Cidades

17 de julho de 2019 21:15

Eleição para diretoria da Fenaj acontece nesta quinta em Alagoas

Chapa ‘Audálio Dantas – FENAJ em defesa dos jornalistas, do jornalismo e da democracia’ é encabeçada pela atual presidenta, Maria José Braga

↑ Divulgação

Durante os dias 16, 17 e 18 de julho os jornalistas brasileiros votam para eleger a nova diretoria da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e os integrantes da Comissão Nacional de Ética (CNE) para um mandato de três anos, com início em agosto. Depois de sete eleições com disputa, uma única chapa foi registrada para o pleito deste ano. Em Alagoas, as urnas da Fenaj chegam às redações nesta quinta-feira (18).

De acordo com o presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Alagoas (Sindjornal), Izaías Barbosa, haverá urnas fixas nas empresas que tiverem mais funcionários e mais rotatividade de pessoal e urnas volantes em empresas com poucos funcionários e pouca rotatividade.

“A ideia é dar a oportunidade de todos votarem. Por causa da correria do dia a dia, a gente sabe que os colegas talvez não tenham muita flexibilidade de ir até o Sindjornal. Mas vale ressaltar que também teremos urna no sindicato. Os aposentados e os desempregados têm direito de votar no sindicato, por exemplo”, comentou o presidente.

Izaías também explica que, apesar da eleição para Fenaj acontecer durante três dias, Alagoas escolheu apenas a quinta-feira para votar. Ele diz que a Federação disponibiliza três dias para grandes centros urbanos, como São Paulo e Rio de Janeiro, terem a capacidade de participar totalmente.

Chapa única

A chapa ‘Audálio Dantas – FENAJ em defesa dos jornalistas, do jornalismo e da democracia’ é encabeçada pela atual presidenta, Maria José Braga, de Goiás, e tem como vice-presidente Paulo Zocchi, de São Paulo. Os demais cargos da diretoria – distribuídos entre executiva, vices-regionais e departamentos – são ocupados por jornalistas de todas as regiões do país e da maioria dos estados. As integrantes da chapa em Alagoas são Valdice Gomes e Luíla de Paula.

“Os últimos três anos, os quais eu estive à frente na Fenaj, foram anos de muita dificuldade para o jornalismo. Foram muitos ataques aos direitos do trabalhador brasileiro e ao estado democrático de direito. Então, a gente acredita que os próximos anos também serão anos de resistência. Anos em que a classe trabalhadora terá que se unir cada vez mais. Está havendo um retrocesso e nós vamos lutar contra esse retrocesso”, disse Maria José Braga.

Luíla de Paula reforça que são tempos difíceis para o jornalismo. “Estamos em uma era de fake news. Tivemos, recentemente, um governo eleito com base em notícias falsas e, infelizmente, esta é a realidade que nos está posta. Então, a nossa chapa tem essa proposta de retomar o jornalismo ético e eficaz”, afirmou.

Fonte: Reportagem: Rívison Batista

Comentários

MAIS NO TH