A Palavra em palavras

17 de fevereiro de 2019

Já tomou o rosário baricêntrico? Parte 4/4 – Como surgiu

Já tomou o rosário baricêntrico?

Parte 4/4 – Como surgiu.

Conta-se que, em época muito remota, nos mosteiros católicos, costumavam-se rezar os 150 salmos bíblicos, em diferentes horas do dia. Alguns monges, por serem analfabetos substituíam os salmos por 150 ave-marias, dividindo-as em 3 grupos de 50. Contavam as ave-marias em nós feitos nos cordões, como uma coroa de rosas oferecida a Nossa Senhora. (A prática da oração em salmos permanece, na oração da Liturgia das Horas, e a prática do rosário continua, normalmente, pela oração do santo terço).

No séc. XIII, a Igreja passou por momentos difíceis, especialmente na luta contra as heresias. Narra a tradição que São Domingos, da Ordem dos Pregadores, sofreu muito para conciliar o ataque aos heréticos com o Cristianismo. Nessa ocasião, Nossa Senhora lhe apareceu, na igreja de Notre Dame de la Dreche, para consolá-lo dessa tristeza, dando-lhe a oração do rosário, como antídoto que o povo deveria usar contra a heresia.

São Domingos deu testemunho da força da oração, tornando-se um apóstolo zeloso e, sobretudo, um orante contemplativo por meio do rosário.

Em 1569, o papa Pio V definiu o rosário com a estrutura que tivemos até nossos dias, isto é, 15 mistérios, dezenas de ave-marias, pais-nossos etc.. Com o passar do tempo, vários papas recomendaram esta oração. Para Pio XII, “o rosário é o resumo de todo o Evangelho”.

Em 16 de outubro de 2002, o Papa João Paulo II publicou a Encíclica Rosarium Virginis Mariae e instituiu no Rosário a contemplação dos mistérios da luz, os mistérios luminosos.

A origem do rosário baricêntrico no Amme

O grupo dos “Amigos Marianos Missionários da Eucaristia – Amme” surgiu com o intuito de aproximar as pessoas de Deus, buscando uni-las e fortalecer a unidade delas no Corpo de Cristo. Tendo o Corpo de Cristo sido formado no ventre da Virgem Santíssima, os fiéis que amam a Jesus Eucaristia sentem e buscam viver bem esse amor filial à Virgem Maria. De modo que o Amme surgiu com o anseio de buscar a “inclusão eucarística”. Portanto, há um motivo cristocêntrico, ou seja, tem Jesus Cristo como o centro de sua busca, de sua vida, de sua oração.

O fundador do grupo Amme, muito antes de formar esse grupo com os amigos que Deus lhe enviara, há muito tempo teve o anseio de buscar a Nosso Senhor Jesus Cristo por meio da oração. Via no terço uma oração muito boa, mas algo em seu coração pedia para fazer uma maior referência a Cristo. Até que um dia, aprendendo o valor da contemplação dos mistérios no terço, sentiu em seu coração que poderia fazê-lo ao pronunciar o nome de Jesus, nas ave-marias.

Tal oração, portanto, era para o fundador uma oração particular, a qual ele não sabia se poderia partilhar com outras pessoas até que o Papa São João Paulo II, na Encíclica Rosarium Virginis Mariae, falou que algumas pessoas, em alguns lugares, tinham o salutar costume de contemplar os mistérios no baricentro da ave-maria. Ora, o baricentro da ave-maria é o a parte central de sua oração, a qual ocorre ao pronunciar o nome “Jesus”, colocado no fim da primeira parte da ave-maria, imediatamente antes da segunda parte, o “Santa Maria”. Ficando, assim, evidente que o Santo Padre havia aprovado tal devoção.

A partir daí, entendeu-se que tal oração pode ser ensinada a outras pessoas, como uma devoção mariana de caráter fortemente contemplativo dos mistérios salvíficos.

Ao fundar o Amme, os primeiros participantes aprovaram a forma de rezar por meio do rosário ou terço baricêntrico. E, juntamente com a meditação de escritos acerca de Jesus Eucaristia (normalmente os de São Pedro Julião Eymard), essa forma de orar passou a ser a marca do Amme.

Maceió, 17 de fevereiro de 2019,

Alisson Francisco Rodrigues Barreto[1]

PS: para conhecer de perto o terço baricêntrico, visite o grupo de oração Amme, na paróquia de Santa Rita de Cássia, em Maceió. O grupo de reúne nos terceiros sábados de cada mês, na hora da misericórdia (15h) e fica até a Santa Missa (15h), na capela do Santíssimo da supracitada matriz paroquial.

[1] Alisson Francisco é poeta filósofo; bacharel em Direito, pós-graduado. Autor de “A Palavra em palavras”, desde 2011, e do livro “Pensando com poesia”. Fundador dos Amigos Marianos Missionários da Eucaristia – Amme e administrador de páginas, no Instagram e Facebook, como @amme.33 , @apaixonadospormaceio , @apaixonadosporbebeseanimais. Twitter do autor: @alissonbarreto1.