Antônio Pereira

16 de março de 2020

A conveniente morte de Gustavo Bebianno e de pessoas que poderiam incriminar a família Bolsonaro

Duas mortes recentes de pessoas que poderiam prejudicar a família Bolsonaro acende o sinal de alerta e suscita novas teorias da conspiração. Primeiro foi o brutal assassinato da vereadora Marielle Franco e seu motorista, onde várias suposições apontam para milicianos ligados aos Bolsonaro como interessados diretos na morte da política do PSOL. Isso sem falar que Marielle disputaria uma vaga de senadora em 2018 contra Flávio Bolsonaro. Logo após o assassinato de Marille, o principal suspeito de ser o executor do crime foi morto com dois tiros no tórax por policiais militares da PM Baiana. O ex-policial militar do Rio Adriano Magalhães da Nóbrega era considerado peça-chave para o esclarecimento de dois casos: a expansão das milícias no Rio de Janeiro, muitas vezes com a ajuda clandestina de autoridades públicas, e o esquema envolvendo o gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, hoje senador da República. Depois de um ano foragido, Adriano foi morto por policiais da Bahia, em fazenda em Esplanada, a 170 km de Salvador.

Agora, a morte do ex-ministro Gustavo Bebianno, com um ataque cardíaco fulminante. O ex-ministro foi sepultado menos de 24 horas depois de morrer, levantando ainda mais suspeitas da circunstâncias da sua morte. Para os amigos de Bebianno há realmente algo estranho. Eles alegam que o ex-ministro, que tinha 56 anos de idade, era lutador de jiu-jitsu desde a juventude. Não bebia nem fumava e inspirava às pessoas de seu convívio a imagem de uma pessoa saudável.

Recentemente, Bebianno disse em entrevistas que tinha receio do que poderia lhe acontecer em razão de suas manifestações públicas a respeito do presidente e dos bastidores de sua eleição. O advogado disse a jornalistas e amigos que tinha material guardado no exterior para que fosse revelado após sua morte. Também contou que havia enviado cartas a pessoas próximas, contando em detalhes quem seriam as pessoas interessadas em sua morte caso isso ocorresse.

O principal episódio que pode voltar à tona, caso Bebianno tenha deixado algo incriminatório, é a facada supostamente sofrida por Jair Bolsonaro durante o processo eleitoral. Todos os analistas reconhecem que o episódio catapultou a candidatura de Bolsonaro e o fez presidente, dada a comoção criada em torno da sua recuperação durante a eleição presidencial.

TEORIA DA CONSPIRAÇÃO

Teoria da conspiração, também chamada de teoria conspiratória ou conspiracionismo, é uma hipótese explicativa ou especulativa que sugere que há duas ou mais pessoas ou até mesmo uma organização que têm “tramado” para causar ou acobertar, por meio de planejamento secreto e de ação deliberada, uma situação ou evento tipicamente considerado ilegal ou prejudicial.