração de Mainha
  4. Grupo Gay de Maceió

40.Grupo Afojuba

  1. Grupo União Espírita Santa Barbara (GUESB)
  2. Grupo Pau e Lata – Palmeira dos Índios
  3. Ilê Axé Ofá Omin
  4. Ilé Alàketú As Asé Shòróké
  5. Ilê Nifé Omi Omo Posú Betá
  6. Ilê Egbé Àfàsókè Atílẹ́hìn Vodun Azírí
  7. Instituição Sócio cultural Acauã Brasil
  8. Instituto do Negro de Alagoas – INEG
  9. Instituto Mãe Preta
  10. Maracatu Baque Alagoano
  11. Maracatu Raízes e Tradições
  12. Massapê Corpo e Movimento
  13. Movimento dos Povos das Lagoas
  14. Movimenta Palmares
  15. Museu Cultura Periférica
  16. Negra-Mina Diversidade e Inclusão
  17. Núcleo de Cultura Afro Brasileira Iyá Ogunté
  18. ONG Ateliê Ambrosina
  19. ONG Axé Tribal
  20. ONG Patacuri Cultura e Formação
  21. Papo de Periferia
  22. Pastoral da Negritude da Igreja Batista do Pinheiro
  23. Ponto de Cultura Quilombo Cultural dos Orixás
  24. Projeto Erê
  25. Quilombo de Capoeira Pôr do Sol dos Palmares
  26. Rede CENAFRO
  27. Rede de Mulheres Negras de Alagoas
  28. Rede Mulheres de Comunidades Tradicionais
  29. Terreiro de Umbanda Aldeia dos Orixás

Fonte: Redação com assessoria

Comentários

MAIS NO TH