Cidades

19 de setembro de 2019 09:21

Em Maceió, 74% dos acidentes de trânsito envolvem motocicletas

Registros vão desde colisões envolvendo motos e carros, pedestres até quedas do veículo

↑ Entre os meses de janeiro e maio deste ano, foram registrados 836 acidentes envolvendo motocicletas (Foto: Sandro Lima)

Os acidentes de trânsito envolvendo motocicletas correspondem a 74% do total de ocorrências atendidas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) em Maceió. Entre os meses de janeiro e maio deste ano foram 836 acidentes envolvendo motocicletas. Seja por quedas ou colisões com outras motos, carros de passeio, caminhões e até animais, os acidentes com este tipo de veículo lideram as estatísticas.

A maior parte dos acidentes atendidos pelo Samu é de colisão envolvendo carros e motos, este tipo de acidente representa 32,7%. As quedas de moto representam 20,9%. Outros tipos de acidentes são de colisões com caminhões, outras motos, bicicletas, pedestres, por exemplo.

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran-AL), responsável pela compilação das estatísticas, afirma que a motocicleta se destaca como meio de transporte mais envolvido em acidentes. Segundo informações do serviço social do Detran, no ano passado, 43% das vítimas de acidentes tinham motocicletas.

“Este dado reflete uma tendência já apontada nas outras pesquisas que coloca a motocicleta em destaque dentre os outros veículos. Vários fatores contribuíram para o aumento da frota de motocicleta no país e especificamente no estado de Alagoas, dentre eles se destacam: o acesso facilitado pelas políticas de financiamento, o preço inferior ao do carro de passeio, o valor do combustível que a cada dia tende a se elevar e o tempo gasto nos intermináveis congestionamentos na atualidade. Este dado pode ser comprovado pelo levantamento do Detran no que se refere ao emplacamento de veículos no primeiro mês de 2019 que demonstra que 4.720 veículos foram emplacados e destes, 1.113 foram referentes a motocicletas”, aponta o relatório.

A coordenadora do Plano de Segurança Viária para Motociclistas do Detran, Edira Soares, afirma que as estatísticas são “alarmantes”.

“Em 2016, foi criado o Plano de Segurança Viária para Motociclistas devido a essa estatística alarmante de acidentes. Só para se ter uma ideia, em 2016 o número de vítimas de acidentes de trânsito na Unidade de Emergência Dr. Daniel Houly passou de 14 mil. E mais de 70% envolvia motocicletas. Ao longo desses três anos de projeto que envolve ações de educação e engenharia de tráfego tivemos redução de 8%”, pontua.

Para Edira, reduzir os índices passa por questões culturais, econômicas e sociais, tendo em vista que em muitas comunidades a motocicleta é o único meio de transporte e muitas vezes o meio de transporte familiar.

“A educação e a fiscalização têm crescido bastante, mas isso passa também por questões sociais. Que não é só uma realidade de Alagoas, mas no país todo. Esse tipo de acidente é muito encontrado em países de baixa e média renda, onde um público, grande parte composto por jovens (18 a 24 anos) fazem a escolha da motocicleta por ser um veículo de baixo custo que envolve uma grande mobilidade. Aliado ao fato que não avançamos na política de transporte público. Então em muitas regiões mais afastadas das áreas urbanas a motocicleta acaba sendo o veículo da família e isso aumenta muito a chance de acidentalidade. Mas nós estamos continuamente buscando estratégias para mostrar a população que é possível conduzir a moto de uma forma segura”, esclarece.

 

Fonte: Tribuna Independente / Evellyn Pimentel

Comentários

MAIS NO TH