Cidades

13 de junho de 2019 08:50

Maceioense segue tradição de acender fogueira

Hábito herdado de pais e avós resiste às mudanças e continua vivo em várias ruas da capital em dias festivos do mês de junho

↑ João Gomes é adepto de fogueiras juninas: ‘Faço as três do mês e para mim não tem nada melhor que ficar aqui olhando a lenha queimar’ (Foto: Adailson Calheiros)

O mês junino é cheio de tradições e manifestações que vão de crenças a costumes, entre eles o de acender fogueiras na porta de casa nas vésperas dos dias de Santo Antônio, São Pedro e principalmente São João.  Para algumas pessoas esse hábito está cada vez mais em desuso, mas ainda há aqueles que resistem às mudanças e continuam firmes mantendo a tradição.

João Gomes é adepto de fogueiras juninas. Ele não perde nenhuma, segundo ele, herdou o costume dos pais católicos e faz questão de manter a tradição. “Desde criança via meu pai fazendo fogueira. Então depois de casado continuei com essa prática. Faço as três fogueiras do mês e pra mim não tem nada melhor que ficar aqui olhando a lenha queimar. À noite os vizinhos se juntam e ficam comigo assando milho e conversando. Isso é bom demais, relembra minha infância”, informa.

Dona Maria Mercedes, de 71 anos, faz questão de explicar a importância da fogueira e fala do prazer de curtir a tradição. “A fogueira tem uma simbologia muito bonita. É quando Isabel avisa a chegada de São João Batista. Acho importante manter a tradição em respeito a essa passagem e também por conta dos meus pais que sempre fizeram; e eu quis continuar com esse costume. Por isso todos os anos me reúno com meu filho pra fazer a fogueira na minha porta. Faço as três, mas principalmente a do São João.  Quando não junto madeira, peço para meu filho comprar. Esse ano já nos organizamos e vamos assar muito milho pra comer na porta”, explica Maria Mercedes.

RENDA EXTRA

Denis da Silva aproveita o mês junho para ganhar um dinheiro extra. Ele vende lenha para fogueira na Avenida Juca Sampaio há cerca de 28 anos e diz que não considera uma atividade de venda, mas sim um hobby, já que faz isso desde os 14 anos. Segundo ele, as vendas já tiveram anos melhores, mas Denis acredita que até São João a procura aumente. “Desde sábado [8] que comecei a vender e hoje [quarta-feira, 12] só vendi dois fechos. Acho que com a crise que o Brasil supostamente está vivendo, as pessoas estão mais paradas pra comemorar festas juninas. Ano passado foi melhor. Mesmo assim pretendo ficar até dia 23 que é véspera de São João e o dia que o pessoal mais procura. Aqui é assim, o cliente é quem diz o valor e a gente desenrola um fecho de lenha. O que não pode é faltar a fogueira de São João”, diz o vendedor.

Sobre a forma de conseguir as madeiras, Denis informa que se programa com antecedência. “É muita poda. As pessoas constroem muito e eu vou me organizando o ano todo. Vou lá, peço ao proprietário, quando não me dão eu compro a um preço bom e vou juntando. Sempre guardo em local seco e cubro com lona; depois é só aguardar o mês de junho para conseguir um dinheiro extra”, explica.

MILHO

Com a venda do milho não está sendo diferente, o mês junino promete esquentar a procura e o esperado é que a tradição de comer o milho assado se mantenha, assim espera o vendedor de milho Jamerson dos Santos.

“O pessoal tá procurando muito. Este ano o milho vai ter mais venda do que o ano passado porque está mais barato. Desde sábado comecei a vender e estou gostando. Tenho três pontos de venda aqui em Maceió e estou muito satisfeito. A força do mês é a véspera de São João. A concorrência tá grande, mas com fé em Deus até o dia 30 não tenho mais nada pra vender”, informa Jamerson.

IMA alerta consumidor a ficar atento quanto à procedência

 

Segundo Thalyta Almeida, engenheira florestal da equipe de Gestão Florestal do Instituto do Meio Ambiente (IMA), o corte de árvores nativas só pode ser feito mediante autorização.

“Dessa forma, para não incorrer em infrações ambientais, quando uma pessoa for comprar uma fogueira é importante perguntar ao comerciante a procedência da madeira. Se a própria pessoa for cortar, a árvore a regra é a mesma. No caso do uso de madeiras de espécies exóticas, como mangueira e jaqueira, a regra é diferente, mais flexível, pois o corte é isento de autorização, exceto no município de Maceió e Arapiraca. Mas, de todo modo, não é interessante sair cortando árvore sem qualquer tipo de cuidado. Segundo o Decreto Federal 6.514 a multa corresponde a R$ 300 por unidade. Mas caso a espécie seja especialmente protegida a multa pode atingir a R$ 500 por árvore”, explica Thalyta.

Vendedor de lenha para fogueira, Denis da Silva aproveita o mês de junho para ganhar uma renda extra (Foto: Adailson Calheiros)

Qualquer tipo de irregularidade ou denúncia pode ser feita através do aplicativo IMA Denuncie ou do 0800 082 1523.

E para se divertir sem deixar de respeitar tradição, a Equatorial Energia Alagoas dá dicas de segurança para a população festejar o período junino com responsabilidade e evitar acidentes evolvendo rede elétrica de energia: nas ligações internas de barracas, evite emendas nos fios, uso dos “T”s e gambiarras; utilize somente fogos de artifícios comprados em lojas autorizadas, mantendo sempre uma distância segura das pessoas e de postes elétricos; nunca solte foguetes, rojões, balões, fogos de artifício ou acenda fogueiras embaixo das redes de energia. Isso pode provocar o rompimento de cabos da rede de energia elétrica e gerar uma situação de alto risco para as pessoas; dê preferência por contratar profissionais capacitados para a montagem de estruturas próximas à rede elétrica; se houver montagem de palco ou estrutura metálica, lembre-se de fazer o aterramento para evitar choque elétrico.

Em caso de acidente: o local deve ser isolado para que não haja a aproximação de pessoas; não toque em objetos ou pessoas que estejam em contato com fios da rede elétrica até que um profissional qualificado chegue ao local; jamais toque ou se aproxime de fios partidos; acione imediatamente o Corpo de Bombeiros, por meio do número 193, e a Companhia de Energia na Central de Atendimento 0800 082 0196.

Para mais informações ligue para a Central de Atendimento 0800 082 0196, ou acesse o site www.equatorialalagoas.com.br.

Fonte: Tribuna Independente / Daniele Soares

Comentários

MAIS NO TH