Antônio Pereira

20 de abril de 2020

Ditadura nunca mais

Professores, jornalistas, ativistas, intelectuais e cidadãos comuns perseguidos. Jornais e veículos de comunicação fechados ou submetidos a uma censura cruel. Assim foi, em síntese, o último período de ditadura militar no Brasil, que compreendeu de março de 1964 a 1985.

Com a ditadura militar veio também os grandes casos de corrupção, tendo o ex-prefeito de São Paulo, Paulo Maluf seu maior expoente. Sim, os militares também eram corruptos. Você provavelmente não sabe disso porque a imprensa da época não podia divulgar os casos, como a construção de rodovias que saiam de lugar nenhum para outro lugar nenhum.

Agora, um presidente eleito em meio a uma situação totalmente inusitada, quando uma suposta facada fez de um obscuro deputado o líder nas pesquisas, tendo sido apoiado fortemente pelos veículos de comunicação (Globo inclusive) que não queriam a volta do petê. Milhões de eleitores embarcaram nesta barca furada e agora se dão conta do grande erro que cometeram.

A última incursão de Jair Bolsonaro nas ruas de Brasília para enaltecer a ditadura militar e pedir o fim dos outros dois poderes (Legislativo e Judiciário) fez arrepiar todos aqueles que veem na democracia o único caminho para o futuro do Brasil e do mundo. A existência do Estado Democrático é tudo o que Bolsonaro e seus loucos seguidores não querem.

Bolsonaro e seus asseclas amalucados defendem o fim de todos os direitos trabalhistas, sociais e ambientais. Seus seguidores e apoiadores estão neste momento destruindo vastas áreas da Amazônica, levando o terror às populações indígenas.

Resumindo: Bolsonaro só tem um pensamento na cabeça que é dominar completamente o Brasil, sendo uma espécie de *Saddam Hussein tupiniquim. Dando ordens e usufruindo do poder ao lado dos seus três filhos golpistas como ele.

  • Saddam Hussein Abd al-Majid al-Tikriti foi um político e estadista iraquiano, que serviu como presidente do Iraque de 16 de julho de 1979 a 9 de abril de 2003, e também acumulou o cargo de primeiro-ministro nos períodos de 1979 até 1991 e 1994 até 2003.