Cidades

11 de julho de 2017 21:58

Solenidade marca abertura da exposição sobre Freitas Neto no bairro do Jaraguá

Familiares e amigos do jornalista e advogado estiveram presentes no evento

O Museu da Imagem e do Som de Alagoas (Misa), localizado no bairro do Jaraguá, em Maceió, recebeu, nesta terça-feira (11), a exposição ‘Freitas Neto – 20 anos de saudade: a trajetória de um alagoano feito de ferro e flor’. A solenidade de abertura da exposição contou com a presença de familiares e amigos do jornalista, advogado e dirigente sindical, como, por exemplo, Marcelino Freitas e Glória Freitas, filhos do homenageado.

Segundo Marcelino Freitas, que estava presente no evento, a exposição sobre o seu pai vai de 11 a 31 de julho. Glória Freitas disse à reportagem da Tribuna que o ‘pontapé inicial’ do projeto da exposição sobre Freitas Neto partiu do desejo da própria família do jornalista de disponibilizar a história dele para a sociedade alagoana. “O desejo da gente era ter um local para colocar as coisas dele à mostra para a população. Apresentamos a ideia para Fernando Lôbo [diretor do Misa] e ele autorizou”, disse Glória.

O evento se concentrou no piso superior do Misa e contou com vários convidados. Familiares e amigos de Freitas Neto tiveram a oportunidade de ver fotografias, camisas, câmeras, máquina datilográfica e vários outros objetos que pertenciam a este alagoano ilustre. Entre os amigos do homenageado estava o tesoureiro do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Alagoas (Sindjornal), Paulo Omena.

“Falar de Freitas Neto é reviver a luta dos trabalhadores no Brasil. Quando ele assumiu o Sindjornal, os jornalistas alagoanos fizeram greve em 1979. Os jornais pararam e os diretores das empresas se desesperaram e iam, eles mesmos, fechar as edições dos jornais”, relembra Paulo. O presidente do Sindjornal, Izaías Barbosa, estava presente no evento e afirmou que o legado de Freitas Neto é de grande importância. “Ele sempre esteve à frente nas lutas dos trabalhadores, inclusive, ele esteve no movimento que fortaleceu a Fenaj [Federação Nacional dos Jornalistas]. Ele queria o bem social de todos”, disse o presidente.

Mesa redonda

A solenidade contou com uma mesa redonda formada por amigos de Freitas Neto, porém, antes disso, o artista alagoano Chico de Assis recitou um poema em homenagem ao jornalista e advogado. Antes também teve a assinatura de Marcelino Freitas e Glória Freitas autorizando o uso do acervo pessoal do pai para o Misa.

A sobrinha de Freitas Neto, Graça Carvalho, que falou ao microfone durante o evento, chamou os convidados para a mesa redonda: Diógenes Tenório, do Tribunal de Justiça de Alagoas, e os jornalistas Anivaldo Miranda, Marcos Guimarães, Marcelo Firmino, Fátima Almeida e Joaldo Cavalcante.

“O Freitas engrandecia a vida daqueles que conviviam com ele. O Freitas para mim era e continua sendo um homem especial. Este evento destaca isso. Por onde quer que o Freitas tenha passado, deixou seus princípios”, disse Diógenes Tenório.

Comentários

MAIS NO TH