Brasil

22 de fevereiro de 2017 12:17

Racionamento na área central do DF poupa Esplanada e Praça dos Três Poderes

Medida começa por Lago Norte, Varjão, Granja do Torto; veja cronograma

Responsável pelo fornecimento de água do Distrito Federal, a Caesb anunciou nesta quarta-feira (22) que a região central de Brasília, abastecida pelo reservatório de Santa Maria, vai ficar um dia sem água a cada seis dias. O racionamento está previsto para começar na próxima segunda-feira (27), seguindo então os mesmos moldes da restrição já aplicada nas regiões abastecidas pelo Descoberto (veja o cronograma ao fim da reportagem).

Mesmo instalados no Plano Piloto, ministérios, palácios, tribunais e outros órgãos públicos federais da Praça dos Três Poderes e da Esplanada dos Ministérios estão fora do racionamento. Por “segurança nacional”, os palácios do Alvorada e Jaburu, residências oficiais da Presidência e da Vice-Presidência, também ficam fora do racionamento. Pelo menos em um primeiro momento, diz a Caesb.

Segundo a companhia, a decisão para poupar esses endereços foi tomada porque a medida, definida pelo órgão do DF, não poderia interferir em competências federais. Prédios como o Tribunal de Contas da União ou a Procuradoria-Geral da República vão sofrer corte porque não estão na Praça dos Três Poderes.

O presidente da Caesb, Maurício Luduvice, em coletiva para explicar sobre o racionamento do reservatório Santa Maria (Foto: Luiza Garonce / G1)

As primeiras regiões a entrar no rodízio são Lago Norte, Varjão, Granja do Torto, SAAN, SOF Norte e Jardim Botânico. Depois da segunda-feira, elas voltam a ficar sem água no domingo, 5 de março. Na terça, entram em racionamento a Asa Norte e o Noroeste. Na quarta, Paranoá, Itapoã, Taquari, Lago Sul e SMDB. É possível acessar o calendário no site da Caesb.

Isso significa que, nestas regiões, o abastecimento é interrompido às 8h, e só começa a ser retomado 24 horas depois. Como o ligamento é lento e gradual, a água pode levar até dois dias para voltar.

Os hospitais públicos e os setores hospitalares Norte e Sul permanecerão abastecidos pela rede de distribuição ou por caminhões pipa.

Segundo o presidente da Caesb, Maurício Luduvice, o racionamento no reservatório de Santa Maria é motivado especialmente pela escassez de chuvas nos últimos meses. “Em janeiro choveu 57% do esperado.”

Adotando a resolução da Adasa, a Caesb espera reduzir em 12% a vazão de ambos os reservatórios, informou Luduvice.

Presidente da Caesb, Maurício Luduvice apresentando plano de racionamento para o reservatório Santa Maria (Foto: Luiza Garonce / G1)

Autorização

A Agência Reguladora de Água (Adasa) havia autorizado a Caesb a iniciar a redução da pressão no reservatório em novembro do ano passado, mesmo mês em que foi interrompida a transposição de águas do Descoberto para Santa Maria, que vinha ocorrendo há meses, segundo apuração do G1.

Dois meses depois – em janeiro – a Caesb começou o racionamento nas regiões abastecidas pelo Descoberto. Por enquanto, a medida se restringe aos dois terços da população abastecidos pelo reservatório “doador”. As áreas atendidas pelo Santa Maria, que recebeu os recursos, só estão submetidas à redução de pressão.

A possibilidade de racionamento das águas de Santa Maria foi anunciada somente nesta terça (21), um dia após a publicação de um decreto no Diário Oficial que obriga a Caesb a reduzir a vazão em ambos os reservatórios.

Segundo a resolução, a Caesb tem até 6 de março para adaptar a rede e captar, no máximo, uma média mensal de 3,5 m³ por segundo de água do Descoberto. Para Santa Maria, o limite é de 0,5 m³ por segundo. A Adasa informou que os valores de captação atuais são de 3,8 metros cúbicos por segundo no reservatório do Descoberto e 0,88 em Santa Maria.

Mapa mostra como funciona esquema de abastecimento do DF (Foto: Agência Brasília/Divulgação)

Transposição de águas

O reservatório mais atingido pela crise hídrica do Distrito Federal e hoje sob racionamento – o do Descoberto – sofreu transferência de parte da capacidade para o reservatório de Santa Maria, inicialmente poupado no corte de água. A operação ocorreu ao longo de 2016 e foi feita apesar de o Descoberto operar com níveis atípicos desde junho.

Dados obtidos pelo G1 mostram que o volume retirado do Descoberto em 2016 seria suficiente para abastecer toda a população de regiões como Gama ou Guará, que tem entre 140 mil e 160 mil habitantes, e estão entre as áreas submetidas ao racionamento em vigor desde janeiro deste ano. O cálculo é feito com base no gasto médio diário de água por pessoa na cidade.

Os números indicam que o volume médio mais alto transferido do Descoberto no ano passado alcançou 30,3 milhões de litros por dia, em abril. Em junho, mês em que as perdas do reservatório começaram a se acentuar em relação às medições nos anos anteriores, o índice de transposição alcançou os 24,3 milhões de litros diários.

Questionado sobre a transposição das águas do Descoberto para o reservatório de Santa Maria, Luduvice respondeu que a medida é adotada desde a década de 1980.

“A Caesb nunca faltou com transparência sempre fizemos isso e nunca escondemos. Quando a situação se agravou, paramos de transferir as águas. Nós viemos reduzindo a pressão gradualmente [no Descoberto]. Agora, tem que equilibrar os dois. E, por isso, estamos fazendo o racionamento de Santa Maria.”

O G1 ainda questionou Luduvice sobre uma possível priorização do abastecimento em regiões de maior poder aquisitivo, já que o reservatório do Descoberto entrou em racionamento dois meses antes, depois de transpor águas para Santa Maria por meses.

“Não estamos selecionado um sistema em detrimento do outro. Fazemos isso com responsabilidade”, respondeu.

Ainda segundo a Caesb, a transferência é um procedimento “normal”, feito desde a década de 1980 porque o Santa Maria é menor e tem “uma capacidade de recuperação bem mais lenta que o Descoberto”. A empresa disse que interrompeu a operação em novembro, quando constatou o agravamento da crise hídrica na bacia.

Para o consultor em recursos hídricos Adauto Santos, a transferência em plena crise foi preponderante para agravar a situação do Descoberto. Segundo ele, a Caesb deveria ter ampliado a captação em outra bacia, a do Torto, para não comprometer o reservatório – a medida só foi adotada após a interrupção da transposição.

“A transferência de água de um reservatório vazio para outro em plena crise só mostra que a escassez por aqui não é uma questão de clima, mas de falta de gestão”, criticou Santos.

Cronograma de racionamento

Segunda-feira (27)

Lago Norte (SHIN e SMILIN, exceto Tr 13 lts 01 a 13), Varjão, Granja do Torto, SAAN, SOF Norte, Regimento de Cavalaria e Guarda-RCG, Condomínios do Jardim Botânico – San Diego, Jardim Botânico I e V, Solar de Brasília, Mansões Califórnia, Jardins do Lago, Lago Sul, Estância, Jardim Botânico, Mirante das Paineiras, Parque e Jardim das Paineiras, Portal do Lago Sul, Ville de Montagne.

Terça (28)

Asa Norte e Noroeste

Quarta (1º)

Paranoá, Itapoã, SMILIN (Tr 13 lts 01 a 13), Taquari, Condomínio RK e Império dos Nobres, SM 5 Lago Sul (QL 10 a 28, QI 17 a 29, QI 13 cjs 01, 02 e 03), SMDB, Setor Habitacional Dom Bosco, Condomínio Privê Morada Sul

Quinta (2)

Asa Sul, Lago Sul (QL 02 a 08, QI 01 a 15, exceto QI 13 cjs 01, 02 e 03) e Jardins Mangueiral

Sexta (3)

Sudoeste, Octogonal, Cruzeiro Novo, Setor de Indústrias Gráficas, Praça Municipal, Setor de Garagens Oficiais, Setor de Administração Municipal, Setor de Divulgação Cultural, Esplanada da Torre, Setor de Recreação Pública Norte, Condomínios do Jardim Botânico – Jardim Botânico III e IV, Quintas do Sol, Quintas Bela Vista, Quintas Interlagos, Morada de Deus, Quatro Estações, Máxximo Gardem, Belvedere Green, Chácaras Itaipú (exceto 80 a 84), Quintas Itaipú, Jardim da Serra, Solar da Serra

Sábado (4)

SIA, SCIA, STRC, SIN, SOF Sul, SGCV, SMAS, SPO, Cruzeiro Velho, Park Sul, Cidade Estrutural, SMU e Condomínios do Jardim Botânico – Verde, Chácaras Itaipú 80 a 84, Ouro Vermelho I e II.

Fonte: G1

Comentários

MAIS NO TH