Cidades

1 de fevereiro de 2019 15:25

Lideranças comunitárias da região do Pinheiro pedem ajuda ao Crea

Moradores de regiões periféricas que sofrem com informações não confiáveis vindas da internet terão reunião com o Conselho

↑ Presidente do Crea-AL, destacou que vem acompanhando, ao lado do Ministério Público Estadual, as ações realizadas (Foto: Divulgação)

Receosos com os constantes aparecimentos de rachaduras nas residências do bairro do Pinheiro e pelas informações desencontradas vindas das mídias sociais, representantes da Federação das Associações de Moradores e Entidades Comunitárias de Alagoas (Famecal) estiveram no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Alagoas (Crea-AL) para solicitar o apoio da entidade no acompanhamento dos resultados dos laudos periciais, que estão sendo realizados pela Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM).

O diretor de Educação e Formação Comunitária da Famecal, Antônio Sabino, acompanhado dos advogados Felipe Mendes e Silvio Omena, transmitiu a preocupação de centenas de famílias situadas nas regiões periféricas no entorno do Pinheiro.

“Aqui representamos moradores de Bebedouro, Alto do Ceu, Saem, Mutange, conjunto Divaldo Suruagy e outras comunidades que estão sendo afetadas por essas rachaduras. Por isso, tentamos lidar todos os dias com o desespero de muitos que temem perder suas residências. Este é o motivo de nossa vinda. Gostaríamos de contar com o conhecimento técnico do Crea para esclarecer o grande número de informações desencontradas que chegam todo dia em nossas comunidades por meio da internet e de outras pessoas. Precisamos disso para acabar com muitas inverdades propagadas por terceiros e, conseqüentemente, tranquilizar os moradores”, falou Sabino.

Fernando Dacal, presidente do Crea-AL, destacou que o Conselho vem acompanhando, ao lado do Ministério Público Estadual, as ações realizadas. Segundo ele, é muito importante aguardar os estudos do Governo Federal, realizadas por meio do CPRM, que ocorre no solo da região para emitir um laudo pericial.

“Enquanto isso ocorre, sugiro que o morador monitore sua estrutura, verificando se surgem rachaduras. A necessidade de laudos de inspeção, realizados por profissionais habilitados, é fundamental para se ter uma ideia de como a estrutura se encontra”, disse Dacal.

No final, foi acordado a realização de uma reunião, para o próximo dia 4 de fevereiro, às 9h, no auditório do Crea, entre lideranças ligadas a Famecal e profissionais técnicos do Conselho para esclarecer dúvidas referentes a este fenômeno.

“Aproximadamente 8 comunidades localizadas no entorno no Pinheiro se farão presentes. Esse encontro será importante para todos entenderem melhor o que está ocorrendo”, finalizou Sabino.

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH