Antônio Pereira

25 de janeiro de 2021

Com menos de um mês na prefeitura de Maceió, JHC coleciona trapalhadas

Tido como craque das redes sociais, o prefeito de Maceió, João Henrique Caldas, o JHC tem sofrido reveses exatamente a partir das mídias sociais no seu início de governo, que ainda não completou nem um mês de mandato.

A maior polêmica fica por conta de uma postagem do ‘rei do Instagram’, o alagoano Carlinhos Maia, que disse com todas as letras que tinha sido convidado para tomar a rara vacina contra a Covid para protagonizar um lance de marketing. Quem fez esse convite? JHC, isso mesmo, segundo Carlinhos a ideia teria partido do prefeito da capital alagoana, que iria contratar o influenciador digital para ser uma espécie de garoto propaganda da vacinação. Um pouco sem noção ou timing político, Carlinhos Maia na mesma rede social disse que tinha recusado o convite do prefeito.

Logo após Carlinhos Maia revelar que teria negado o suposto convite, o Ministério Público Estadual de Alagoas lançou nota informando que vai investigar o caso. O Procedimento Preparatório instaurado pela 67ª  Promotoria de Justiça. JHC e Carlinhos devem ser intimados a prestar depoimento no MPE.

Briga com movimento negro

No rastro de trapalhadas, o prefeito de Maceió conseguiu irritar o movimento negro alagoano ao mudar o nome de uma praça no bairro da Jatiúca. JHC atendeu pedido de um vereador para mudar o nome da praça Dandara dos Palmares para Nossa Senhora da Rosa Mística.

Dandara dos Palmares é reconhecida como uma heroína do levante negro que ficou conhecido como Quilombo dos Palmares. Ela teria lutado ao lado de Zumbi pela libertação dos escravos em Alagoas.

Depois da forte repercussão, o prefeito voltou atrás e desfez o ato do decreto de mudança do nome da praça, que continua como Dandara dos Palmares.

Cargo de R$ 11 mil para namorada de Senador

Considerada outra trapalhada do prefeito foi a nomeação para um cargo comissionado com salário de R$ 11 mil para a namorada de um deputado federal, aliado de JHC. Caiu como uma bomba no meio político e social de Maceió a nomeação da cantora e também advogado Millane Hora na Secretaria de Assistência Social, cuja indicação foi do senador Rodrigo Cunha (PSDB).

Após idas e vindas, tendo direito a defesa por parte do senador dos supostos dotes profissionais da amada, o prefeito JHC, mais uma vez, teve que aceitar a renúncia ao cargo de Millane Hora.

“O convite que eu recebi, pessoalmente do prefeito, foi para que eu fosse ponte da prefeitura com a secretaria. Eu, Millane, trabalharia exatamente com os assuntos que vinha defendendo junto com ele em todas essas oportunidades. E óbvio, eu aceitei o convite na mesma hora. Quando eu fui nomeada, todo esse desconforto aconteceu e eu, até entendo, as questões de algumas pessoas. Mas eu não aceito que me desmereçam e, inclusive, eu exijo respeito como cidadã, mulher e advogada”, disse.

“Eu decido abrir mão dessa oportunidade, apesar de ter certeza da minha competência e da contribuição que eu poderia dar. Sinceramente, é inadmissível que essa questão recaia e coloque em questão a credibilidade construída com tanto trabalho, dedicação e seriedade de outras pessoas que não interferiram na minha decisão inicial de aceitar esse convite. Assim como não interferem na decisão que eu tomo hoje de abrir mão deste mesmo convite”, concluiu.

Alunos em risco

Outra grande trapalhada do prefeito JCH foi querer forçar a volta às aulas presenciais com turmas completas em março. Na área de educação municipal também acontece outra aberração, quando parte das escolas estão exigindo presença dos pais e responsáveis para a matrícula, mesmo o município tendo um sistema on-line em pleno funcionamento.

Com forte oposição de diretores de escolas e do SINTEAL, o prefeito, ao que parece, vai voltar atrás e desistir dessa ideia de volta às aulas, que coloca em risco alunos, professores, profissionais da educação e também os parentes dos estudantes. Com relação às matrículas presenciais, o absurdo também foi denunciado pelo SINTEAL, mas a prefeitura ainda não se pronunciou oficialmente.

Nem tudo é ruim

Apesar das trapalhadas, o prefeito também tem medidas consideradas boas, como foi o caso da redução tarifa do transporte coletivo da capital. O prefeito JHC assinou decreto que fixa o novo valor em R$ 3,35 e, com isso, a cidade tem a tarifa mais barata dentre as capitais dos estados brasileiros e inferior à média nacional, que é de R$ 4,00. O novo valor passa a valer desta segunda-feira (25).