Ailton Villanova

20 de setembro de 2019

AS FOLGAS DA MULHER DO PASTOR

Rei da boemia, o Gerúndio Escolástico andava sumido havia um tempão. No último feriado, por acaso seu amigo Perivaldo Batista deu de cara com ele na praça D. Pedro II.

– Pô, meu! Onde você andava? – indagou o amigo.

E ele, meio apressado:

– Ocupadíssimo, amizade.

Perivaldo insistiu:

– Mas cara, não sobra nem um tempinho pra uns birinaites na orla? Passa lá no Posto 7, no sábado à noite…

– Sábado? Não posso! Sábado o pastor SS Silibaldo vai fazer uma pregação no Tabuleiro…

– Não! Não é possível! Você agora é crente?! Nesse caso, a gente toma só uma água de coco e bota o papo em dia. Segunda-feira, tá bom?

– Também não dá, cara. O pastor vai comandar uma campanha de evangelização no Barro Duro.

– Então, eu te espero na sexta-feira, tá combinado?

– Iiih, piorou! Logo na sexta, meu irmão! Impossível! O pastor vai passar o dia inteirinho em perigrinação. Só vai voltar no sábado pela manhã.

Nesse ponto o amigo Perióstio perdeu a paciência:

– Ô cara, esse seu fanatísmo repentino pelo evangelhismo não tá dando pra entender! Será que você não pode perder nenhuma pregação ou uma reunião com esse tal de pastor SS Silibaldo? Qualé?

– Claro que eu posso perder qualquer encontro, reunião ou pregação do pastor. O que eu não posso perder, são as folgas da mulher dele, entendeu?

 

Ganhou o prêmio!

 

Determinados locutores de rádio FM têm aprontado horrores, na condução dos chamados programas disquejóqueis, onde o ouvinte tem partição ativa e direta com os sobreditos.

Ainda bem que temos honrosas e gratificantes exceções –  que são a maioria -, atuando na área.

Pois bem. Numa determinada emissora, o locutor comandava um programa tão cretino quanto o próprio. Certíssimo que estava abafando, o imbecilóide abriu espaço para o público ouvinte feminino manifestar-se através do telefone.

Empolgadão, o cara deitava falação:

– Daremos um belíssimo prêmio para a ouvinte que apresentar a melhor resposta à seguinte pergunta: o que você diria ao seu marido na primeira noite de núpcias?

Imediatamente uma ouvinte ligou. Ele a atendeu, no ar:

– Alô querida, tudo legal? Tudo jóia?

E ela:

– Superlegal! Superjóia!

E o locutor, mais empolgado ainda:

– Seu nome, querida?

– Marijudicleide Juliette… com dois “tês”, viu? – respondeu a ouvinte.

Novamente, o “brilhante” e “inteligente” locutor:

– Manjou na pergunta que está no ar, meu amor?

– Supermanjado.

– Então, você tem um minuto para responder. Vale um CD da dinâmica, imbatível e magnífica dupla Xitãozinho e Xororó. Responda, minha querida: o que você diria ao seu marido na noite de núpcias?

– Eu diria… “enfim, sós”. Não é romântico? – respondeu a ouvinte.

– Aaah, mas que pena! Essa sua resposta é muito manjada. Man-ja-dis-sima! É ou não é querida? Você tem outra chance.

A moça mandou outra dose:

– Bom… eu chegava no ouvido dele e dizia: “Oh, meu amor,  que momento tão lindo!”

E o locutor, algo decepcionado:

– Desse jeito você está pisando na bola, minha cara. Essa resposta está muuuiiito fraca! Desse jeito você não vai ganhar o CD do Xitãozinho e do Xororó. Eu quero uma resposta objetiva. Mais outra chance pra você. Vamos! Faltam 10 segundos, 9, 8, 7, 6, 5…

Desconsolada, sem esperança alguma de ganhar o prêmio, a coitadinha murmurou:

– É… tá duro!

O locutor explodiu:

– Muuuiiito bem! É isso aí, querida! Finalmente, a resposta inteligente! Parabéns! Meus parabéns! Ganhou o CD!

 

 

Ela não se esconde!…

 

Há muito tempo atrás, o colega Emanuel Pedrosa, que não é outro senão o apresentador de TV Canetinha, foi chegado a uma farra esperta. Hoje em dia, não. Reciclado, bem casado com a professora Geny Muritiba, avô de vários netos, pode ser considerado um “santo”, conforme avalia a própria consorte.

Numa ocasião dos tempos de boêmio, ele voltou pra casa alta madrugada, no maior pileque e Geny, que dava “plantão”, no seu aguardo, o recebeu cheia de bronca:

– Chegando embriagado de novo, não é seu safado? Ainda por cima a esta hora da madrugada. No mínimo andava por aí com as raparigas…

E ele, expelindo o maior bafo de alcool:

– Mas o que é isso, meu amor? Não seja injusta. Eu estava trabalhando!

E Geny, na ponta dos pés, pronta para a briga:

– Tô lhe manjando, canalha. Faz dias que você não me procura…

– E como é que você quer que eu lhe procure, se você não se esconde em canto nenhum?

Dito isto, Canetinha correu pro quarto, caiu na cama e puxou um ronco seguro. Estava cansado demais!

 

 

O banho tcheco

 

O salão de beleza de Madame Nistatina estava lotado, naquela sexta-feira. Entre as clientes, duas madames muito metidas, conversavam pelos cotovelos, enquanto aguardavam a vez de serem atendidas. Cada uma contava mais vantagem que a outra, só para impressionar as demais clientes.

Em dado momento, uma delas saltou com esta:

– Assim que eu sair daqui vou correndo pra casa, tomar o meu banho turco, porque à noite tenho um jantar com o meu marido.

Para não ficar por baixo, a outra emendou:

– Mas que coincidência, Escolástica! Foi bom você ter falado nisso, porque era justamente na minha ducha escocesa que eu estava pensando.

Sentada em frente às madames esnobes encontrava-se uma senhora que desde o começo do papo das duas, mantinha no semblante aquele ar de gozação. Não se conteve e falou sem pedir aparte:

– Enquanto vocês duas vão tomar banho turco e escocês, eu vou tomar banho tcheco.

As donas boçais se olharam mutuamente e uma delas indagou curiosa:

– Tcheco?! Banho Tcheco?! A gente nunca ouviu falar nesse banho. Como é que é?

– Muito simples. Eu sento no bidé cheio d’água, abro as pernas e com a mão eu faço tcheco, tcheco, tcheco…

O salão inteiro caiu na gaitada, enquanto as madames exibidas e boçais abaixavam a cabeça, escabriadas.

 

Com Diego Villanova

19 de setembro de 2019

Eita família feia!

Domingo de prévia carnavalesca na Pajuçara. Lá se encontravam, em meio a milhares de pessoas, na platéia, os amigos Anfilóquio Passos e Carnoberto Pontes. Calor insuportável, a folia pegando fogo, todo mundo se balançando ao som da orquestra de frevos que puxava o desfile do primeiro bloco constante da lista de outros que viriam a […]

18 de setembro de 2019

O MORTO QUE NÃO MORREU

No Bom Parto dos bons tempos existiu, entre tantas figuras populares, o cidadão intitulado Benedito Santino, mais conhecido como “Biu Bremó” (a orígem do apelido eu conto depois). Operário da finada Fábrica Alexandria, ele foi um grande proseador. A turma gostava de ouví-lo contar causos e histórias que jamais viveu, mas que sua fértil imaginação […]

14 de setembro de 2019

Vingança malígna!

Sujeito pintoso, solteirão e cheio de luxo, o Fidergaldo Balmásio era chegado a uma conquista amorosa. Dono de um escritório de representações comerciais, ele costumava rangar nos melhores restaurantes da cidade, só para aparecer perante o mulherio. Certa feita, de posse de um convite para o jantar de inauguração de um restaurante finório localizado na […]

13 de setembro de 2019

Apesar de tudo, igual aos outros!

A existência nos altos celestiais andava no maior marasmo ou, como diria Zé Bartolomeu, o Babá, “devagar, quase parando”. Não acontecia nada de novo. Tudo certinho. Então, Jesus Cristo, que nunca foi de ficar na imobilidade, procurou fazer alguma coisa. Chegou pra São Pedro e disse: – Pedrão, acho aque vou dar uma voltinha lá […]

12 de setembro de 2019

Cão inteligente, mas muito distraído!

Num começo de manhã, um cachorrão rottweiler entrou no açougue do velho Elifas Ursulino, com uma sacola presa à coleira. Postou-se no fim da fila e ficou esperando a vez de ser atendido. Ninguém estava nem aí pro animal, exceto um senhor chamado Astromar, que mudara de bairro havia uns cinco dias. E o cão […]

10 de setembro de 2019

Entre uma cachacinha e a visão…

No recanto mais afastado de Japaratinga viveu um cidadão intitulado Pedro Cândido, popularizado como “Seu Candinho”, pescador profissional, que era bastante chegado a uma cachacinha. Bendito dia, ele passou a sentir uma dor muito forte num dos olhos, opinando alguns metidos a entendidos, ser o primeiro sintoma de glaucoma brabo. Os dias foram indo e […]

6 de setembro de 2019

Atalaia

A cidade de Atalaia vivencia um momento de luto. É que morreu na manhã desta quinta-feira no Hospital da Unimed, no Recife/PE, Élvio Alves Brasil, aos 60 anos de idade, em virtude de complicações clínicas, enquanto aguardava o transplante de fígado. Por conta de problema de saúde, estava afastado das funções de Delegado de Polícia. Em […]

Raciocínio lógico

Depois de anos e anos trabalhando atrás de um balcão de farmácia, o velho Eulâmpio Cardoso ganhou a fama de “farmacêutico” competente em todo o bairro do Farol dos velhos e áureos tempos. Na sua drogaria, ele manipulava os remédios mais invocados para moléstias de todas as espécies. A pobreza ele atendia de graça, a […]

5 de setembro de 2019

Se convencer a madame… tudo bem!

Um sujeito adiposo, com um chapelão enfiado na cabeça até as orelhas, entrou na loja de implementos agrícolas do cidadão Erasto Lindoso, dirigiu-se a este e perguntou: – O senhor tem ordenhadeira mecânica? – Temos sim, senhor. Temos dois modelos : o Standard e o Super Star, os dois de fabricação nacional. – Qual é […]