Cidades

29 de novembro de 2018 17:54

Prefeito busca apoio federal para estudos de rachaduras no bairro do Pinheiro

Rui reforçou que logo após primeiras ocorrências, em fevereiro deste ano, Município buscou ajuda de órgãos especializados com geologia para tentar identificar as razões para fenômeno

↑ Braskem ingressou com agravo de instrumento no TJAL buscando suspender liminar e sustentou que, até o momento, não há como precisar a responsabilidade civil da empresa pelo que está acontecendo nos bairros do Pinheiro, Mutange e Bebedouro (Foto: Adailson Calheiros)

O prefeito de Maceió, Rui Palmeira, foi até Brasília buscar mais apoio da União para o bairro do Pinheiro. Nesta quarta-feira (28), ele se reuniu no Ministério da Integração Nacional com representantes de órgãos federais, onde solicitou recursos e a continuidade dos estudos para identificar as causas das rachaduras que afetam imóveis e vias públicas na região.

Acompanhado pelos secretários municipais de Governança e Defesa Civil, José Lages Júnior e Dinário Lemos, e o de Desenvolvimento Territorial, Mac Lira, o gestor enfatizou a importância da integração dos órgãos federais para o caso. O prefeito foi recebido pelo secretário nacional de Defesa Civil, coronel Renato Newton Ramlow, com o diretor do Serviço Geológico do Brasil – Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), Antônio Carlos Bacelar, além de representantes do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) e do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden).

No encontro, o prefeito reforçou a necessidade do apoio do Governo Federal. “Viemos a Brasília para reiterar o nosso pedido de apoio, já que é uma situação preocupante, jamais vista no País, e que nenhuma prefeitura teria capacidade técnica e operacional para conduzir os estudos e adotar as medidas necessárias. Conversamos com o secretário nacional de Defesa Civil, que se colocou à disposição, e seguiremos apoiando os órgãos do Governo Federal para que os técnicos identifiquem o mais breve possível o motivo das rachaduras”, disse Rui Palmeira.

O prefeito reforçou que logo após as primeiras ocorrências, em fevereiro deste ano, o Município buscou ajuda de órgãos especializados com geologia para tentar identificar as razões para o fenômeno. “Desde então, Defesa Civil de Maceió e as secretarias municipais estão de prontidão, colaborando com todo o suporte possível ao trabalho da CPRM e DNPM. No entanto, precisamos de mais suporte técnico, operacional e financeiro, sobretudo para assistência humanitária aos moradores”, reforçou o prefeito.

Dinário Lemos destacou o trabalho realizado pelos técnicos do Governo Federal e enfatizou que, com a reunião, a expectativa é que os estudos continuem e sejam reforçados com o envio de equipamentos de maior precisão. O secretário de Defesa Civil de Maceió lembrou que o órgão municipal tem atuado em apoio aos órgãos federais, que são os responsáveis pela realização dos estudos.

“Entendemos que há um anseio por parte da população, que aguarda por respostas, e estamos trabalhando de forma conjunta para chegar a uma conclusão. Desde que foram identificadas as primeiras rachaduras e com o agravamento do problema, a Prefeitura se empenhou em buscar soluções junto ao Governo Federal. Nossa vinda a Brasília reforça o nosso pedido de apoio para que logo possamos esclarecer o que está acontecendo na região. O trabalho é diário, com monitoramento e fornecimento de informações, contando com engajamento de técnicos da CPRM e do DNPM”, comentou Lemos.

No Pinheiro, técnicos da Defesa Civil de Maceió estão realizando levantamentos em relação à população para encaminhar dados ao Governo Federal. A equipe também tem realizado o monitoramento por meio de réguas, que apontam se houve ou não dilatação das rachaduras. Uma nova etapa do estudo deve ser iniciada em breve, visto que a CPRM está realizando um processo de aquisição de equipamentos de alta precisão para a análise do solo, o que deve colaborar com o diagnóstico.

Fonte: Redação com Secom Maceió

Comentários

MAIS NO TH