Antônio Pereira

5 de setembro de 2019

Bolsonaro envergonha toda uma nação com seu jeito monstruoso

Não, ele não é aquele inconsequente colega de escola que sempre falava mal das mulheres, negros e homossexuais. Ele é o presidente de um dos maiores  países do mundo, que seja chama Brasil e já foi uma estrela na política internacional. O Brasil que tem a honra de abrir a sessão da Organização das Nações Unidas (ONU) agora é chefiado por um miliciano desbocado, que pouco está ligando para o que os brasileiros minimamente educados pensam.

Bolsonaro em pouco mais de oito meses já desponta como o maior candidato a ser o detestável presidente que um dia sentou na cadeira no Palácio do Planalto. Bolsonaro com sua boca suja que já pronunciou palavrões e cocô em plena entrevista coletiva com a imprensa. Jornalistas horrorizados, muitos envergonhados de um dia terem apoiado esse transloucado ser que se apossou do poder no Brasil de tantas facetas.

O presidente dos brasileiros não pede desculpas, ele simplesmente vomita preconceito, de preferência contra mulheres. Foi assim com Dilma, Brigitte Macron e agora com Michele Bachelet. Todas têm em comum a reação enlouquecida e carregada de preconceito com que o presidente do país as trata.

Setores importantes da sociedade nacional estão boquiabertos com o que estão vendo e ouvido, mas muitos dos apoiadores do governo continuam calados, esperando que o Congresso conclua suas reformas destruidoras, pouco importando se o presidente destra mulheres, pega briga com líderes mundiais e joga a imagem do Brasil na sarjeta.

Sim, o Brasil que demorou décadas para se firmar como uma nação, onde o povo é considerado cordial, amável e alegre tem agora um monstro na presidência, com suas monstruosidades verbais de um adolescente estúpido que todo mundo detesta.

Cada vez mais o povo brasileiro sente vergonha do seu presidente. Cada vez mais pessoas se indignam com a monstruosidade de alguém que detesta da democracia e enaltece assassinos sanguinários, covardes monstros do passado que trucidavam jovens estudantes nos porões de quartéis e delegacias.

Não, esse não pode ser o nosso país. Esse não pode ser o nosso presidente. O Brasil em breve terá que dizer um basta ao monstro que criaram.