Roberto Baia

31 de agosto de 2018

“Saia justa”

Que Rogério Teófilo está “queimado” politicamente em razão de sua gestão pífia, todo cidadão arapiraquense sabe disso. Porém, o termômetro só terá a devida proporção com o resultado das eleições. Como a máquina administrativa está a todo vapor e girando em torno da candidatura do senador Biu de Lira, o temor da equipe é em decorrência de um possível fracasso nas urnas, o que certamente deixa Teófilo de saia ainda mais justa.

 

Imagem desgastada

Portanto, a palavra de ordem nos corredores do Centro Administrativo é tudo ou nada! Se Biu de Lira dançar, o prefeito Rogério Teófilo perderá um importante aliado, isso sem falar na sua imagem que já está um tanto desgastada, ora por falta de pulso para tomar decisões, ora por falta de competência para tocar a gestão.

 

Dança do ventre

Uma sugestão: já que o senador Biu de Lira curte aparecer nas redes sociais balançando as cadeiras, que tal engatar em suas andanças a milenar dança do ventre?

Fica legal, sem dúvida alguma.

 

Corrupção

No Diário Oficial do Estado desta quinta (30), quatro procedimentos preparatórios para inquérito civil foram publicados pelo Ministério Público estadual contra a Prefeitura de Piranhas. Os procedimentos foram feitos entre os dias 13 e 14 de agosto, pelo promotor de Justiça de Piranhas, Alex Almeida Silva.

 

Pediu apuração

No primeiro caso, a promotoria pede a apuração de supostas irregularidades no matadouro municipal, identificadas na FPI do São Francisco de 2016. O Município de Piranhas deve prestar informações acerca do fato noticiado no Relatório de Fiscalização Ambiental, onde diz que o Matadouro não possuía registro do órgão sanitário, nem licença ambiental.

 

Denúncia

Outra solicitação diz respeito a uma denúncia recebida na Ouvidoria do MP, informando que a Prefeitura estaria descumprindo determinação legal quanto à disponibilização dos editais de licitação na modalidade pregão.

 

Terceiro caso

O terceiro caso investigado trata de suposta proibição feita a pescadores às margens do Rio São Francisco. De acordo com a denúncia, os trabalhadores autônomos estariam proibidos de atracarem com seus clientes à margem do Rio, em virtude da existência de um monopólio por parte de restaurantes da área. A promotoria investiga se há cadastro para circulação na área de apoio dos restaurantes, se há cobrança e a sua base normativa, e qual a base normativa para a concessão de licença para o exercício de atividade turística.

 

Cultura

Com o objetivo de formar uma rede de discussão acerca do contexto histórico e sociocultural de Palmeira dos Índios, a partir do debate com diversos grupos, instituições culturais e a sociedade em geral do município, o Governo Municipal, em parceria com a Universidade Federal de Alagoas, realizou no último dia 28 o Seminário “Palmeira dos Índios: história, cultura e cotidiano”.

 

O evento

O evento aconteceu no auditório da OAB, no Centro da cidade, e contou com a participação das secretarias municipais de Planejamento, de Cultura e de Desenvolvimento Econômico e Turismo.

 

Palestras

Na oportunidade, os palestrantes trataram sobre a necessidade de fomentar a discussão sobre da história e cultura de Palmeira dos Índios, com a intenção de envolver a comunidade como participante ativa do processo de reflexão de identidade.

 

“Rastros históricos”

Convidado para abrir a série de palestras, Cosme Rogério Ferreira, mestre em Sociologia e professor do Instituto Federal de Alagoas, abordou o tema “Rastros históricos da formação de Palmeira dos Índios”. Ele levou informações sobre os primeiros registros da fundação da cidade.  Para ele, o Seminário foi um importante exercício de reflexão sobre Palmeira dos Índios.

 

Mestre em arquitetura

De acordo com palmeirense João Paulo Omena, mestre em Arquitetura e professor da Faculdade Alagoana de Tecnologia, abordar um seminário com este tema trouxe mais legitimidade ao momento em que se celebram os 129 anos da cidade. Ele dividiu o painel sobre “Marcos referenciais de Palmeira dos Índios: do monumental ao cotidiano”, com Odair Moraes, também palmeirense, e que hoje é professor doutor da Universidade Federal de Alagoas.

 

… A Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Centro de Referência Integrado de Arapiraca (CRIA), está comemorando os ótimos resultados no tratamento de pacientes atendidos pelo Ambulatório de Feridas e Pé Diabético.

 

… O programa é referência na recuperação de enfermos com feridas crônicas no município.

 

… São tratados diariamente cerca de 17 pacientes que, graças ao tratamento especializado de feridas, evitaram complicações mais graves. Só no primeiro semestre de 2018 foram realizados cerca de 1400 procedimentos médicos. Além disso, o ambulatório tem 46 pacientes fixos que necessitam de uma atenção especial.