Cidades

14 de junho de 2019 12:52

Movimentos estudantil, docente e técnico fecham portão da Ufal  

Greve Geral foi deliberada em assembleia com movimentos estudantil, docente e técnico

↑ Interdição com pneus e paredão humano ocorreu nos dois sentidos em frente à Ufal (Fonte: Cortesia/Adufal)

Os movimentos estudantil, docente e técnico fecharam o portão da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) na manhã desta sexta-feira (14) em apoio a Greve Geral deflagrada em todo o país.

De acordo com o presidente da Associação dos Docentes da Ufal (Adufal), Jaílton Lira, a obstrução da BR-104 em frente à universidade aconteceu com o intuito de chamar a atenção da opinião pública e da imprensa e durou cerca de cinco minutos. “Quando o policiamento chegou liberamos a via para não causar transtorno à comunidade. A universidade está fechada pela manhã e somente à tarde vamos abrir os portões, já que temos atividade pública logo mais às 15h na Praça Centenário”, avisou.

Jaílton Lira – Presidente da Adufal (Foto: Edilson Omena)

Jaílton Lira ressaltou que existem duas bandeiras para esta greve geral, uma delas a Reforma da Previdência, que o governo quer implantar, e a outra diz respeito aos cortes de verbas na educação, o chamado contingenciamento.

(Fonte: Cortesia/Adufal)

“A ação deliberada foi coordenada pelos seguimentos: acadêmico, educação básica, setor bancário, e de alguma forma, o setor de transporte, para poder demonstrar ao governo que nós não concordamos com a proposta que apresentaram acerca da previdência e educação”, frisou.

O coordenador geral do DCE – Diretório Central dos Estudantes, Tiago Di Lucas, avaliou o ato como positivo esta manhã na frente da Ufal, bem como as demais manifestações por todo o Brasil. Ele mencionou que este é o momento dos trabalhadores e estudantes estarem unidos para falar ao governo, que não se quer a reforma da previdência, e não aceitam os cortes na educação.

Tiago Di Lucas – coordenador geral do DCE Ufa (Foto: Edilson Omena)

“O que a gente quer construir é um horizonte para o povo trabalhador, e um Brasil melhor, que tenha soberania nacional, autodeterminação dos povos, que tenham qualidade de vida, que é o que esse governo em nossa opinião ameaça. Estamos conseguindo construir em todo o país a greve geral, aqui na Ufal conseguimos inclusive tirar uma greve geral para os estudantes, que foi unificada entre todos os seguimentos e isso é muito importante, porque mostra que as pessoas estão começando a se conscientizar sobre o que é esse governo, e esses ataques para a vida do povo trabalhador”, finalizou.

Portões foram mantidos fechados (Foto: Edilson Omena)

Fonte: Tribuna Hoje / Ana Paula Omena

Comentários

MAIS NO TH