Cidades

15 de maio de 2019 08:47

Artigos juninos já estampam vitrines em lojas de Maceió

Produtos tradicionais e roupas da época são apostas para aquecer mercado; mas procura ainda é considerada baixa

↑ Loja especializada em produtos de época decorou espaço com a cara das festas juninas logo após Dia das Mães (Foto: Edilson Omena)

Com a chegada das festas juninas, várias lojas especializadas em artigos de épocas já se prepararam para as vendas de produtos do período. Principalmente para as próximas semanas, quando se iniciam a celebração dos Dias de Santo Antônio (13), São João (24) e São Pedro (29). Apesar da proximidade dos festejos, a procura pelos produtos ainda é considerada baixa, mas já iniciaram.

E por falar em vendas, os artigos mais procurados segundo as vendedoras de uma loja no Centro de Maceió, são justamente os painéis com as imagens dos santos homenageados nas tradicionais festas juninas.

“Logo após o Dia das Mães já começamos a deixar a loja com a cara das festas juninas para chamar atenção dos consumidores. Como trabalhamos com artigos de época, esse seria o momento de aquecer o mercado. E a procura apesar de não ser intensa já começou. Muita gente chega até a loja procurando os artigos convencionais e tradicionais para decorar sua casa, escola. Por incrível que pareça o que tem mais saída em relação a artigos de decoração ainda são os balões seguidos dos painéis com os santos que dão nome as festas”, conta Marleide Vilela, supervisora de caixa.

E a variedade de produtos é imensa. São balões, espantalhos, copos personalizados, bandeirinhas, caixinhas decorativas, adereços para cabeça como os chapéus de palha, e os famosos vestidos matutos ou de quadrilha junina, como são conhecidos.

“A loja investe bastante. Por aqui, o consumidor vai encontrar de tudo para deixar as festas juninas com a cara que o período pede. São produtos a partir de R$ 2,50 para frente. Tudo depende da marca, do produto que o cliente busca. Além disso, trabalhamos também com as fantasias, ou melhor, as roupas matutas tanto para homens quanto para mulheres – adulto e infantil. Preços variados. Com R$ 50 já é possível encontrar uma peça”, ressalta a vendedora Aline Alves.

Proprietária de ateliê diz que movimento ainda está fraco

 

No entanto, há quem destaque o momento nada favorável. Verônica Marques, por exemplo, proprietária de um ateliê, na Avenida Rotary, localizado no bairro do Farol, disse que o movimento ainda está fraco.

“Está fraco no geral, porém este mês comparado com o ano passado já tenho mais encomendas. Mas não estamos no vapor. O pessoal deixa para cima da hora”, frisa Marques.

Verônica Marques diz que, mesmo fraco, este mês tem mais encomendas do que no mesmo período do ano passado (Foto: Adailson Calheiros)

Ainda segundo ela, a maior procura é para festas de escolas e voltadas para o público infantil feminino.  “A maioria das encomendas são para meninas. Encomendas feitas para as festas de colégios. E a maioria ainda não entregaram os modelos. Por isso, acaba ficando em cima. Não dá para afirmar a estimativa de vendas”.

Em relação ao preço a proprietária do ateliê, que trabalha sobre medida e com modelos escolhidos pelos clientes afirma que varia a depender dos detalhes e material utilizado na confecção.

“Isso é bastante relativo ao gosto do cliente. Temos peças de R$ 80 a R$ 300, por exemplo, roupas personalizadas para noivas, rainhas do milho e destaques de modo geral”.

Fonte: Tribuna Independente / Lucas França

Comentários

MAIS NO TH