Antônio Pereira

18 de setembro de 2019

Execrado em nível mundial, Bolsonaro deve fugir de presença na ONU

Em poucos meses o mundo já execra Jair Bolsonaro e seu governo de destruição nacional. Agora, ele pretende usar a desculpa da recuperação da recente cirurgia para não comparecer à sessão da Organização das Nações Unidas (ONU), onde, certamente, sofreria inúmeras ações de protestos e até mesmo humilhações institucionais jamais vistas no meio diplomático mundial.

Jair Bolsonaro conseguiu ser uma espécie de pária global, tendo inúmeros chefes de Estado virando a cara para sua postura de enaltecer ditadores, como aconteceu recentemente no Chile, como também sua ação de defesa da devastação da selva amazônica para livre exploração de minérios e agropecuária.

O mundo abismado rechaça Bolsonaro, dando um ar de ‘Coréia do Norte’ ao antes ensolarado e receptivo Brasil. Sim, nosso país é cada vez mais sinônimo de coisa ruim mundo a fora. Nossa imagem, construída a duras penas por Rui Barbosa, Tom Jobim, Carmem Miranda, Aiton Senna, Pelé, Luiz Inácio Lula da Silva, Paulo Freire, Gisele Bündchen, Paulo Coelho e tantos outros celebres brasileiros, agora amarga o limbo internacional, tendo embaixadas como alvo de manifestações pelo mundo todo.

Ao andar da carruagem, o Brasil deve retroceder muitas casas em sua imagem de país aberto ao mundo. Jair Bolsonaro e sua família, fãs de Donald Trump, conseguirão estragar tudo que foi criado ao longo dos séculos.