Blog do Dresch

7 de dezembro de 2018

Casal quer recuperar clientes devedores

Buscar os clientes que estão fora do sistema. Este o objetivo da Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) em desenvolver, até o final do mês, uma campanha para recuperar aqueles consumidores que estejam com imóveis desligados, suprimidos, ligados clandestinamente, ligações domiciliares não cadastradas e não faturadas. Para o presidente da Companhia, Clécio Falcão, “esta é uma oportunidade de recuperar receita, aumentar a arrecadação reduzir perdas, além de ampliar o mercado de clientes” afirmou.

Recuperação de devedores 2

A campanha foi batizada de “Água, nosso maior bem. Seu nome limpo com água de volta” e faz parte do Projeto de Recuperação de Créditos e Clientes (PRCC) desenvolvido pela Casal. O projeto vai beneficiar clientes de 77 municípios atendidos pela Companhia, oferecendo até 90% de desconto nas multas, dos juros e da correção monetária. A meta é recuperar cerca de 200 mil usuários que estão fora do sistema.

Mais 2 milhões de pobres

Em apenas um ano, cerca de 2 milhões de brasileiros passaram a viver em situação de pobreza como define o Banco Mundial. A informação foi revelada pelo SIS (Síntese de Indicadores Sociais) divulgado esta semana pelo IBGE. Em 2016 havia no País 58,2 milhões de pessoas em situação de pobreza, o que equivale a 26,5% da população. Por outro lado, a população em condição de pobreza extrema aumentou em 13% saltando de 13,5 milhões de brasileiros para 15,3 milhões no mesmo período. Segundo o IBGE, é considerada situação de extrema pobreza quem dispõe de US$ 1,90 por dia, o que equivale a R$ 140 por mês. Já a linha de pobreza é calculada para quem ganha R$ 406 no mês. Claro que o Nordeste tem a pior situação do Brasil. Em Alagoas, quase a metade da população (48,9%) está inserida na condição de pobreza, com renda inferior aos R$ 406.

Ainda sobre a pobreza

As distorções sociais no Brasil crescem e se caracterizam perfeitamente. Acre, Amazonas, Pará, Amapá, Piauí, Ceará, Alagoas e Bahia tem quase a metade da população na linha da pobreza. O Maranhão tem mais do que isso. Já Santa Catarina, na região Sul, tem um percentual de 8,5% de pobres. Os motivos de tanta distorção? Desemprego, recessão econômica, corte de investimentos do Bolsa Família e um governo federal sem qualquer compromisso com as dificuldades da população.

 

Copa rendeu 1º aos clubes

Os clubes brasileiros ficaram com um pouco mais de 1% do dinheiro distribuído pela Fifa, por conta da cessão de jogadores para a disputa da Copa do Mundo na Rússia. No total, a entidade usou US$ 209 milhões (R$ 804 milhões) de uma receita de US$ 5 bilhões (R$ 19 bilhões) para distribuir parte do luro para 416 clubes de 63 países. O valor ainda foi 200% a mais do que o distribuído no Mundial do Brasil, em 2014.

 

Copa rendeu 1% aos clubes 2

Pelas regras da Fifa, quanto maior o número de jogadores fornecidos pelo clube ao Mundial, e quanto mais tempo tenha passado no local do torneio, maior o pagamento. Sem surpresas, os 10 clubes que mais receberam dinheiro foram os 10 mais ricos do mundo, todos da Europa. Manchester City levou US$ 5 milhões (R$ 19 milhões), seguido pelo Real Madri (US$ 4,8 milhões), além de Tottenham, Barcelona, Paris Saint-Germain, Chelsea, Manchester United, Atlético de Madrid, Juventus e Mônaco.

Copa rendeu 1% aos clubes 3

No Brasil, o clube que mais ganhou com a Copa foi o Corinthians com US$ 645 mil (R$ 2,4 milhões), Flamengo com US$ 435 mil (R$ 1,63 milhão) e Palmeiras com US$ 425 mil. Vasco, Cruzeiro, Grêmio e São Paulo levaram US$ 322 mil. O Sport levou US$ 41 mil. No total os clubes brasileiros somaram US$ 2,7 milhões (R$ 10,3 milhões). Só o Chelsea ou o Manchester levaram mais que todos os times brasileiros juntos.

 

 

  • Atraca hoje pela manhã (7h) no Porto de Maceió um verdadeiro colosso dos mares. Trata-se do cruzeiro Costa Fascinosa, que chega direto da Europa para terras alagoanas.
  • O navio traz cerca de 2.500 passageiros, quase todos europeus, além de 1.100 tripulantes. Na última quarta-feira o primeiro navio desta temporada, o Costa Favolosa também aportou por aqui.
  • Os visitantes passam algumas horas em terras alagoanas, mas com tempo necessário para ir a bares e restaurantes, adquirir algumas peças de artesanato, e se encantar com as nossas belezas naturais.
  • Em um cálculo rápido, este turista, gasta em média no período, cerca de R$ 550, e abre novas perspectivas para o seu retorno, em outra oportunidade e com mais tempo.