Cidades

16 de janeiro de 2020 22:02

SMTT nega desligamento da empresa Veleiro do sistema de transporte público de Maceió

Na manhã desta quinta, cerca de 60 ônibus da Veleiro não deixaram a garagem

↑ Foto: Reprodução

Nesta quinta-feira (16), a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) negou que a empresa de ônibus Veleiro, cujos trabalhadores paralisaram as atividades, tenha sido desligada do Sistema Integrado de Mobilidade de Maceió (SIMM).

De acordo com um áudio que circulou nesta quinta-feira em aplicativos de mensagem, as atividades da empresa Veleiro em Maceió estariam encerradas. Porém a SMTT negou, em nota, o desligamento da empresa. “Sobre a informação de que a concessionária Veleiro teria sido desligada do SIMM, a SMTT esclarece que esta informação não procede”, diz a nota.

Na manhã desta quinta, cerca de 60 ônibus da Viação Veleiro que atendiam 15 linhas em Maceió não deixaram a garagem, depois que os funcionários decidiram paralisar as atividades em protesto pelo atraso nos pagamentos da empresa. Apenas a linha Maceió/Rio Largo continuou operando.

Confira a nota na íntegra:

A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) informa que segue trabalhando para garantir o direito de ir e vir dos usuários do Sistema Integrado de Mobilidade de Maceió (SIMM) e fazer com que nenhum passageiro do transporte público da capital fique desassistido durante a paralisação dos funcionários da empresa Veleiro.

O órgão reforça ainda que, nesta quinta-feira (16), encaminhou um ofício aos representantes do Sinturb e do Sinttro determinando que as outras três empresas que compõem o SIMM atendam aos bairros que deveriam ser atendidas pela Veleiro.

Sobre a informação de que a concessionária Veleiro teria sido desligada do SIMM, a SMTT esclarece que esta informação não procede. No entanto, a Superintendência ressalta que todas as medidas cabíveis já estão sendo adotadas para coibir qualquer tipo de irregularidade que venha colocar em risco a integridade física dos passageiros e prejudicar a oferta do transporte público da capital.

Fonte: Tribuna Hoje

Comentários