Cidades

1 de abril de 2020 20:30

Algás produzirá 2.500 máscaras em impressão 3D

Distribuidora integra coletivo liderado pelo LCCV/Ufal para fabricar e doar máscaras aos profissionais da saúde do Estado.

Em meio à crise causada pelo COVID-19, diversas iniciativas estão sendo criadas para amenizar e até mesmo combater os efeitos negativos da pandemia. Com base nesse propósito, a Algás começou a produção de cerca de 2.500 máscaras, por meio de sua impressora 3D, que serão destinadas aos profissionais de saúde de Alagoas.

A iniciativa integra a força tarefa do coletivo “3D Saves Alagoas”, criado a partir do incentivo dos professores Adeildo Ramos e Eduardo Setton, do Laboratório de Computação Científica e Visualização (LCCV) da Ufal. Ao iniciar a produção por meio das impressoras 3D do próprio laboratório, os professores perceberam que poderiam integrar a ação com a comunidade e tiveram a ideia de lançar um chamamento à sociedade.

“No último sábado (28), eu percebi que não teríamos uma grande escala de produção usando apenas os equipamentos do Laboratório e fiz uma postagem nas redes sociais pedindo que as pessoas que tivessem impressoras 3D em Alagoas me mandassem uma mensagem para criarmos uma grande rede de produção. Em menos de 48 horas já tínhamos mais de 30 impressoras, agora já são mais de 50”, comemora Setton.

Para o diretor presidente da Algás, Arnóbio Cavalcanti, integrar essa rede é uma forma de cumprir a missão de contribuir com o Estado de Alagoas. “Quando a gerência de tecnologia de distribuição de gás natural nos informou dessa força tarefa liderada pelo LCCV/Ufal, de imediato decidimos contribuir com nossa estrutura, equipamentos e profissionais. Trata-se de um momento em que precisamos nos unir em torno de ações que beneficiem toda a sociedade”, declara Arnóbio.

De acordo com o gerente de tecnologia de distribuição de gás natural, Zilberto Medeiros, a máquina de impressão 3D (GTMax – CORE H5) da Algás é usada para a impressão de cases para protótipos de medição de vazão e proteção catódica, desenvolvidos por equipe da Algás, além de ser usada também para a fabricação de peças e demandas em geral da operação e manutenção. “Em meio à pandemia, a demanda de uso da máquina baixou consideravelmente, possibilitando que a Algás contribuísse com o projeto da Ufal e não ficasse com o maquinário parado”, ressalta Zilberto.

Por meio de todos os voluntários, quando a produção entrar em seu ritmo ideal, estima-se que as mais de 50 impressoras que integram o projeto produzam cerca de 250 máscaras por dia. Toda a produção será direcionada ao LCCV/Ufal, que fará o controle de qualidade e padronização, para posterior distribuição à saúde em Alagoas.

“Toda a produção será destinada inicialmente ao Hospital Universitário e à Secretaria de Saúde do Estado. E a partir daí eles são responsáveis pela sua distribuição até os pontos finais de uso”, detalha Setton. Quem quiser apoiar a iniciativa, pode mandar uma mensagem diretamente para o celular do professor Eduardo Setton, por meio do número (82) 99323-1945.

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH