Cidades

24 de fevereiro de 2020 16:32

Comissões atuam para garantir avanço no Ensino Fundamental

Políticas de alfabetização, correção de fluxo e progressão parcial visam reduzir estatísticas da distorção idade/escolaridade

↑ Ações implementadas nas escolas municipais já conseguem reduzir distorção idade/escolaridade (Foto: Ascom Semed)

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) tem uma preocupação permanente com as políticas de alfabetização, correção de fluxo e de progressão parcial para os alunos da Rede Municipal de Ensino da capital. Essas políticas estão a cargo de três comissões específicas, que propõem soluções e implementam ações para melhorar o processo de alfabetização, corrigir o fluxo dos alunos que cursam o ensino fundamental e permitir a progressão, para evitar que fiquem repetindo de ano. Quem fala sobre o desenvolvimento desse trabalho é a Coordenadora Geral de Ensino Fundamental da Semed, Maria José Alves Costa.

De acordo com ela, a comissão de progressão parcial trabalha a partir da publicação de uma Resolução do Conselho Municipal de Educação (Comed), editada em novembro de 2019, e que instituiu essa política para os anos finais do ensino fundamental. “Com a implantação da progressão parcial, o município estará trabalhando na perspectiva de não mais ampliar, digamos assim, as estatísticas da distorção idade/escolaridade”, informou Maria José.

A coordenadora fala de quando um aluno perde o ano, por causa de uma ou mais disciplinas, e termina atrasando o final do ensino fundamental. Como são comuns os casos em que um aluno repete uma série mais de uma vez, ou repete mais de uma série, ele termina ficando com uma idade superior a que deveria ter na série que está cursando.

Para evitar que isso ocorra, a política de progressão parcial objetiva garantir que os estudantes reprovados em até dois componentes curriculares tenham a garantia do direito à progressão. “Para isso, a Resolução do Comed preconiza a efetivação de um programa didático sobre aqueles conteúdos nos quais os estudantes tiveram dificuldades de aprendizagem”, explicou a coordenadora. Caberá à escola fazer uma avaliação e estabelecer uma carga horária suficiente para garantir a progressão parcial do aluno, de modo que ele possa seguir com os estudos em suas série regular e recuperar o que perdeu na série anterior.

A comissão que atua na implantação da política de alfabetização do Município tem o papel de construir as orientações, princípios, objetivos e diretrizes com esse fim. Maria José disse que a metodologia desenvolvida pelo Instituto Ayrton Senna, aplicada em convênio com a Semed até o ano passado, tem grande contribuição para esse processo.

Como o Instituto oferecia alguns programas, eles serviram como norteadores para a busca do desenvolvimento dessas políticas de correção de fluxo na rede de ensino. “O Instituto Ayrton Senna permite a utilização das ferramentas, instrumentos e tecnologias de sua plataforma, por meio do licenciamento de uso para a rede municipal, que fará uso, tanto para implantação da política de alfabetização quanto para a política de correção de fluxo”, reforçou a coordenadora do Ensino Fundamental.

“Há uma intenção, um interesse e uma tomada de decisão de implantar uma política de cuidar dos casos de distorção idade/escolaridade para os estudantes com dois anos ou mais de distorção, para que eles possam retomar seu fluxo normal”, concluiu ela. Todas essas políticas públicas educacionais também estão contempladas no Plano Municipal de Educação do município de Maceió.

Fonte: Ascom Semed / Texto: Delane Barros

Comentários

MAIS NO TH