Alisson Barreto

31 de março de 2020

Os Marxistas da Direita

Publicação: 31/3/2020

Autoria: Alisson Barreto

Os Marxistas da Direita

O título, de imediato, pode impulsionar críticas. Mas as linhas que se seguem poderão fazer muita gente repensar a própria visão ou até mesmo levar a repensar a própria posição.

As polarizações extremistas acabam acarretando alguns equívocos político filosóficos. Por exemplo, pensar que tudo da esquerda é marxista é um engano; pois o anarquismo e o progressismo também são concepções de esquerda e não são por si marxistas, ou seja, não fazem parte do marxismo, diretamente, sendo um paralelo e outro mais abrangente.

O marxismo apresenta uma proposta de divisão e fomentação da luta de classes. Ironicamente, o antagonismo polarizado entre os de extrema esquerda e extrema direita acabam por produzir esse efeito. Mas isso ainda não soa suficiente para classificar a dicotomia como algo por si marxista, afinal, esquerda e direita são conceitos mutáveis e que antecedem o marxismo.

A primeira referência ao se falar em marxismo é justamente a luta de classes, especialmente, entre pobres e ricos, o proletário e o patrão, o corpo e a cabeça. Nisso, logo se vê que é por si contrária ao Cristianismo. Enquanto este busca a unidade cristológica, aquele busca o diabólico antagonismo. Enquanto o Cristianismo busca o amparo ao mais fraco; o marxismo, propriamente dito, busca a excitação da classe operária para se tornar mais forte e suplantar a classe mais rica, ainda que para isso possa apresentar-se como socorro da solução ao mais fraco.

Acontece também que, se o marxismo é pobre versus rico, nele está o pobre e também o rico. Observe as seguintes hipóteses:

  • Hipótese A – uma suposta direita é conduzida ao poder para acabar com a dicotomia pobre-rico. Mas se alguns de seus apoiadores querem fomentar o rico deixando o pobre à própria sorte ou até que uma rede social sinta a falta deles, transformando-os em “pobres úteis”. Então, esses apoiadores estão a fomentar a divisão entre classes com foco inicial não do proletário, mas no empresário rico. Ora, se o marxismo sugere a divisão pobre versus rico e há uma esquerda que foca no pobre e uma direita que foca no rico, logo essa esquerda e essa direita são dois lados do marxismo: pobre e rico. Consequentemente, ambas fomentam a divisão de classes, querendo o poder e, ainda que se digladiem em acusações mútuas, servem ao mesmo propósito.
  • Hipótese B: o líder que sobe ao poder como de direita e ao chegar ao poder destrói a imagem da direita com ações que prejudicam o trabalhador, o aposentado e marginaliza o excluído. Tal líder acaba fomentando uma reação adversa em tantos quantos não os sejam seus seguidores fiéis, mas gera adversidade suficiente para que os excluídos se direcionem para a esquerda explícita como seus salvadores. Viabilizando o retorno da esquerda explícita com mais força de apoio popular. É o tal do jogo das tesouras: dois lados supostamente opostos, executando o mesmo objetivo.
  • Hipótese C: a hipótese do cavalo de Troia: um indivíduo infiltra-se na oposição ao marxismo, buscando conquistar a confiança; ouve o que a oposição quer, propõe implantar o proposto e apresenta-se como porta-voz. Defende as vozes da oposição ao comunismo até chegar o poder, quando começa a adotar práticas utilizadas pelas vozes a que combateu. No início, isso é tolerado e até defendido pelos apoiadores, em nome da governabilidade, ocultando um caráter de crença em que “os fins justificam os meios”. O cavalo de Troia avança até que o estrago seja suficiente para a esquerda assumir seu posto.

O problema das conjeturas acima é que a situação tende a ser agravada quando a população, não ciente da gravidade, acaba tomando postura de defesa dos líderes das hipóteses acima, deixando de consumir qualquer informação que lhes conteste ou desmitifique. É a situação na qual parte da população deixa de ler qualquer jornal que não apoie seu líder incondicionalmente e concentra o máximo de esforços possível na pesquisa de argumentos que corroborem com a defesa do seu líder, fazendo uma espécie de barreira de proteção contra os anticorpos do organismo social.

Obviamente as hipóteses acima não são autoexcludentes e podem juntarem-se umas às outras como instrumentos da conquista de poder. O que corre por fora, coadunando com a proposta divisória do marxismo, é o cidadão comum que passa a defender a direita por interesse em estar de um lado rico a ver a classe pobre como um mero outro lado da sociedade. É o tipo do cidadão que pode até não querer a luta de classes, mas quer a divisão da sociedade em classes e até fomenta o sectarismo com atitudes como a bajulação dos grandes e humilhação dos pequenos. É o tipo de postura tragicômica do “eu odeio pobre”. Tal postura é assumida pelo pobre que vê com bons olhos a humilhação de outros pobres desde que ele fique do lado “opressor”, como diriam os marxistas.

Convém, entretanto, uma ressalva: algum líder pode ser de direita e acabar fazendo o joguinho da propaganda negativa à direita, favorecendo a esquerda, sem ter o interesse de promover a esquerda. Mas promovendo-a apenas por sua incapacidade de gestão. Pois da mesma forma que um bom líder pode pegar uma equipe desacreditada e torná-la vencedora, um mal gestor pode pegar uma equipe vencedora e levá-la ao fracasso.

Mas cuidado com os líderes carismáticos. Eles podem chegar até desacreditados, mas tomarem a confiança de tal modo que seus seguidores passam a fazer a campanha por conta própria, apoiando-o, defendendo-o e sufocando reações de oposição. Isso aconteceu, por exemplo, na Alemanha, onde o partido nacional socialista dos trabalhadores da Alemanha, que acabou se transformando em simplesmente Partido Nazista conseguiu tomar o poder inflamando o povo com o anseio de voltar a fazer da Alemanha um país de força imperial. E nesse intuito acabou fazendo a divisão de classes no aspecto biológico: considerando de um lado a suposta raça ariana, como superior às demais, e do outro as demais etnias, tomando os judeus como o representante máximo do empecilho ao desenvolvimento alemão.

Como se sabe, a divisão das sociedades em raças e motivação ao enaltecimento de uma etnia ou outra não é novidade e não se findou no passado histórico. Aliás, convém dizer que, biologicamente, não existem raças na espécie humana; sendo, portanto, uma classificação meramente “sócio-preconceituosa”. O critério socialista biológico continua sendo utilizado, mas não mais tomando o judeu como bode expiatório, ainda que exista muito fortemente uma reação forte contra os de fé judaica ou cristã. A perseguição aos judeus e cristãos tem origens, entretanto, não será aprofundada neste texto, pois ela é de interesse não apenas de marxistas, mas também de ateus e de outras denominações religiosas.

Como se vê, há muitos na direita que assumem posturas convenientes ao marxismo e podem, consequentemente, serem chamados de marxistas práticos ou elípticos. Pois promovem o marxismo sem aparentarem querer promovê-lo. Talvez até não sem ciência disso.

Maceió, 30 de março de 2020.

Alisson Francisco Rodrigues Barreto

 

Poesia relacionada ao texto:

Sobre o autor:

Alisson Francisco Rodrigues Barreto é poeta, filósofo (Seminário Arquidiocesano de Maceió), bacharel em Direito (Universidade Federal de Alagoas), pós-graduado em Direito Processual (Escola Superior de Magistratura de Alagoas), tendo também cursado, parcialmente, os cursos de Engenharia Civil (Universidade Federal de Alagoas) e Teologia (Seminário Arquidiocesano de Maceió). Autor do livro “Pensando com Poesia” e escritor do blog “Alisson Barreto” (outrora chamado de “A Palavra em palavras”), desde 2011, e da Revista Pio.

Alisson Barreto na internet:

  • Site pessoal: Alisson Barreto, acesso em https://sites.google.com/view/alissonbarreto
  • Revista pessoal do autor: Revista Pio, acesso em https://alissonbarreto14.wixsite.com/revistadigital-pio
  • “Blog” do autor: Alisson Barreto, acesso em https://tribunahoje.com/blog/a-palavra-em-palavras/
  • Twitter: @alissonbarreto1 (acesso em https://twitter.com/alissonbarreto1)
  • LinkedIn: @alissonbarreto1 (acesso em https://www.linkedin.com/in/alissonbarreto1/)
24 de março de 2020

O MATRIMÔNIO SOB UMA ÓTICA LÓGICO MATEMÁTICA

Título geral – A ORIGEM DOS NÚMEROS E SINAIS MATEMÁTICOS Título da postagem – O MATRIMÔNIO SOB UMA ÓTICA MATEMÁTICA Postagem 3 de 4 | Por Alisson Barreto Prezados leitores da Tribuna, nas próximas segundas-feiras, nosso blog apresentará uma série de quatro postagens, por meio das quais serão abordados temas lógico-matemáticos e suas correlações com os campos da […]

15 de março de 2020

OS SINAIS MATEMÁTICOS NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE (2 de 4)

Título geral – A ORIGEM DOS NÚMEROS E SINAIS MATEMÁTICOS Título da postagem – OS SINAIS MATEMÁTICOS NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE Por Alisson Barreto Na semana passada, vimos “(1) os números na história da humanidade”. Dando continuidade à sequência de postagens sobre temas lógico-matemáticos e suas correlações com os campos da filosofia, do português, da matemática, da história […]

9 de março de 2020

A ORIGEM DOS NÚMEROS E SINAIS MATEMÁTICOS (1 de 4)

A ORIGEM DOS NÚMEROS E SINAIS MATEMÁTICOS Prezados leitores da Tribuna, nas próximas segundas-feiras, nosso blog apresentará uma série de quatro postagens, por meio das quais serão abordados temas lógico-matemáticos e suas correlações com os campos da filosofia, do português, da matemática, da história e do direito. A sequência de postagens será, basicamente, a seguinte: […]

2 de março de 2020

A discriminação opositora

A multiplicação de legislações protetivas de coletividades é evidente sinal da insuficiência da promoção da igualdade interpessoal. A cada dia surgem leis a protegerem cor, idade, sexo ou opção sexual, mas como ficam os de cor, idade, sexo ou opção sexual teoricamente não protegidos por tais leis? Há normas protetivas, por exemplo, para negros, mulheres […]

22 de fevereiro de 2020

A ministra, a castidade e o carnaval

  Quando o atual governo brasileiro anunciou que uma das campanhas educativas sobre sexualidade seria relacionada à não prática sexual, a imprensa censurou. Ainda mais em tempos de carnaval, convém questionar até que ponto a castidade ou a abstinência poderiam ser instrumentos eficazes na sexualidade. Preliminarmente, convém, se for o caso, deixar de lado preconceitos […]

17 de fevereiro de 2020

Desafios de um mundo de diversidades e dualismos

Desafios de um mundo de diversidades e dualismos Numa época em que muitos se intitulam de direita ou de esquerda e tendem a colocar um pacote o conteúdo desses lados, como lidar com esse universo de diversidades? Num mundo polarizado, Não ser do grupo do outro É ser excluído, rejeitado… Talvez, dado como louco. PLURARISMO […]

10 de fevereiro de 2020

Extinções profissionais e dignidade na reconfiguração trabalhista

Extinções profissionais e dignidade na reconfiguração trabalhista Imagine uma época em que países se deparam com alarmantes índices de desemprego, enquanto outros desenvolvem tecnologias que ocupam cenários laborativos. Qual a responsabilidade do poder público em relação à ocupabilidade e dignidade de seu povo? Uma nova tecnologia pode tomar o emprego de alguém E gerar emprego […]

3 de fevereiro de 2020

Incoerências Retóricas

Quando se dialoga com alguns grupos sociais, o posicionamento da pessoa só é respeitado se o indivíduo concordar ou defender a mesma linha de posicionamento. Já parou para pensar se você e seu grupo sócio-político sabe lidar com diversidade de posicionamentos? Até que ponto vai a capacidade de diálogo e respeito intersubjetivo? Onde está o […]

27 de janeiro de 2020

Guerras: os graves riscos e porquês

Às vezes as notícias de guerras são vistas como uma página da história, uma imagem distante ou mesmo cenas de videojogo: cenas que soam lúdicas ou ludistas. Mas a verdade é que a guerra é mais interna e intensa do que se imagina. Vamos aos porquês e às respostas! As guerras estão longe? Tão longe […]