Cidades

22 de outubro de 2019 08:48

Médicos veterinários: ‘Trabalho vai muito além das clínicas e consultórios’

Vice-presidente do Conselho Regional de Veterinária detalha áreas de atuação dos profissionais

↑ Segundo Annelise Nunes, em Alagoas são quase 900 profissionais atuando e 1.284 inscritos no CRV (Foto: Arthur Melo)

Engana-se quem pensa que o médico-veterinário cuida apenas de gato e cachorro. O campo de atuação para esse profissional é vasto, com mais de 80 áreas. Para falar sobre essa realidade o TH Entrevista desta semana recebeu Annelise Nunes, vice-presidente do Conselho Regional de Veterinária de Alagoas (CRV/AL).

Em Alagoas são 886 profissionais atuando e 1.284 inscritos na entidade, que fiscaliza e disciplina o exercício da profissão regulamentada.

De acordo com Annelise Nunes, o trabalho dos médicos-veterinários vai muito além das clínicas e dos consultórios veterinários, destinados aos animais de companhia: eles atuam em atividades ligadas à produção dos alimentos de origem animal que chegam à mesa do consumidor; têm papel fundamental na agropecuária brasileira; podem trabalhar como consultores, responsáveis técnicos, docentes e peritos criminais, judiciais e administrativos; exercem atividades em laboratórios para análise de solo, para análise da água e domissanitários (saneantes destinados ao uso domiciliar); realizam pesquisas em alimentos; participam da produção de vacinas e de medicamentos de uso animal, entre outros.

No caso da saúde pública, por exemplo, a categoria foi integrada, em 2011, às equipes multiprofissionais do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf). “Isso significa que, desde então, os médicos veterinários têm a chancela do governo federal para atuar ao lado de outros profissionais que trabalham pela qualidade da atenção básica à saúde nos municípios brasileiros. Treze anos antes, em 1998, a Medicina Veterinária já havia sido reconhecida pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS) como profissão da área de saúde”, disse.

Ela explicou ainda que é o médico veterinário quem realiza visitas domiciliares para o diagnóstico de risco à saúde na interação entre os seres humanos, os animais e o meio ambiente. A Saúde Única visa promover a cooperação e colaboração entre médicos veterinários e demais profissionais de saúde e meio ambiente para promover a saúde e o bem-estar de todas as espécies animais e vegetais.

Annelise Nunes destaca ainda que essa integração é importante visto que pesquisas indicam que 60% das doenças nos seres humanos têm um animal fazendo parte, por esta razão a necessidade da interação para o controle. “Hoje sabemos que várias doenças existem em decorrência do ambiente degradado. Então se eu também não tiver uma água de qualidade não teremos o controle da doença. Então a Saúde única é isso. Não podemos trabalhar separado”, mencionou.

REGULAMENTAÇÃO

No dia 9 de setembro, foi comemorado o dia do médico-veterinário, já são 50 anos de regulamentação da profissão. Para a vice-presidente do Conselho Regional de Veterinária de Alagoas (CRV/AL), a data é um marco importante, embora ainda faltem alguns ajustes, tendo em vista que a quantidade de profissionais de cinco décadas não é a mesma que atualmente. De acordo com ela, o campo cresceu e o número de pessoas se formando na área é bem maior, bem como a quantidade de universidades no Brasil.

Reforçando que ao longo desse tempo a meta é trabalhar para manter a vida e o equilíbrio do planeta, cuidando da saúde animal, humana e do meio ambiente, concentrados na chamada: Saúde Única.

 

Assista à entrevista na íntegra:

 

Fonte: Tribuna Independente

Comentários

MAIS NO TH