Brasil

10 de fevereiro de 2017 10:25

MPF-RJ oferece denúncia contra Sérgio Cabral, Eike e outras seis pessoas

Denúncia é resultante da Operação Eficiência, desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro

O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro denunciou o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, o empresário Eike Batista e mais sete pessoas por corrupção e lavagem de dinheiro. Os fatos apresentados na denúncia são resultantes da Operação Eficiência, um desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro.

Trata-se da terceira denúncia contra Cabral, que é suspeito de chefiar um esquema de corrupção no Rio. Eike Batista é suspeito de pagar US$ 16,5 milhões em propina ao ex-governador.

Cabral, a mulher Adriana Ancelmo, Wilson Carlos e Carlos Miranda foram denunciados por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Eike Batista e Flávio Godinho, por corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Luiz Arthur Andrade Correia, Renato Chebar e Marcelo Chebar, por lavagem de dinheiro. Cabral e os irmãos Chebar também foram denunciados por evasão de divisas, por manterem recursos não declarados no exterior.

De acordo com a denúncia, Eike pagou US$ 16,5 milhões em propina a Sérgio Cabral em 2011. Para realizar a transação, o doleiro Renato Chebar, a mando de Cabral, criou a offshore Arcadia Associados, que assinou um contrato fictício de “aconselhamento e assistência com a Centennial Asset Mining Fund LLC, holding de Eike Batista para possível aquisição de uma mina de ouro da empresa Ventada Gold Corp”.

Pela falsa intermediação, a Arcadia receberia da Centennial uma comissão de 1,12% do valor da transação. O valor da propina, segundo o MPF, foi pago partem dinheiro e parte em ações da Petrobras, da Vale e da Ambev, adquiridas nos Estados Unidos. Os recursos foram transferidos para uma conta de Eike no Panamá, a Golden Rock Founation, para a conta Arcadia, aberta por Renato Chebar no Banco Winterbotham, do Uruguai, para receber os valores.

Nesta quarta-feira (8), a Polícia Federal havia indiciado o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, o empresário Eike Batista e outras 10 pessoas (veja a lista completa abaixo). O MPF ainda não informou quem são os dois suspeitos que foram indiciados pela PF, mas não foram denunciados à Justiça. Procuradores devem conceder uma entrevista à imprensa, ainda nesta sexta-feira (10), para esclarecer detalhes da denúncia.

Agora, a denúncia e as investigações serão enviadas à Justiça, que decidirá se os denunciados viram ou não réus.

Veja abaixo os indiciados pela Polícia Federal:

Por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa

    Sérgio Cabral, ex-governador

    Wilson Carlos Cordeiro da Silva Carvalho, ex-secretário de Governo

    Carlos Emanuel de Carvalho Miranda, suspeito de ser operador do esquema

    Luiz Carlos Bezerra, suspeito de ser operador do esquema

Por lavagem de dinheiro e organização criminosa

    Sérgio de Castro Oliveira, suspeito de ser operador do esquema

    Álvaro José Galliez Novis, doleiro

    Thiago de Aragão Gonçalves Pereira e Silva, ex-sócio de Adriana Ancelmo, mulher de Cabral

    Francisco de Assis Neto, suspeito de ser operador do esquema

    Mauricio de Oliveira Cabral Santos, irmão de Cabral, suspeito de receber dinheiro advindo do esquema de propina

Por organização criminosa

    Eike Batista, empresário suspeito de pagar propina

    Flávio Godinho, ex-sócio de Eike

Por lavagem de dinheiro

    Susana Neves Cabral, ex-mulher de Cabral, suspeita de receber dinheiro de advindo do esquema de propina

Operação Eficiência

A PF investiga crimes de lavagem de dinheiro na ocultação no exterior de aproximadamente U$ 100 milhões, cerca de R$ 340 milhões, distribuídos em 10 contas em paraísos fiscais no exterior – mais da metade do valor já foi repatriada. Também são investigados os crimes de corrupção ativa e corrupção passiva, além de organização criminosa.

De acordo com o MPF, a investigação, concentrada nos crimes de corrupção (ativa e passiva), lavagem dinheiro, avançou com base em quebras de sigilo (bancário, fiscal, telefônico e telemático) e em acordos de delação premiada. Segundo os procuradores, a organização criminosa liderada por Cabral movimentou, em dez meses (agosto de 2014 a junho de 2015), R$ 39,7 milhões, cerca de R$ 4 milhões por mês.

Investigadores dizem que Eike Batista recebeu US$ 16,5 milhões do grupo de Cabral no exterior, em troca de facilitações para os seus negócios no Rio.

Cabral foi preso em novembro de 2016, na Operação Calicute, também desdobramento da Lava Jato. Segundo o MPF, desde que Cabral assumiu o governo foi encetado um esquema de fraude em licitação e cartel envolvendo as grandes obras públicas. O ex-governador já teve três pedidos de prisão preventiva cumpridos contra ele e segue no Complexo de Gericinó, onde estão os outros presos das operações Calicute e Eficiência.

Segundo o MPF, Cabral “é o líder da organização criminosa” e, após as práticas de inúmeros atos de corrupção, teria tentado “atribuir falsamente características de legitimidade aos recursos criminosamente auferidos (obtidos)”.

Fonte: G1

Comentários

MAIS NO TH