Antônio Pereira

14 de abril de 2020

O azarado povo brasileiro que tem o pior presidente da história no pior momento

Jair Messias Bolsonaro é de longe o pior presidente da história do Brasil. Caso você ache exagero, vamos aos fatos: até agora o governo federal não apresentou nenhuma saída para a maior crise mundial depois da segunda grande guerra. Bolsonaro se limita a bater perna nas ruas e sabotar toda e qualquer iniciativa do seu próprio ministro da Saúde.

Em sua louca cruzada amalucada, Bolsonaro briga com governadores, em especial o de São Paulo, João Dória, outrora importante aliado. Para o nosso presidente, as possíveis mortes causadas pela pandemia não são relevantes, afinal, seu governo e ele próprio já deixou claro que não se importa com o sofrimento das pessoas devido ao contágio do coronavírus.

Desesperados, micro e pequenos empresários não enxergam no governo uma tábua de salvação. Estão entregues a própria sorte, enquanto assistem Bolsonaro e seus filhos combatendo seus inimigos imaginários.

O governo federal é o único que tem condições de socorrer os empresários endividados, trabalhadores desempregados e outros tantos que vivem de bicos. Os tais dos R$ 600,00 foram conseguidos graças a ação dos deputados e senadores, pois a iniciativa inicial do governo era de uma ajuda de R$ 200,00. Sabemos que esses recursos são insuficientes para resolver o problema. Mesmo assim, Bolsonaro e seu governo inoperante partiu para fazer propagada, dizendo que seria ele o “autor” do socorro aos mais pobres. Pura demagogia eleitoreira de um governo fraco, sem plano e longe da realidade do povo brasileiro.

Jair Bolsonaro e seus seguidores mais radicais estão se lixando para o governo. O que eles querem mesmo é se locupletar, ostentando seus carrões em carreatas ridículas pelas ruas de classe média e média alta, rogando para que, contrariando a ciência, liberem o comércio.

Esses arautos do apocalipse não cansam de falar e fazer bobagens. Outro setor que está fortemente sendo impactado pelas quarentenas impostas pelos governadores com aval do Ministério da Saúde é o de igrejas evangélicas. Os líderes dessas igrejas, majoritariamente apoiadores de Bolsonaro, viram seus rendimentos sumirem da noite para o dia, simplesmente porque os fiéis deixaram de comparecer aos cultos e, consequentemente, pagar somas milionárias para conseguirem salvar suas almas.

Um governo nitidamente despreparado, onde o minimamente técnico ministro da Saúde acaba sendo ameaçado diariamente pelo chefe por estar fazendo seu trabalho.

Sim, estamos no limiar de uma grande catástrofe, sem que haja qualquer plano de socorro, sobrevivência ou saída.

Até mesmo os outrora falantes líderes empresariais e seus representantes na grande mídia estão calados. Nada oferecem como rumo para sairmos desta tempestade.

O Brasil e os brasileiros estão ferrados. Sem líderes, sem saída. O que será de nós?