Cidades

9 de maio de 2017 18:22

Prefeitura de Maceió desobstrui faixa de areia na orla da Ponta Verde

Finalidade da ação foi acomodar pedras que obstruíam a passagem dos banhistas

Quem passou pela orla de Ponta Verde na manhã desta terça-feira (9) percebeu uma movimentação diferente das máquinas da Prefeitura de Maceió trabalhando entre as barracas Pedra Virada e Piratas.  A finalidade da ação foi acomodar as pedras que obstruíam a passagem dos banhistas, arrumando-as de forma a contribuir com a contenção do avanço da maré.

O secretário municipal de Infraestrutura, Ib Brêda, acompanhou o início dos trabalhos e ressaltou a importância da ação. “As pedras estavam espalhadas pela areia de uma forma que quando a maré estava cheia, impossibilitava os turistas e cidadãos de Maceió a caminhar no local. Com acomodação das pedras, estamos deixando livre um pedaço maior de areia, contribuindo com o bem-estar de todos que querem aproveitar a praia”, frisou.

A ação faz parte de um acordo entre a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminfra) e o Ministério Público Federal. Houve a autorização para retirada de todas as pedras que estavam espalhadas e acomodação junto à encosta, como explica o secretário-adjunto de obras, Disneys Pinto. “Nós tivemos uma reunião com a procuradora Niedja Kaspary e fomos autorizados a realizar este trabalho. No momento, não estamos retirando totalmente as pedras, pois há uma necessidade que elas sejam mantidas para dar proteção, até que seja realizado estudo apontando a melhor solução para proteção costeira”, disse.

(Foto: Ascom / Seminfra)

As obras de contenção costeira na orla de Maceió só podem ser executadas após realização de estudo ambiental da área. Para isto, a Seminfra está fechando um convênio com a Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e uma equipe multidisciplinar de profissionais vai apresentar possibilidades, sejam elas o sistema de bolsacreto ou outro tipo de proteção ambiental adequada para o local.

Área recomposta após o trabalho das equipes (Foto: Ascom / Seminfra)

Fonte: Ascom / Seminfra

Comentários

MAIS NO TH