Cidades

29 de maio de 2018 16:05

Assembleia geral unificada do Sinteal discute lutas salariais, dentre outros tópicos

Resistência nacional da classe trabalhadora e a aprovação da comissão eleitoral para a eleição do sindicato foram debatidos

↑ (Foto: Assessoria do Sinteal)

Trabalhadores em educação do Estado de Alagoas e do Município de Maceió participaram, na manhã desta terça-feira (29), de uma grande assembleia geral unificada do Sinteal, no Espaço Cultural Jarede Viana. Na pauta, as lutas salariais, a resistência nacional da classe trabalhadora e a aprovação da comissão eleitoral para a eleição do Sinteal, que acontece este ano.

A presidenta do Sinteal, Consuelo Correio, repassou informes sobre o movimento unificado de servidores/as da rede municipal, que estão em uma paralisação de 48 horas desde segunda-feira (28) cobrando reajuste salarial para todas as categorias. “Realizamos um movimento muito bonito ontem, um ato com muita gente no centro de Maceió. Ocupamos a Semge e deixamos um recado para a prefeitura: o funcionalismo está forte e unido. Não aceitamos zero por cento e muito menos sentar para negociar direitos já conquistados!”, disse Consuelo. Ela se referiu às progressões e titulações, que são direitos garantidos por lei, e a gestão está tentando apresentar como ganhos da campanha desse ano.

Luta Nacional

Com a movimentação que está acontecendo no país, puxada pelos caminhoneiros, Consuelo explicou a necessidade de fortalecer as lutas da classe trabalhadora e repudiar as tentativas de desvirtuar o movimento e acabar com a democracia. Girlene Lázaro, da direção da CNTE, falou que a pauta dos combustíveis é um problema que diz respeito à toda população brasileira, e que devemos fortalecer a mobilização dos trabalhadores da Petrobras. “A questão do preço dos combustíveis é um problema criado nessa gestão de Temer na presidência da Republica e Pedro Parente na Petrobras. Eles estão entregando o patrimônio nacional ao capital internacional e penalizando a população. É hora de ser patriota e de defender a soberania nacional com democracia. A educação vai se somar às manifestações dos petroleiros nesse primeiro dia de greve”, convocou Girlene.

Presente à assembleia, a professora Lenilda Lima, ex-presidente do Sinteal e representando a Frente Brasil Popular (FBP), fez uma aprofundada análise da situação grave por que passa o Brasil, causada pelos desmandos e pela política entreguista e anti-trabalhador do governo golpista de Michel Temer. Lenilda se disse “estupefata” por ver professores/as apoiarem a possibilidade de um novo golpe militar no país. “Não se enganem, os mentores de todo o processo de corrupção em nosso país vem daquela época [64]. O entreguismo, todo o acúmulo de capital voltado aos estrangeiros vem daquele período.”.

Precatórios do Fundef

O Sinteal está acompanhando as negociações sobre os recursos do Fundef que chegaram para os municípios. Os esforços do corpo jurídico do Sinteal estão sendo para garantir que a maior parte seja destinada para rateio para o magistério. Na manhã de ontem (28) foi realizado um ato público em Maceió, em que professores/as de vários municípios estiveram na Associação dos Municípios Alagoanos (AMA), junto com o Sinteal, cobrando seus direitos.

Rede Estadual

A vice-presidenta do Sinteal, Célia Capistrano, informou à plenária que as negociações continuam com o Estado sobre o pagamento dos retroativos. Há acompanhamento de perto para que seja cumprido o acordado na última reunião com a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag). Outro enfrentamento que está sendo feito é sobre o Plano de Cargo e Carreira (PCC), que está sendo finalizado e o Sinteal luta para que seja implantado.

Eleição da Comissão Eleitoral

Um dos pontos importantes da assembleia de hoje foi a eleição, pela maioria da plenária, da chapa com os membros da Comissão Eleitoral que organizará todo o processo eleitoral do Sinteal, e também os suplentes.

Para conhecimento da categoria, são estes os titulares da Comissão Eleitoral: Norma Sueli Santos de Barros; Maria Jandira Domingos, Wagner Luciano, Quitéria Cavalcante e Georgina Gonçalves. Já os três membros suplentes são os seguintes: Daython Alexandre da Silva, Marinalva Rodrigues dos Santos e Dilmacir Santos de Melo.

Fonte: Assessoria do Sinteal

Comentários

MAIS NO TH