Cidades

9 de janeiro de 2018 17:10

Faculdade é despejada de prédio após três anos e meio de aluguel atrasado

Valor total da ação na Justiça gira em torno de R$ 2 milhões; Raimundo Marinho tem novo endereço em Maceió

↑ Oficial de Justiça Robert Manso mostra a situação do prédio após despejo (Foto: Sandro Lima)

Ocorreu na tarde desta terça-feira (9) o cumprimento de ação judicial de despejo da Faculdade Raimundo Marinho de seu prédio-sede, situado no número 8501 da Avenida Durval de Góes Monteiro, no bairro do Tabuleiro do Martins. A ação que teve decisão proferida pelo juiz Gustavo Souza Lima, da 12ª Vara Cível da Capital em 18 de dezembro de 2017 tem valor total de pouco mais de R$ 2 milhões. Segundo o oficial de Justiça que cumpriu a ordem de despejo, Robert Manso, eram três anos e meio de aluguel atrasado.

Mandado de despejo (Foto: Sandro Lima)

Como a decisão ocorreu em dezembro, a faculdade iniciou transição para um novo endereço no mesmo bairro e na mesma Avenida Durval de Góes Monteiro, no número 9757, a dois quilômetros do antigo prédio. Os serviços de secretaria e do setor financeiro no novo local começaram as atividades exatamente nesta terça, de acordo com comunicado divulgado para funcionários e alunos da instituição.

Um dos responsáveis pela Raimundo Marinho no local durante o cumprimento da ordem de despejo, Lucas Pontes – que não quis revelar qual seu cargo na faculdade à reportagem do Tribuna Hoje, afirmou que a mudança para novo prédio já ocorreu e que apenas estava ocorrendo uma transição normal para um outro prédio. Sobre um suposto atraso de pagamentos aos professores, Lucas foi categórico: “As folhas estão todas em dia, sem dúvida nenhuma”, relatou.

Em comunicado, a assessoria de imprensa da faculdade afirmou que: “Conforme previamente comunicado aos seus alunos, a Faculdade Raimundo Marinho informa que sua unidade de Maceió foi transferida para um novo edifício na mesma Avenida Durval de Góes Monteiro (nº 9757, a pouco mais de 2 quilômetros da antiga sede) em instalações mais modernas, cujas adequações serão finalizadas nos próximos dias sem impacto para o ano letivo. Quanto ao encerramento do contrato da antiga sede, a FRM informa ainda que as divergências apontadas pelo proprietário do imóvel já estão sendo analisadas judicialmente”.

O oficial de Justiça Robert Manso acompanhou a reportagem dentro do prédio alvo do despejo. O local estava em situação bastante danificada. Foram removidas portas, sanitários, placas, lâmpadas, dentre outros materiais. Ele declarou que ex-alunos da faculdade foram até a sede antiga pegar as placas de formatura que estão entre os itens removidos do prédio.

O início das aulas ainda será divulgado, apenas foi informado que acontecerá em fevereiro em data a ser definida em alguns dias.

Até sanitários foram removidos (Foto: Sandro Lima)

Placas de ex-alunos foram todas arrancadas (Foto: Sandro Lima)

(Foto: Sandro Lima)

(Foto: Sandro Lima)

Fonte: Tribuna Hoje / Texto: Bruno Martins

Comentários

MAIS NO TH