Ailton Villanova

7 de setembro de 2018

A lourinha volátil

Na verdade, padre Orlando Macena nunca foi santo. Entretanto, não se pode negar tenha sido bastante carismático. Pernambucano de Serra Talhada, ele  foi um grande orador sacro. Tinha quase 2 metros de tamanho e jogava volibol. As mulheres caiam de amores por ele. Mesmo protegido pela batina, Orlando não conseguia disfarçar a pinta de galã.

Certa tarde encontrava-se o ilustre sacerdote lendo o seu Breviário na sacristia, quando entrou lá uma lourinha espetacular.

– Padre – disse ela -, eu vim me confessar.

O reverendo fechou o Breviário, levantou-se, dirigiu-se ao  confessionário, cumpriu o ritual que todo cristão-católico conhece, e disse para a lourinha:

– Ajoelhe-se aqui e conte os seus pecados, minha filha.

Ela mandou ver:

– Eu sou noiva há dois anos e vou me casar semana que vem. Mas, na quarta-feira passada encontrei um ex-colega de trabalho, nós ficamos conversando e depois ele me convidou para ir conhecer a casa dele. Bem, pra encurtar a história, nós terminamos na cama. Sabe, padre, eu sou muito volátil!…

– Volúvel, minha filha!

– Pois é, padre. E anteontem encontrei um amigo que não via há muitos meses. Nós conversamos, fomos jantar, tomamos umas cervejas e acabamos indo para um motel. Novamente eu caí na tentação e fiz amor com ele. Como eu disse, sou tão volátil, padre…

– Volúvel, mina filha. Volúvel!

– Então, padre, no dia de ontem eu vi um antigo colega de escola no supermercado. Fui conversar com ele, depois passeamos juntos e no final da noite terminei na cama com ele… Pois é, eu sou muito vol… como é mesmo o nome da palavra, padre?

– Puta, minha filha! Puta!

 

 O que tem luva com cueca?

 

Festa de aniversário da irmã caçula do Vitelbo Neto. “Mil gentes”,  conforme viria a definir o finado Zé Bartolomeu ( o Babá ), presente ao  evento. Perturbando na festa lá se achava o tal de Guilhobel, sujeito metido a galã e burro pra cacete. De repente, aparece o anfitrião Vitelbo, rebocando um baita mulherão e a apresenta ao Zé Bartolomeu, o Babá.

Babá pegou suavemente as mãos da gostosura e comentou, cheio de melosidade, no melhor da sua voz de locutor de rádio:

– Puxa, sua mão é tão macia e tão lisa!

E ela, toda orgulhosa:

– É que uso luvas há pelo menos cinco anos.

O boçal do Guilhobel, que se achava bem próximo, achou de se intrometer, com o pior da sua grossura e ignorância:

– Puxa! Então por que eu, que uso cueca há pelo menos quarenta anos, tenho o saco todo enrugado?!

 

Secretária perturbadora

 

Dois advogados almoçavam no restaurante do Duda, em Mangabeiras. De repente, um falou para o outro:

– Vou acabar despedindo minha secretária. Toda vez que eu peço para ela digitar uma petição, ela fica a todo instante me perguntando como se escreve tal termo jurídico, o que um outro significa… É um saco!

– Pô, meu! Mas que coisa desagradável!

– Pois é! Aí eu sou obrigado a ficar consultando dicionários, os códigos de direito, os livros da época de faculdade…

 

Só viu o “pós crime´´

 

Maior rebu no condomínio onde reside o Aristarco Pacheco, que é um cara muito na dele. Dois dos seus vizinhos – o Biuzão e o Olegário -, se envolveram numa luta corporal, porque o cão de um deles fez um baita cocozão na calçada do outro.

Primeiro, começou o bate-boca, que evoluiu para o corpo a corpo, depois que um chamou o outro de “fiadaputa”. Sangue na parada. Chegou a polícia e levou um monte de gente para a Deplan. O Aristarco foi também, mas na qualidade de testemunha.

O delegado chegou pra ele e interrogou:

– Senhor Aristarco, consta aqui do relatório da PM que  o sr. viu o tal de Biuzão morder o nariz do vizinho Olegário…

– Olha, doutor, ver o cara mordendo eu não vi. Mas eu o vi cuspindo fora…

 

Crime de ocasião

 

Na finada e saudosa Delegacia de Roubos, Furtos, Investigações e Capturas (DRFIC) o delegado Carlomano de Gusmão Miranda interrogava o meliante chamado Cupim de Aço, com a delicadeza que sempre lhe foi peculiar:

– Então, seu fiadaputa, você admite que arrombou a loja e roubou dez aparelhos de TV, vinte e oito câmeras fotográficas, cinquenta long-plays do Valdick Soriano?

–  Positivo, doutor. Mas eu mereço clemência. O prejuizo não foi tão grande assim.

– Como não foi, porra? Você roubou o estoque inteiro!

– Mas estava em liquidação!

 

    Com Diego Villanova