Brasil

23 de fevereiro de 2020 14:01

Grupo deixa a quarentena após 14 dias

As 58 pessoas, entre repatriados e equipe técnica de apoio, chegaram ao Brasil no dia 9 deste mês, vindos de Wuhan, epicentro do novo coronavírus na China.

↑ Foto: Maristella Marszalek\ Ministério da Defesa

O grupo que estava há 14 dias na Base Aérea de Anápolis, a 55 km de Goiânia, deixou a quarentena na manhã deste domingo (23). As 58 pessoas, entre repatriados e equipe técnica de apoio, chegaram ao Brasil dia 9 deste mês, vindos de Wuhan, epicentro do novo coronavírus na China.

A previsão inicial era que o grupo ficasse isolado por 18 dias, mas a liberação ocorreu antes, após o terceiro e último exame apontar que ninguém foi contaminado pelo coronavírus.

Eles voltarão a seus estados (veja lista) em dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB). Um deles faz escalas em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Florianópolis. Já a segunda aeronave vai pousar em Brasília e na Serra do Cachimbo, no Pará. Dois dos repatriados vão seguir até Brasília e, de lá, irão em voos comerciais para Natal e São Luiz. Um dos repatriados permanecerá em Anápolis.

Por volta das 8h, o grupo participou de um café da manhã festivo. Antes de os aviões decolarem, foi realizada uma cerimônia de encerramento da Operação Regresso. Participaram dessa solenidade o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), o prefeito de Anápolis, Roberto Naves (PP), o comandante da FAB, tenente-brigadeiro do Ar Antônio Bermudez, e o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson Kleber de Oliveira, representando o ministro Luiz Henrique Mandetta.

Caiado disse que a liberação do grupo sem contaminação do coronavírus é um “legado” para o país. Afirmou ainda que a população de Goiás acolheu os repatriados e que não tem “o vírus do preconceito”.

“Prevaleceu a tese que a solidariedade vence o medo. Esse é o legado que se deixa para o país. É um momento especial, mostrar que os 58 não têm o coronavírus e que o goiano é povo acolhedor e não tem o vírus do preconceito”, ressaltou.

O ministro da Defesa recebeu bandeiras assinadas pelo grupo que estava em quarentena. Fernando Azevedo e Silva agradeceu e celebrou o fim da operação, considerada por ele como um “sucesso”.

“Quero passar o nosso sentimento. É de orgulho e alívio. Orgulho pelo fim da operação com sucesso. E alívio por todos os resultados foram negativos”, declarou.

Embarque

Durante a cerimônia, um dos militares que ajudava a cuidar do grupo no período da quarentena se emocionou ao entregar uma homenagem aos repatriados.

O estudante Alefy Medeiros Rodrigues, de 26 anos, um dos repatriados, disse que gostou da experiência durante a quarentena, mas que está ansioso para rever a família.

“Estou ansioso para chegar em casa, família está louca para ver a gente. Está todo mundo reunido para o carnaval e só falta a gente. Os dias aqui foram ótimos, superou a expectativa”, afirmou.

Por volta de 11h20, todos eles, um a um, passaram por um corredor a caminho do embarque nos aviões. Sob uma intensa salva de palmas, eles eram cumprimentados por autoridades até chegar às aeronaves.

O primeiro avião, com destino a Brasília, decolou por volta das 11h40. O ministro da Defesa estava a bordo junto com parte dos repatriados. Sete minutos depois, a segunda aeronave partiu rumo a Belo Horizonte.

Para onde vai o grupo após a quarentena:

  • Distrito Federal – 18 passageiros, sendo 9 militares, 1 profissional do Ministério da Saúde, 1 profissional da EBC e 7 repatriados;
  • São Paulo – 13 passageiros, sendo 11 repatriados, um militar e uma integrante do Ministério da Saúde;
  • Rio de Janeiro – 11 militares;
  • Paraná – 5 repatriados;
  • Santa Catarina – 4 repatriados;
  • Minas Gerais – 3 repatriados;
  • Pará – 1 repatriada;
  • Maranhão – 1 repatriado (Via DF);
  • Rio Grande do Norte – 1 repatriado (Via DF);
  • Um repatriado permanecerá em Anápolis (GO)

Quarentena

O grupo, que estava na China, gravou um vídeo pedindo que o governo os retirassem do país, que vive um surto da doença. Dois aviões da FAB foram enviados a Wuhan, epicentro do coronavírus.

Eles foram acomodados no Hotel de Trânsito, usado por militares em viagem, e que foi equipado com videogame, brinquedoteca, internet, TV a cabo e frigobar. Lá eles também tinham atendimento médico e psicológico. O uso de máscara era obrigatório nas áreas comuns.

Desde que chegaram, as 58 pessoas passaram por três exames para detectar o vírus, mas todos os resultados deram negativo. Durante todo tempo em quarentena, os repatriados disseram que foram bem tratados pela equipe da base. Eles contaram com jogos, filmes e apresentações musicais para passar o tempo.

O Covid-19, doença provocada pelo coronavírus, já matou, até este domingo, 2.445 pessoas na China. O país já registrou mais de 77 mil casos. No mundo, são 1.712 pacientes que estão com o novo coronavírus e 17 pessoas já morreram em 29 países.

Fonte: G1

Comentários

MAIS NO TH