Blog do Dresch

8 de agosto de 2018

Viúva de vereadora é ameaçada há 4 meses

Após pedir proteção à Corte Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA), a arquiteta Mônica Benício, viúva da vereadora e ativista Marielle Franco (Psol-RJ), confirmou em depoimento à polícia do Rio de Janeiro, que vem sendo ameaçada de morte constantemente, pessoal e via internet, há cerca de 4 meses. Ela disse que já foi acompanhada por um carro suspeito e foi ameaçada na rua por um homem, que disse “para ter cuidado para não morrer”.

 

O crime sempre organizado 2

Para a arquiteta a iniciativa da OEA em atender seu pedido e a polícia tomar o seu depoimento, são demonstrações que o caso Marielle faz parte das prioridades do Estado. A vereadora foi assassinada em 14 de março deste ano com vários tiros, que também tiraram a vida do motorista Anderson Pedro Gomes. O crime ainda é objeto de investigação e aguarda desfecho.

O crime sempre organizado 3

No próximo sábado (11/08) a morte de Marielle Franco completará 150 dias, e após cinco meses, não há informação sobre os suspeitos. Para a viúva “foi um crime sofisticado e infelizmente bem executado, em que houve poucos erros- daí a dificuldade de chegar a uma solução” disse Mônica Benício.

 

Começou o Febeapá

Pelo andar da carruagem, parece termos iniciado mais uma edição do histórico Febeapá (Festival de Besteiras que Assola o País) do saudoso Stanislaw Ponte Preta. O candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro, o general da reserva, Antônio Hamilton Martins Mourão, em uma reunião-almoço esta semana em Caxias do Sul (RS), causou um mal-estar ao falar sobre a herança cultural brasileira, dizendo que os índios são indolentes e os negros, malandros. Na mesa das autoridades do evento estava o vereador Edson da Rosa (MDB), que é negro e representava a Câmara Municipal de Caxias. Ex-comandante militar do Sul, o general reiterou que junto com Bolsonaro pretende transformar o país com a ética, com uma gestão eficiente, de austeridade e zero de corrupção. Falou ainda de um novo pacto federativo, revisão na gestão do funcionalismo e uma reforma política com a possibilidade de se debater o parlamentarismo.

MS aprova projetos

Dois projetos de tecnologia assistida foram aprovados pelo Ministério da Saúde e receberão R$ 15 milhões para testes e pesquisa. Os projetos foram apresentados pelo Instituto Dr. Hemerson Casado, que trata de pacientes com ELA, e foram aprovados pelo secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério, o alagoano Marco Fireman. Os recursos serão destinados a testes e aplicação acompanhada da tecnologia em mil pacientes. Os projetos visam desenvolver a autonomia para pacientes da ELA (“Autonomus”) e para auxiliar a equipe médica que trata dos pacientes com a doença (“Um anjo para ELA”).

Fechamento de agências

A direção dos Correios decidiu fechar 41 agências próprias de sua rede até dezembro deste ano. A informação é do presidente da empresa, Carlos Roberto Fortner, que iria comunicar a decisão aos empregados e as lideranças sindicais. A explicação para o fechamento é a redução de gastos, principalmente onde existe “sobreposição”, ou seja, unidades localizadas próximas umas das outras, disputando clientes e usuários entre si. Só no bairro de Copacabana, no Rio de Janeiro existem sete agências próprias.

Fechamento de agências 2

Em abril passado, a direção teve de se explicar diante da notícia de que poderiam ser fechadas 513 agências em todo o país, alarmando os funcionários. Apesar do discurso de redução de custos da direção, os sindicatos veem uma tentativa de favorecer os donos das franquias postais. Lideranças afirmam que as agências franqueadas vão aumentar suas receitas com o fechamento das unidades localizadas em pontos próximos.

 

 

  • O Programa do Leite vai ser mantido até o final deste ano. A garantia foi dada pelo Governo do Estado a representantes de cooperativas, associações de moradores, em uma reunião ocorrida esta semana.
  • O Governo pretende destinar R$ 20 milhões para que o leite continue sendo distribuído para cerca de 80 mil famílias alagoanas.
  • O Pró-leite desde a sua implantação sempre recebeu verbas federais, com uma contrapartida do Governo. Como a União anunciou o corte dos recursos, a situação ficou sob o risco do programa ser extinto.
  • Das 80 mil famílias em situação de vulnerabilidade e que são beneficiadas com o leite, 40% são de Maceió. São 50 mil litros de leite distribuídos em todo o Estado, sendo 4 litros por semana para cada família.
  • O Programa atende ainda a pessoas desempregadas, idosos, crianças e pessoas com doenças crônicas.