Cidades

20 de julho de 2019 08:40

Descrença: os alagoanos que cravam que homem não foi à Lua

Um dos principais argumentos é de que as missões não se tornaram constantes mesmo com tecnologia dos dias atuais

↑ Foto: Reuters

Cinquenta anos depois de o astronauta Neil Armstrong (1930-2012) ter dado aquele “pequeno passo para o homem, grande passo para a humanidade”, ainda há muita gente que não acredita que um ser humano, para ser mais exato, 12, em seis viagens diferentes da missão Apollo, não pisou na Lua.

De tempos em tempos, diversas pesquisas de opinião são realizadas pelo mundo para medir o quanto as pessoas acreditam no sucesso das missões Apollo. O nível de descrença varia entre 6% e 57% – este último impressionante número é de levantamento divulgado ano passado pelo VTsIOM, o instituto nacional de pesquisas de opinião da Rússia.

Um levantamento semelhante este realizado pelo instituto Gallup nos Estados Unidos apontou que 6% dos americanos não acreditam que o homem tenha pisado na Lua. Mas outras sondagens chegam a apontar que esse número pode ser bem maior: na casa dos 20%. Os argumentos apontados durante as pesquisas são os mais variados possíveis. Em fóruns de internet há desde gente defendendo que seria impossível pisar na Lua porque ela se trata de “uma bola de luz”, até outros tentando provar por A mais B que até seria possível levar o homem até lá. O problema, segundo eles, seria fazer o caminho de volta para a Terra.

As famosas ‘’teorias da conspiração” não ficam só na internet. Nas ruas de Maceió, a reportagem da Tribuna Independente encontrou algumas pessoas que desacreditam nesse feito e o motivo da descrença são diversos. Muitas nem sabiam que 12 homens em seis viagens diferentes da missão Apollo  pisaram na Lua.

Para a fisioterapeuta Fernanda dos Santos, a ida do homem à Lua foi uma manipulação. “Confesso que não acredito nesse feito, não só por conta das teorias conspiratórias, mas também por uma avaliação que eu faço e que muita gente faz. Antes não existia essa revolução tecnológica, esse monte de novidades e ele conseguiu ir à Lua. Então, hoje com tudo isso, por que não voltou? Se voltou qual foi à novidade?”, questiona.

Quem também segue com o mesmo raciocínio de Fernanda é a funcionária pública Sônia Maria e sua filha, a dona de casa Maíza dos Santos.

“Existem vários motivos para não acreditar que o homem teria ido de fato até a lua. E um deles é relacionado aos avanços tecnológicos. Se há 50 anos ele conseguiu dá esse passo, por que agora com mais recursos tecnológicos e até financeiro ele não voltou? E se voltou porque não houve tanta divulgação como naquela época”, questiona Sônia.

Já Maíza disse que só acredita se ele fizer o feito novamente e, dessa vez, disse que os astronautas terão que fazer umas lives, utilizando as novas tecnologias. “Teve uma época que eu de fato acreditava que o homem tivesse mesmo ido à Lua, mas com o passar dos anos você vai tendo conhecimento de outras versões, de fatos novos que te deixam uma reflexão”.

“Não acredito, mas meu pensamento pode mudar”

 

O questionamento do líder de vendas Geovane Brandão está relacionado à vira-lata Laika. ‘Pioneira’ enviada ao espaço há 60 anos em missão ‘sem volta’, a cadelinha tornou-se a primeira “vítima” das aventuras espaciais.

“Passei anos acreditando que o homem teria ido à Lua. A missão Apollo é muito famosa, conhecida em todo o mundo. Mas, também, não podemos fechar os olhos para as teorias que derrubam essa missão. Existem fatores e evidências que esse feito não foi real. Em 1957, a cachorra Laika foi mandada ao espaço, morreu horas depois e só foi divulgado após vários dias. Inclusive a causa de sua morte só foi revelada décadas depois do voo. Ou seja, se os russos esconderam isso, os americanos podem ter de fato usado artifícios e técnicas de cinema para mostrar à ida a Lua’’, relembra o líder de vendas, acrescentando que o pensamento pode mudar.

Quem crê explica que, pela ciência, não há dúvida

 

Muitas pessoas têm dúvidas legítimas e buscam entender melhor sobre esse passo dado pelo homem, no entanto quando vão buscar mais informações acabam se deparando com mais teorias da conspiração e ficando ainda mais confusas.

O casal de jornalistas Larissa Ribeiro e André Miranda disse que prefere acreditar até que se prove, por vias de fato, que tudo foi uma armação. “Eu prefiro acreditar que o homem tenha dado este passo. Acredito que pode fazer o feito novamente. E ainda acho que não fez por conta dos custos. Mas está próximo de fazer’’, avalia a jornalista Larissa Ribeiro.

Miranda se limitou a dizer que provavelmente os custos para enviar alguém ao espaço estejam mais caros. “Até que se prove o contrário, a versão mais verdadeira é a ida. Mas fica a pergunta no ar, ele foi ou não foi’’?

Para a estudante Samyra Maria, não restam dúvidas no “pequeno passo para o homem, grande passo para a humanidade”.  “Com toda certeza o homem foi à Lua. Foram anos estudando isso, para enfim conseguir chegar ao espaço. E todos nós tivemos esse conhecimento, há relatos em livros, em jornais. Eu acredito”.

“Homem foi à Lua e existem provas concretas”, diz astrônomo

 

Para o professor e astrônomo Romualdo Arthur Alencar Caldas, presidente do Centro de Estudos Astronômicos de Alagoas (CEAAL), da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), a ida do homem a Lua é indiscutível e com provas concretas do feito.

“Existem pessoas que discordam, inclusive indivíduos com nível superior e grande conhecimento dúvida, mas a maioria aceita, esses que discordam é uma pequena minoria. Eles acham que os livros e reportagens sensacionalistas são para ganhar dinheiro e fortalecer as teorias conspiratórias. Um dos questionamentos é a falta de sombra, o porquê as estrelas não aparecem nas fotos”, conta Romualdo.

O astrônomo explica ainda um dos fatores que derrubam de vez as teorias conspiratórias.  “Acontece que os astronautas colocaram aparelhos que refletem luz e daqui da Terra os observatórios apropriados lançam raio laser que batem nos refletores instalados na Lua. A luz retorna, com isso eles sabem a distância exata Terra\Lua.  Se tem um refletor lá, então foi porque alguém foi e o colocou. Ou seja, isso por si só já acaba com essa teoria. Vale ressaltar que a União Soviética na época era rival e não questionou. Se fosse de fato mentira, o rival teria colocado a boca no trombone e provava que foi trapaça, porque pode ter certeza que foi investigado”.

“Valeu a pena e existiu retorno”, diz astrônomo ao criticar Governo Federal

 

Quanto ao investimento, Romualdo entende que foi um custo alto, mas que para ele valeu a pena e existiu um retorno. “Foi de fato caro. E será novamente, porque eles vão voltar (previsto para 2024 e agora com uma mulher). Mas o recurso foi investido em ciência e isso já é um grande feito. Os Estados Unidos  atualmente investem muito em armas. Investir para o homem ir à Lua foi valor e com grande retorno econômico”, defende o astrônomo.

“Cada dólar investido rendeu 500 dólares de volta, foi o negócio com mais retorno no capitalismo daquela época. O país que tem tecnologia espacial fica autônomo. O Brasil estava indo nesse caminho, mas com esse governo subalterno aos EUA acabou”, completa Romualdo, dizendo que não dá para cortar recursos da ciência para  fazer investimento em guerras e armas.

O astrônomo lembra que o CEAAL está programando uma atividade para comemorar a data, no entanto, está previsto para acontecer no mês de agosto. ‘’Iremos programar tudo e em breve divulgaremos a data”.

Alguns argumentam que ida à Lua é farsa e seria teoria da conspiração

 

Quase tão antiga quanta a ida do homem à Lua é a crença de que o homem nunca foi à Lua. Logo que Neil Armstrong deu o “pequeno passo para um homem”, adeptos de teorias da conspiração começaram a denunciar que tudo não passava de um grande passo para a falsidade. Segundo pesquisa divulgada nesta semana pelo Datafolha, 26% dos brasileiros acreditam que foi farsa.

Para essa turma, a operação Apollo seria apenas uma encenação feita pelos Estados Unidos para desviar as atenções do desastre da Guerra do Vietnã e para vencer, de mentirinha, a corrida espacial contra a União Soviética, que estaria em franca vantagem tecnológica.

Romualdo diz que ida do homem à Lua é indiscutível e com provas (Foto: Edilson Omena)

Confira as teorias conspiratórias levantadas pelos negacionistas – e a explicação de por que eles estão errados.

TEORIA

As fotos da chegada do homem à Lua seriam de qualidade altíssima, incompatível com as condições existentes, portanto teriam sido feitas em estúdio.

EXPLICAÇÃO

Existem muitas fotos de baixa qualidade tiradas na Lua, mas a Nasa só divulgou as melhores. Os astronautas usaram câmeras de alta resolução e filme de 70 milímetros.

TEORIA

Não aparecem estrelas no céu nas imagens feitas durante o pouso na Lua. Segundo os conspiracionistas, elas deveriam estar lá. Para eles, a Nasa teria feito a encenação do pouso sem estrelas para impedir que alguém fosse capaz, pela posição delas, de demonstrar que o filme e as fotos foram produzidos na Terra.

EXPLICAÇÃO

Os desembarques ocorreram sempre durante o dia lunar, quando as estrelas são ofuscadas pela luz do Sol que se reflete na superfície do satélite. Assim, a luz fraca emitida pelas estrelas não oferece exposição suficiente para ser captada pelas câmeras. Além disso, máquinas fotográficas podem deixar o fundo escuro quando o objeto em primeiro plano está iluminado. Especialistas notam que estrelas raramente são vistas em fotos feitas do ônibus espacial, da estação Mir ou mesmo durante eventos esportivos noturnos.

 

Fonte: Tribuna Independente

Comentários

MAIS NO TH