A Palavra em palavras

16 de julho de 2019

O serviço público e a inteligência artificial

O serviço público e a inteligência artificial

Por Alisson Barreto

Publicado em 16/7/2019

Considerando a forma como os servidores públicos são escolhidos e as funções que exercem, vale questionar serviços públicos e teriam suas funções suscetíveis de serem substituídas por inteligências artificiais. Quais funções e por quanto tempo poderiam ser substituídas?

Insubstituível quem seria?

Único quem será? Onde está a capacidade?

Onde está o amar? A humanidade onde estaria?

Já não se discute se a inteligência artificial virá a ser utilizada, tornou-se realidade prática. Vive-se em uma realidade onde carros avisam se o vidro está baixo com o ar-condicionado ligado ou se o motorista deixou o farol aceso; redes sociais captam informações dos cidadãos e selecionam propagandas e vídeos relacionados aos seus perfis, aos seus gostos; centrais de atendimento ligam ao consumidor e oferecem opções de acordo com o que o consumidor fala ao telefone. Isso não é cenário futurista, é 2019.

Seus atos são registrados. O big brother não precisa mais de câmeras.

Suas famas estão por um triz. O que cantam?

Efêmeros não plantam tâmaras.

O serviço público é dotado de funções burocráticas e muitos atos vinculados, técnicos, habituais e circunstanciais que podem ser substituíveis por inteligências artificiais, insuscetíveis de corrupção. O amor, a arte, a criatividade, intuição e a percepção extrassensorial são diferenciais da espécie humana; porém, diferentemente deles, a técnica e a comparação objetiva são passíveis de substituição por inteligências artificiais. Tomando como base o serviço público e os fatores supracitados, quais atividades poderão vir a serem substituídas? É preciso pensar nisso.

Vincula-te, ó Homem, ao ser humano!

É desumano não se solidarizar.

E não amar é “autoengano”!

É importantíssimo repensar o serviço público e os critérios de ingresso. Atualmente, os critérios de seleção aos cargos efetivos são, em regra, baseados na capacidade de memorização e interpretação dos dados memorizados, mas isso seria facilmente efetuado por um computador. Quando se trata de funções de liderança se recorre a cargos comissionados e, quando de atos que requeiram dose de criatividade, a comissionados ou a serviços terceirizados. Mas e onde fica o servidor público em geral?

Que acabe a farra de cargos!

Que se acabem os encargos!

E se encarregue, a humanidade, de ser humana.

O princípio da legalidade e o servidor público, diante da inteligência artificial: a questão dos atos vinculados e discricionários. Sabe-se que, enquanto ao cidadão comum é possível fazer tudo o que a lei não proíbe, ao servidor público só cabe fazer o que a lei determina, de forma estrita (vinculada) ou com margem de escolha. Ora, se um ato é vinculado, qual o óbice à inteligência artificial? E se for discricionário (com margem de escolha por critérios de conveniência e oportunidade), é possível delimitar quais os critérios poderiam ser adotados e em quais prioridades para a execução do sopesamento. Assim, se forneceriam os critérios necessários para a inteligência artificial qualificar os pontos e escolher a opção mais adequada do agir.

Diria um programador: dá-me a lei e eu te dou o julgamento.

Dá-me os exames e eu te dou medicamento.

Dá-me a necessidade e eu te dou o agir.

Dos critérios de avaliação nos concursos públicos e do exercício profissional. A maioria dos concursos públicos, o concursista é avaliado quanto ao grau de conhecimento memorizado. Ora, um computador não assimilaria melhor tais informações? Uma inteligência artificial, nutrida das regras gramaticais, dos textos, jurisprudências e legislações pertinentes não identificaria as melhores respostas? Logo se perceberá que se precisará mais dos profissionais capazes de desenvolver as inteligências artificiais, desenvolver e nutrir seus bancos de dados, bem como de analistas dos resultados de tais procedimentos e menos das pessoas que até então desempenham tais funções.

Ó Brasil, dizei-me! O que quereis, fazei!

Enquanto se disputam “fakes” e se iludem com “faces”,

A vida corre, o tempo transcorre e a humanidade vira grei.

A humanidade tende a entrar numa era onde haverá mais pessoas existentes do que seres humanos necessários a produzir. Como ficarão os sobressalentes? Se é que essa era já não chegou, é preciso questionar os parâmetros morais de sustentação da sociedade. Não mais basta taxar os excluídos de “maus” por preguiça ou vítimas de uma sociedade “má”. A verdade é que o país precisa de mão de obra qualificada e se vê diante de universidades que não comportam toda a população em fase universitária, uma população que não tem nível suficiente ao requerido em uma boa universidade, tudo em uma sociedade cujo conhecimento universitário já não é mais suficiente para preencher as necessidades de mercado. Ou os seres humanos aprende a abraçar a humanidade ou fortalecerá a lei do mais forte até que o mais forte não seja o ser humano, mas o “super frankstein” que está por inventar. Se a humanidade não se converter, passará do ateísmo do “super homem” niilista para a promoção do “super frankstein” da inteligência artificial e o embate do resta um.

Do “super homem” ao “super frankstein”,

dizei-me, ó homem, o que buscais?

Poderiam os animais humanos se tornarem irracionais?

Médicos, pesquisadores, advogados, juízes, psicólogos, nutrólogos, engenheiros, arquitetos, soldados… Como ficarão as profissões no futuro? O ser humano se reinventa e é hora de se reinventar. O avanço tecnológico tende eliminar o profissional que faz a comparação visual ou a mera observação de dados. Ou seja, o médico que só analisa exames, o advogado que só adéqua o fato à norma, o juiz que apenas sopesa os pedidos das partes ante a lei, o engenheiro que só empregue fórmulas e escolha materiais. O profissional do futuro precisará ser um gerenciador de informações analisadas e sopesadas pela inteligência artificial e com habilidade para utilizar essas informações de forma humanizadora.

Reinventa-te, ó homem!

Acorda e ama!

E volta a, no homem, pensar.

Paralelamente, é preciso repensar a escolha de líderes e o emprego da ética, globalmente. Líderes extremamente competitivos e descompromissados com a ética podem utilizar a inteligência artificial e a engenharia genética para sobrepujar povos, subjugar seres humanos e dominar populações, inclusive fazendo uso de seres humanos modificados genética e “informaticamente”. Os seres humanos precisam acordar para a humanidade, para o respeito humano, para a qualidade global de vida humana. É preciso reaprender a enxergar cada indivíduo. É necessário voltar a abrir os olhos e enxergar o amor em cada ser humano.

É preciso reinventar os direitos humanos

para garantir o direito de nascer e aos nascidos, o de viver.

Diferençar menos e amar mais! Quais são seus planos?

Em suma, ou o ser humano aprende a amar e a reconhecer o que é próprio do ser humano ou traçará o autodestrutivo caminho da falsa autossuficiência, reclassificando os homens entre superiores e inferiores, renomeando discriminações e reinventando a escravidão, como já reinventou o abortamento.

Maceió, 16 de julho de 2019.

Alisson Francisco Rodrigues Barreto1

1 Poeta, filósofo; bacharel em Direito, pós-graduado. Autor do blog “A Palavra em palavras”, em TribunaHoje.com, desde 2011. @alissonbarreto1 (LinkedIn, Twitter e Instagram)

10 de julho de 2019

A DANINHA TOLERÂNCIA À CRIMINALIDADE. A moral e a síndrome de Robin Hood

A daninha tolerância à criminalidade A moral e a síndrome de Robin Hood Por Alisson Francisco Publicado em 10/7/2019 Em alguns ambientes, exalta-se o ditado “rouba, mas faz”. Isso explica o porquê de candidatos tidos como “fichas-sujas” serem eleitos; entretanto, isso justificaria? Considerando a inafastabilidade do dever de buscar os valores morais, perceber-se-á que a […]

3 de julho de 2019

REBELDIA LITÚRGICA. Noções de Direito Administrativo na prática litúrgica

Rebeldia Litúrgica Noções de Direito Administrativo na prática litúrgica Publicação: 03/7/2019 Por Alisson Barreto Parte 1 – Considerações Imagina se uma mãe dá ordem aos seus filhos sobre como proceder em uma determinada situação, mas um dos filhos resolve contestar e fazer diferente por acreditar que seu pai teria interesse ou permitiria que diferente o […]

25 de junho de 2019

TEORIA DOS SOFISMAS SOCIAIS. A desconstrução da sociedade em função da ideologia de gênero

Teoria dos Sofismas Sociais A desconstrução da sociedade em função da ideologia de gênero Por Alisson Barreto Publicação: 25/6/2019 O que dizer de um lugar onde a Corte Suprema, a guardiã da constituição, interpreta uma questão de afetividade sexual como uma questão racial entre membros da espécie humana? No mesmo lugar, médicos, responsáveis por salvamento […]

18 de junho de 2019

As recentes inconstitucionalidades do STF

As recentes inconstitucionalidades do STF Pode um guardião vilipendiar o patrimônio a ser guardado? Pode um defensor da ordem constitucional desconstruir a ordem instaurada para favorecer interesses ou entendimentos não contemplados pela Constituição? Quem contrataria um vigia que se apropriasse dos bens da casa a ser vigiada? Da mihi facto dabo tibi jus Dê-me o […]

11 de junho de 2019

O desafio da perseverança na automotivação

O desafio da perseverança na automotivação Por Alisson Barreto (Publicação de 11/6/2019)   Já parou para pensar sobre como, em regra, é difícil manter-se motivado(a) e como parece que algumas pessoas nunca estão motivadas e outras parecem sempre estar bem? Quem não quer o melhor para si também? Afinal, parece-me que a automotivação é um […]

4 de junho de 2019

A fantástica habilidade de mudar o mundo

  Um rio não se renova se novas águas por si não passarem. Uma calçada não é lavada se novas ou renovadas águas não lhe forem lançadas.   Assim, tu que me lês, nesta tela branca, escreves tua vida nas novas páginas de tua vida. Mas se fores incapaz de enxergar espaços para novos escritos […]

28 de maio de 2019

Per Crucem ad Lucem

Publicado em Maceió, 28 de junho de 2019. Per Crucem ad Lucem Pela cruz para a luz, Sendo luz com Jesus. Sem negar a cruz, Sendo Corpo de Cristo Jesus. . Jesus nos diz que Seu fardo é leve e seu julgo é suave. Diz para não julgarmos e nos fala para amarmos. Mas como […]

21 de maio de 2019

Abençoada seja a Pátria consagrada ao coração de Maria!

Dado no dia da consagração do Brasil ao Imaculado Coração de Maria, 21 de maio de 2019. Abençoada seja a Pátria consagrada ao coração de Maria! . Abençoada seja a Pátria consagrada ao coração de Maria! Pois de noite e de dia tem a proteção da Imaculada A conceder graças e bênçãos, amparo e harmonia. […]

14 de maio de 2019

Criado para amar

Maceió, 14 de maio de 2019. Criado para amar: Anseio por uma plenitude . Criado para amar, o homem está sempre a procurar. Se não se cuidar, porém, pode – fora do amor – apaixonar-se: Um terrível equivocar-se. . Mas ao ser humano que busca a verdade, Que se abre à coragem de olhar para […]