Brasil

21 de agosto de 2020 09:27

Movimento reúne instituições para requalificar conversa sobre a Depressão no Brasil

Liderada pela Janssen, iniciativa lança guia que explica como a sociedade pode interagir e apoiar quem mais precisa de ajuda especializada.

↑ (Imagem: Ilustração)

Dar o primeiro passo nunca é fácil para quem tem Depressão. Falta de conhecimento, negação dos sintomas, crença de que “pode dar uma animada por conta própria” ou simplesmente medo de ser julgado por outras pessoas. Diante de tantos estigmas e da necessidade de criar um ambiente mais favorável a quem precisa de ajuda especializada, um grupo de renomadas instituições acaba de lançar o Movimento Falar Inspira Vida. Trata-se de uma iniciativa que pretende requalificar a conversa sobre a Depressão, por meio do conhecimento, contribuindo para uma sociedade mais preparada e acolhedora.

Para cumprir com esta missão, o movimento criou um guia que explica como falar da maneira mais adequada sobre Depressão e Suicídio, utilizando como base expressões e comentários corriqueiros. O material pode ser acessado no site www.falarinspiravida.com.br, baixado e compartilhado. “O guia é resultado de um trabalho coletivo entre os membros do movimento. Mais do que trazer frases que carregam julgamentos, explicamos por que elas não ajudam e sugerimos formas de mudar o tom da conversa”, comenta Fábio Lawson, Diretor Médico da Janssen, empresa farmacêutica da Johnson & Johnson.

Liderada pela Janssen, a coalizão é formada pela Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (ABRATA), Centro de Valorização da Vida (CVV), Departamento de Psiquiatria da UNIFESP, Instituto Crônicos do Dia a Dia (CDD), Instituto Vita Alere, Vitalk e revista VEJA Saúde.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Depressão afeta cerca de 300 milhões de pessoas em todo o mundo (4,4% da população mundial). No Brasil, a prevalência é um pouco maior do que a média: 5,5% ou um total de 11,5 milhões de brasileiros – número que, nas Américas, só é superado pelos Estados Unidos. Ainda de acordo com a OMS, são registrados cerca de 11 mil suicídios todos os anos no país e mais de 800 mil no mundo1, sendo que 97% dos casos estão relacionados a transtornos mentais e, em primeiro lugar, à Depressão .

“A Depressão é um desequilíbrio biológico importante e que afeta todo o organismo. A vida estressante que levamos, a violência, a pressão que sofremos para funcionar em diversos aspectos da vida contribuem para o aumento do número de pessoas com o transtorno. Principalmente nos casos graves, a sensação de angústia, pensamentos mórbidos podem fazer com que a que pessoa tenha impulsos suicidas porque ela não suporta a dor que está sentindo e não vê saída para aquela situação. As pessoas com esse desequilíbrio biológico estão mais propensas a desenvolver doenças autoimunes, câncer e doenças cardiovasculares”, explica o Dr. Jair Mari, Chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicologia Médica da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Apesar da alta prevalência, o estigma sobre Depressão e Suicídio – que foi construído ao longo da História, ora associados à melancolia, ora ao sobrenatural – ainda permanece e reforça o preconceito e a desinformação em torno da saúde mental. O resultado é uma sociedade que ainda tem dificuldade de dialogar sobre o tema e desconhece os diferentes tipos da doença, os caminhos para um diagnóstico correto e a melhor forma de tratar e acolher os pacientes.

“É comum as pessoas próximas, geralmente familiares, acharem que a pessoa com Depressão está exagerando, fazendo corpo mole ou está com preguiça. Há um grande desconhecimento. No entanto, quando eles começam a buscar informação e a entender que a Depressão é uma doença, que afeta não só o paciente, mas toda a família, e que há possibilidade de tratamento as coisas começam a mudar”, explica Marta Axthelm, Presidente da ABRATA.

SETEMBRO AMARELO
E no mês de setembro, a campanha chegará à linha amarela do metrô, em São Paulo. Durante todo o período, um vagão estará personalizado com o mote da campanha e trará expressões que muitas vezes utilizamos no dia a dia e que precisam ser requalificadas. Vídeos animados nas telas dos vagões de toda a linha amarela também farão um convite à população: ” “Palavras importam – Informe-se e faça bom uso delas”, com QR code que redirecionará para o guia completo.

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH