Cidades

11 de outubro de 2018 12:13

Programação científica, cultural e de geração de renda é lançada  

O evento é promovido pelo Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô, entidade do Movimento Negro alagoano

↑ Projeto Vamos Subir a Serra 2018, foi lançado nesta quinta-feira (11), no Centro Cultural Art Pajuçara (Fotos: Sandro Lima)

Foi lançada com muita festa nesta quinta-feira (11), a programação do projeto Vamos Subir a Serra 2018, que contará com atividades científicas, culturais e de geração de renda entre 14 e 18 de novembro na Praça Multieventos na Pajuçara, em Maceió. O evento é promovido pelo Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô, entidade do Movimento Negro alagoano.

De acordo com o presidente da Fundação Cultural Palmares, Erivaldo Oliveira, o momento é grandioso no sentido de Alagoas ter a sorte de possuir um dos maiores monumentos do Brasil: a Serra da Barriga, localizada em União dos Palmares, Zona da Mata do Estado.

“Cada vez mais devemos ocupar aquela serra. Começamos com a primeira edição do projeto Vamos Subir a Serra em novembro de 2017, marcando as celebrações do Dia da Consciência Negra, 20 de novembro, com a proposta de envolver não só a comunidade local, mas toda a sociedade, chamando atenção para a legitimação da ocupação de espaços pela população negra com igualdade, em todas as áreas”, frisou Erivaldo.

Ele lembrou que a Fundação Cultural Palmares somente foi criada porque na década de 80, o movimento negro do Brasil retomou a Serra da Barriga. Após dois anos do fato, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) tombou a serra e Zumbi dos Palmares foi elevado à categoria de herói nacional.

Por esta razão, o projeto Vamos Subir a Serra traz quilombolas para vender sua produção na Multieventos. “Vamos gerar emprego e renda, consciência política e econômica e acima de tudo elevar a condição social”, destacou.

Serão cinco dias que reunirá um grande público numa tenda na Praça Multieventos – Pajuçara. Na vasta programação estão feiras de empreendedores negros e de comunidades quilombola; desfile de moda afro in; espaço de valorização da beleza negra; apresentações culturais; além de debates e palestras a cerca de temas de combate ao racismo. Para este ano, os organizadores também prometem uma programação científica e cultural, além de geração de renda, ainda, mais ampla.

Valdice Gomes, coordenadora de comunicação do Anajô, explicou que o projeto acontece no mês de novembro justamente para marcar a data da Consciência Negra (20). A programação acontece entre 14 e 18 de novembro na Praça Multieventos na Pajuçara, em Maceió, e dia 19 em União dos Palmares com uma visita a Serra da Barriga e no período da noite uma apresentação da projeção mapeada.

“É fundamental que a sociedade alagoana prestigie. O evento acontece numa tenda climatizada de mil e cem metros quadrados com muita gastronomia, feiras, seminários, debates e rodas de conversa com vários temas da questão negra, como o afrofuturismo. São mais de 30 atividades e o diferencial é a capacidade de agregar outros projetos”, salientou.

Para o presidente da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC), Vinicius Palmeira, o momento é de felicidade e orgulho em fazer parte junto às organizações do evento. “Em qualquer cenário a questão racial é séria e não podemos estabelecer retrocessos. Não é a cor da pele que irá fazer as pessoas piores ou melhores”, observou.

“A trajetória da FMAC é de compromisso com a cultura afrobrasileira, é uma saudação a Serra da Barriga, e nada melhor do que ser parceria de um projeto como este, que trará ganhos importantes, sobretudo na semana que traz capacitações e empreendedorismo com o enfoque afro”, emendou.

ANAJÔ

O projeto é de iniciativa do Anajô, entidade vinculada aos Agentes de Pastoral Negros do Brasil (APNs), com recursos do governo federal, por meio da Fundação Cultural Palmares (FCP) e parceria da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC), Núcleo Zero e gestão de Simone Benchimol, entre outras instituições que agregam valores ao projeto dando visibilidade as ações da população afro-brasileira.

EMENDA PARLAMENTAR

Valdice Gomes mencionou que para fazer um evento grandioso como este, uma emenda parlamentar foi executada por meio de um termo de fomento junto à Fundação Palmares que é do Ministério da Cultura.

“Tivéssemos que seguir todos os passos da burocracia que o Sistema de Convênios (Siconv) do Governo Federal exige, mas nos habilitamos para isso e temos a parceria da Fundação Municipal de Ação Cultural, Prefeitura de Maceió, sesi, entre outros parceiros que estão chegando para que tudo dê certo no mês de novembro”, ressaltou.

A feira acontece de 10h às 22h. Pela manhã e a tarde no auditório acontecem os seminários e debates. Lembrando que a feira de gastronomia e os shows que acontecem na Multieventos começam às 17h.

Confira o Pauta Extra sobre o lançamento:

Fonte: Tribuna Hoje / Ana Paula Omena

Comentários

MAIS NO TH