Antônio Pereira

3 de setembro de 2019

Tenho solução para todos os problemas do mundo

Crise energética, fome no mundo, escassez de alimentos, guerras insolúveis, problemas no casamento, porque seu time não consegue ser campeão e tantos outros temas são de fácil solução. Isso porque todo brasileiro já nasce juiz de futebol, juiz de paz, policial, jornalista e pitaqueiro profissional.

Você já parou para conversar com algum desconhecido num ponto de ônibus ou na fila da lotérica. Pois eu já fiz isso. É incrível como todos têm solução para os grandes problemas da humanidade, tem também solução para os problemas da rua, do bairro, da cidade. Cada um se arvora ser o dono da solução mais fácil para todos os grandes questionamentos e os pequenos também.

Sendo assim, todo assunto que passa na televisão ou você viu no zap ou no face torna-se de fácil solução.

O brasileiro parece encarnar o simplista para tudo. Isso explica uma série de atitudes, desde as mais simples às mais complexas. Foi assim, explorando esse universo simplista que a milícia digital que apoiou o atual presidente da República conseguiu incutir no imaginário popular uma série de invencionices, que vão desde que a Terra é redonda a que o então candidato do petê, Fernando Haddad quando ministro da Educação lançou o famigerado kit gay para ser distribuído nas escolas ou que Haddad idealizou a mamadeira de piroca para incentivar o homossexualismo nas crianças. Sim, essas coisas foram repassadas em massa e ainda o são todos os dias.

Como combater isso, quando muitos dos usuários do zap são da mesma congregação, vivendo em um mundo paralelo de loucura coletiva, onde aquelas mensagens pseudoinformativas são mais importantes do que investigar, averiguar. É fácil atacar, muito fácil atacar e muito difícil desfazer esses ataques. A candidata a vice-presidente da chapa de Haddad, a ex-deputada Manuela D’Àvila também foi vítima. Seus algozes virtuais foram muito, mas muito mais agressivos. Uma agressividade semelhante ao que sofre o ex-deputado Jean Wyllys, obrigado a abrir mão do mandato por não aguentar mais tanta mentira dita todos os dias nas redes sociais e que reverbera nas ruas.

Essa conduta simplista do brasileiro fez nascer monstros e monstruosidades, pois o povo, em sua maioria, tem grande dificuldade de separar o que é real do que é fantasia.

Na política essa quase ingenuidade coletiva é canalizada para coisas absurdas, muitas vezes reproduzidas por aquela nossa tiazinha da igreja, que tem enorme credibilidade no seio familiar, no bairro e em todos os locais. Assim, o histórico de soluções para os problemas que o brasileiro tem desde a tenra idade nos leva a esse universo paralelo de sandices, crendices e outras coisas que destroem a nossa realidade a cada dia.