Interior

18 de setembro de 2020 10:33

Socorristas do Samu recebem visita especial após atendimento realizado

Reencontro entre socorrista e paciente é algo raro e, por isso, se torna emocionante e gratificante sempre que acontece

↑ Camila caiu em uma cacimba quando estava com 40 semana de gravidez de Lauane (Foto: Acervo Pessoal)

O reencontro entre socorrista e paciente é algo raro e, por isso, se torna emocionante e gratificante sempre que acontece. Foi esse o sentimento dos socorristas da Base Descentralizada de São Sebastião do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Alagoas, com a visita de Camila Caetano, 19 anos, e da pequena Lauane Vitória, dois meses de vida, na quarta-feira (16).

Camila foi agradecer aos socorristas da Base localizada no Agreste alagoano pelo atendimento que a equipe fez no dia 1º de julho deste ano. Ela estava com 40 semanas de gravidez, com Lauane dentro do ventre, quando caiu em uma cacimba, com aproximadamente 20 metros de profundidade.

“Eu estava no quintal da minha casa, quando fui colocar comida para as galinhas e, na volta, pisei na tampa da cacimba, que estava quebrada e acabei caindo. Foi um desespero só dentro de casa, meu esposo ligou logo para o Samu vir me salvar”, contou a jovem.

Rapidamente a equipe chegou no local da ocorrência e, pelo difícil acesso à paciente, solicitaram o apoio do Corpo de Bombeiros Militar de Alagoas (CBMAL) para que eles retirassem Camila de dentro da cacimba.

Técnica de enfermagem do Samu, Lívia Lima, reencontrou Camila e a pequena Lauane (Foto: Arquivo Pessoal)

Com a queda, Camila sofreu pequenos arranhões na perna direita e se queixava de dores na região cervical, mas, a maior preocupação da futura mamãe era com a bebê que carregava no ventre.

“A Lauane sempre foi de se mexer muito na minha barriga e no momento da queda senti minha barriga ficar dura e ela não se mexia mais. Na minha cabeça só vinha que tinha morrido, foi o momento mais desesperador que passei na minha vida”, lembrou.

Para Lívia Lima, técnica de enfermagem Base de São Sebastião, essa foi a ocorrência que a deixou mais comovida durante os anos em que está no Samu Alagoas.

“Por toda a situação que envolveu, era a primeira gestação da Camila, ela com medo de ter acontecido algo com a Lauane. Mas, quando os profissionais do CBMAL a retiraram da cacimba e entregaram para a nossa equipe, fizemos os primeiros atendimentos e, durante todo o percurso, até o Hospital de Emergência do Agreste (HEA), em Arapiraca, eu fui acalmando e tentando tranquilizar a Camila”, relatou a técnica de enfermagem.

Quando chegou no HEA, Camila foi avaliada pela equipe médica, fez alguns exames de imagem para saber se tinha sofrido alguma fratura por causa da queda e depois foi encaminhada para uma maternidade local para examinar a avaliar Lauane. “Foi nessa hora que eu me tranquilizei, quando chegamos na maternidade e ouvi o coraçãozinho da minha bebê batendo normalmente. Foi um alívio e depois de três dias minha Lauane Vitória nasceu”, se recorda a mãe.

Depois de dois meses da ocorrência, Camila e Lauane fizeram questão de ir agradecer a equipe e mostrar que tudo deu certo. “Eu e minha pequena tínhamos que vir pessoalmente agradecer por todo o empenho que a equipe teve durante a ocorrência, foram muito prestativos, atenciosos, a todo o momento tentando me confortar. Eles também tinham que conhecer a Laune, os socorristas do Samu nos ajudaram no momento em que mais precisamos e hoje estamos bem e com saúde”, disse Camila.

Para a técnica de enfermagem do Samu, gratidão e felicidade são as palavras que resumem poder reencontrar essa família. “Nada no mundo paga esse sentimento. É muito gratificante poder reencontrar os pacientes que atendemos, principalmente nessa ocorrência que me marcou bastante. Poder ver que Camila e Lauane estão muito bem de saúde e, sem nenhuma sequela, não tem preço”, afirmou.

Entre os meses de janeiro e agosto, os socorristas das Centrais de Regulação localizadas em Maceió e Arapiraca, do Samu Alagoas, foram acionados para um total de 567 ocorrência de queda de altura.

Fonte: Ascom Sesau

Comentários

MAIS NO TH