Cidades

9 de dezembro de 2018 12:00

Festa das Águas celebra a cultura Afro

Em dez anos, Festa das Águas se tornou uma celebração de resistência e apoio à religiosidade de matriz africana, e também de incentivo à cultura afro-brasileira.

Localizada na orla de Pajuçara, a Praça Multieventos foi palco, nesse sábado (08), do primeiro dia da décima Festa das Águas, tradicional celebração ao dia de Yemanjá. A festividade é uma realização da Liga de Grupos Afro-Alagoanos e conta com a parceria da Prefeitura de Maceió. Neste ano, a programação da Festa das Águas abrange, inclusive, o domingo (09), levando diversas apresentações dos grupos locais do segmento da cultura afro ao público presente.

Nesses 10 anos, a Festa das Águas se tornou uma celebração de resistência e apoio à religiosidade de matriz africana, e também de incentivo à cultura afro-brasileira.

O clima na orla de Pajuçara era de pura alegria, com milhares de pessoas vestidas no típico azul e branco da figura sagrada a quem são dedicadas as festividades dos dois dias de Festa das Águas: Yemanjá, a orixá das águas do mar. Durante o xirê (“roda”, numa tradição livre do Yorubá), quando vários grupos culturais e afroreligiosos se reúnem para fazerem juntos a grande celebração de canto e dança, talvez o momento mais esperado do dia, Carlos Spinelli, professor e estudante de jornalismo, segurava forte em suas guias brancas, azuis e amarelas, dos orixás que o protegem, para não chorar.

“Essa é a décima vez que venho a este evento”, disse Spinelli, emocionado. “Desde a Quebra de Xangô (em 1912, foi o nome dado ao triste episódio de intolerância religiosa no qual o poder público ordenou a destruição de todos os terreiros de religiões afrobrasileiras em Maceió, que detinha, à época, a segunda maior Nação Negra do Brasil), nós estamos tentando mostrar, através de eventos como esse, que estamos vivos, e provando, sempre, a importância desta religião e desta cultura para a identidade do povo alagoano.

Identidade esta que deu a tônica da fala de Mestre Sandro, do Coletivo Afrocaeté, de maracatu, poucos minutos antes da entrada do grupo ao palco da Festa das Águas. “Para o nosso grupo, é uma honra fazer parte dessa festa ao lado de tantos amigos”, destacou o mestre cercado pelos trajes brancos e pelos instrumento percussivos que os membros de seu grupo vestiam e carregavam.

Christiano Barros era uma dessas pessoas que estavam ao lado de Mestre Sandro, preparando-se para entrar no palco. Entretanto, a sua fala não foi enquanto membro do Coletivo Afrocaeté, do qual já faz parte há alguns anos, mas enquanto organizador da Festa das Águas: e ele estava muito orgulhoso por ser uma das cabeças à frente da décima edição do evento. “São dez anos de resistência e de existência. Esse é um momento muito especial pra nós, em que tudo é felicidade”. Para ele, o apoio da Prefeitura às festividades é importante, porque fortalece a estrutura do evento, tornando possível que a Liga Afro consiga “encher a Praça Multieventos”.

“Para realizarmos este grande evento, precisamos de apoio”, falou Christiano, antes de se posicionar em direção à entrada do palco.

Veja a programação para este domingo, 9.

15h30 – Grupo 1 – Thembá
16h – Grupo 2 – Orquestra de Tambores
16h30 – Grupo 3 – Afrolozzi
17h – Grupo 4 – Afoxé Ofá Omin
17h30 – Grupo 5 – Projeto Erê
18h – Grupo 6 – Mel Nascimento
18h30 – Grupo 7 – Afro Mandela
19h – Grupo 8 – Afojubá
19h30 – Grupo 9 – Banda Ogbon
20h – Grupo 10 – [email protected]
20h30 – Grupo 11 – Afoxé Oju Omin Omorewá
21h – Encerramento

Fonte: Secom Maceió

Comentários

MAIS NO TH