Brasil

15 de fevereiro de 2019 19:51

Mãe viu filho ser morto por segurança; padrasto diz que enteado tinha problemas mentais

Imagens mostram que rapaz estava imobilizado pelo segurança e que clientes do supermercado Extra, na Barra da Tijuca, ainda tentaram convencer Davi a sair de cima do jovem; vigilante é solto após fiança

↑ Segurança ficou sobre o homem, que deixou o mercado desacordado — Foto: Reprodução/Redes sociais

A mãe de Pedro Henrique Gonzaga, de 25 anos, viu quando o segurança de um hipermercado na Zona Oeste do Rio imobilizou seu filho, deitando-se sobre ele, e testemunhou os apelos de clientes para que o vigilante o soltasse. Pedro Henrique, acusado de furto no local, morreu horas depois. O caso foi nesta quinta-feira (14) no hipermercado Extra da Barra da Tijuca.

Davi Ricardo Moreira, o segurança, foi preso em flagrante, mas deixou a Delegacia de Homicídios da capital na madrugada desta sexta (15). Sua defesa pagou fiança, de valor não revelado. Ele foi indiciado por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

O incidente foi gravado por clientes. Nas imagens, Pedro Henrique aparece desacordado. Bombeiros foram ao mercado e tentaram reanimar o rapaz. Ele foi levado para o Hospital Municipal Lourenço Jorge, onde teve uma parada cardíaca e morreu.

O advogado da empresa Group Protection – responsável pela vigilância no supermercado Extra – disse que o jovem tentou roubar a arma do segurança e que mesmo depois de, pelo menos, dois minutos imobilizado, os vigilantes justificaram que o rapaz estaria simulando um desmaio.

“Eles fazem a contenção, retiram a arma e o garoto desmaia. O que se acredita que tenha sido uma simulação naquele momento. O próprio segurança reporta. Ele está mentindo, ele está mentindo, ele está simulando um desmaio como anteriormente havia simulado”, diz a defesa.

O delegado responsável pelo caso explicou que o segurança se excedeu na legítima defesa. Disse também que há poucos elementos que caracterizem a intenção de matar e que o vigilante foi imprudente, porque é treinado para esse tipo de abordagem.

Segundo o padrasto do rapaz de 25 anos, ele tinha problemas mentais e era usuário de drogas.

“Tá sufocando ele. Ele tá com a mão roxa. Ele tá desacordado”, diziam as pessoas que estavam no local. Outro vigilante chega a tentar impedir a gravação do vídeo.

O padrasto do rapaz prestou depoimento na Delegacia de Homicídios na Barra da Tijuca. A polícia ainda vai ouvir a mãe de Pedro Henrique. O padrasto, os amigos de Pedro e uma testemunha do crime não quiseram gravar entrevista.

O supermercado Extra disse que os seguranças foram afastados e que repudia qualquer forma de violência e está colaborando com as investigações.

Fonte: Bom Dia Rio / G1

Comentários