Cidades

13 de dezembro de 2016 10:13

Dados apontam que 86% do território de Alagoas deve enfrentar seca nos próximos meses

Meteorologista da Semarh diz que 77% dos municípios já enfrentam situação extrema ou excepcional devido à falta de chuva

Dados do Comitê de Combate à Seca de Alagoas apontam que 86% da área que pertence ao Estado vão enfrentar grave seca nos próximos meses. Segundo o Comitê, Alagoas deve sofrer com um dos piores períodos de estiagens das últimas décadas. O meteorologista Vinícius Nunes Pinho, da Sala de alerta da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) explicou que a situação que o estado vai enfrentar é alarmante.

“Cerca de 77? dos municípios já estão em situação grave ou excepcional e esse será um Verão bastante seco. Uma das causas foi a pouca chuva durante o inverno. Choveu apenas 40% da média esperada”, explicou Vinícius.

Ainda de acordo ele, a seca extrema é quando há grandes perdas agrícolas, com uma escassez de água generalizada ou com restrições. Já a seca excepcional tem as mesmas características da extrema, com acréscimo de escassez nos reservatórios, córregos e poços, criando uma situação de emergência.

“Hoje, o percentual da área excepcional está em 40% do estado, na parte oeste. Nos próximos meses pode chegar próximo aos 80%. O percentual de 86% são as áreas de seca excepcional mais grave e de seca severa um pouco menos intensa, porém também grave”, explicou Vinicius Pinho.

De acordo com o meteorologista, as áreas mais críticas atualmente são as que correspondem ao Alto Sertão Alagoano, Sertão do São Francisco e parte do Agreste e Zona da Mata.

Vinícius Pinho disse que a previsão para o próximo ano é de chuvas um pouco mais regulares, principalmente durante o período chuvoso que começa em abril. Porém, como o déficit hídrico está muito elevado, com pouca água armazenada, ele não acredita que será o suficiente para resolver o problema. Os próximos três meses ainda serão muito secos, agravando a situação em curto prazo.

Vários municípios já passam por problemas devido à estiagem

Vários municípios alagoanos já enfrentam problema com a estiagem. Em União dos Palmares, a falta de chuvas e a situação do Rio Mundaú, que está quase seco, obrigou o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) a estabelecer o racionamento na cidade, através de um sistema de rodízio.

Em Mar Vermelho, a situação também não é diferente. Na segunda-feira (12), a Prefeitura do Município decretou situação de emergência.

Os moradores estão sendo abastecidos por carros-pipa contratados pela Prefeitura. A estudante Amanda Camassari, moradora do município, disse que têm residências aonde não chega água nas torneiras há mais de 20 dias e que o problema ocorre há mais de dois meses. 

“A salvação dos moradores são os carros-pipa. A situação está precária e só não estar pior porque um fazendeiro também cedeu água mineral, que é com que nós cozinhamos. Às vezes quando os funcionários da Casal soltam a água não passa de 20 minutos. Ontem à noite, quando eles liberaram, a água na torneira não durou cinco minutos”, comentou.

A Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) informou que a principal providência tomada para garantir o abastecimento de Mar Vermelho será a interligação de um poço à rede de abastecimento. Esse poço foi perfurado pela Semarh e a Casal está adquirindo os materiais para que, até a próxima semana, possa iniciar a obra de interligação. “Após o fim dessa obra, o abastecimento voltará a ser feito pela rede”, declarou à reportagem.

De acordo com a companhia, o colapso no abastecimento de Mar Vermelho ocorreu devido à seca. “Com isso, a barragem que é o manancial usado pela Casal para abastecer o município está com o nível muito baixo. Esse manancial somente será usado de novo quando tiver água suficiente. Não há, portanto, previsão de quando isso vai ocorrer, depende das chuvas”, explicou.

A situação também está crítica em Palmeira dos Índios. A barragem Carangueja que abastece 70%  do município está quase seca. Para evitar o colapso total a Casal, adotou o sistema de rodizio já há algum tempo. Algumas áreas da cidade chegam a ficar sem água durante cinco dias.

A Casal já havia alertado no início do segundo semestre para a baixa vazão em reservatórios de água no interior, apontando um possível colapso hídrico em ao menos 20 cidades do estado. Segundo o estudo da companhia, foi constatado que 12 municípios estão em situação de risco iminente e outros 14 com dificuldades na distribuição.

Fonte: Tribuna Independente

Comentários

MAIS NO TH