Antônio Pereira

8 de maio de 2020

Bolsonaro humilha Toffoli e arrasta STF para sua bolha amalucada

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli foi surpreendido ontem pela manhã quando recebeu uma ligação da sua assessoria dando conta que o presidente Jair Bolsonaro queria uma audiência fora da agenda oficial. Como se tratava de um pedido do presidente, Dias Toffoli atendeu o pedido e confirmou que receberia Bolsonaro. Mal sabia o ministro do Supremo que iria fazer parte de uma patuscada, uma idiotice, mais um pequeno show de horrores patrocinado pelo mandatário do país.

Dias Toffoli teve que engolir a ‘invasão’ de dezenas de empresários, ministros e toda trupe presidencial, inclusive câmeras da tevê estatal, transmitindo tudo ao vivo à revelia da assessoria do presidente do STF, que não escondeu o desconforto.

Não é novidade para ninguém que temos um presidente totalmente insano, que rir das mortes do coronavírus, brinca com o sofrimento de milhões de pessoas e sai às ruas para defender o fim do STF, Congresso e todas as instituições da República, desde que ele continue no poder.

Ao receber o presidente e sua trupe amalucada, Dias Toffoli deu mostras de que também não está à altura do cargo. Foi o primeiro presidente da Suprema Corte brasileira a participar ao vivo de um mico, um micão. Tudo isso, digas-se de passagem, foi criado pelo próprio Toffoli. Lembro que ele já esteve em um café da manhã com

dezenas de deputadas bolsonaristas, quando Bolsonaro anunciou que ‘o Toffoli está do nosso lado. Ele é nosso’, mais ou menos assim foi a fala de Bolsonaro durante esse café da manhã totalmente inusitado. Neste mesmo episódio, para deleite de todos, Bolsonaro empinou uma garrafa de cachaça em cima de tabletes de rapadura.

Definitivamente o Brasil de Bolsonaro não é sério. O presidente do Supremo foi transformado pelo bolsonarismo como alguém do seu lado, que pode ser acionado a qualquer momento, sem ressalvas, para um grande momento de descontração, mesmo que seja no dia em que o país registrou mais um recorde de mortes por Covid-19.