Blog do Dresch

1 de agosto de 2018

Cristo travesti gera confusão no FIG

Confusão das grandes no Festival de Inverno de Garanhuns (FIG). Ontem, o advogado Jethro Ferreira, da OAB de Alagoas apresentou à Polícia Civil de Pernambuco, uma queixa crime contra o cantor pernambucano Johnny Hooker, que na sua apresentação no Festival no último sábado provocou a plateia, insinuando qual seria a recepção a Cristo caso ele retornasse à Terra como travesti. O advogado alagoano disse que 86% da população brasileira se declara cristã, e têm na pessoa de Jesus Cristo como uma pessoa do sexo masculino, heterossexual. Para ele, Hooker ofendeu a fé cristã.

 

Cristo travesti é caso de polícia 2

Jethro Ferreira assinalou na notícia-crime, que o cantor teria praticado infrações penais. Ele alegou uma Lei Federal (nº 7.716) que alega que quem “pratica, induz ou incita a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia religião ou procedência nacional” está sujeito a pena de três anos prisão e multa. O advogado quer a instauração de inquérito, oitiva de testemunhas, realização de perícia e interrogatório do cantor.

Cristo travesti é caso de polícia 3

A confusão é resultado do impedimento da apresentação de um monólogo no Festival de Garanhuns, por uma ação da Ordem dos Pastores Evangélicos daquela cidade. “O Evangelho segundo Jesus Cristo, a Rainha do Céu” é um monólogo conduzido pela artista transexual Renata de Carvalho, que foi apresentado na quinta-feira (27), sob boicote, sem som e sem iluminação. Na sua apresentação, Hooker provocou a plateia: “E se Jesus voltasse agora como travesti, não era para amar o próximo como a si mesmo? ”. Junto com os fãs, acabou puxando o coro: “Hi, hi, hi, Jesus é travesti”.

 

Coletar o DNA da população

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes defendeu nesta segunda (30), a coleta do DNA e não apenas as digitais dos cidadãos, para identifica-los para investigações de crimes. “Qual o problema de realizar um cadastramento de DNA, que é um exame nada invasivo? Se você pode e deve constitucionalmente dar sua identificação digital, mais moderno que isso é o DNA” afirmou o ministro. Para ele, a coleta do DNA é uma medida importante para se combater a criminalidade mais grave, organizada. Moraes defende que o país deve se dedicar à solução dos crimes graves. “O Brasil prende muito, mas prende mal, por isso que estamos com 700 mil presos. Desde o ladrão de galinha até o crime organizado, tudo é pena privativa de liberdade, mesmo os crimes sem violência ou grave ameaça. Com isso o combate à criminalidade é difuso, é numérico, é quantitativo e não qualitativo” justificou o ministro do STF.

Ator declina convite

O ator Marcos Palmeira disse que “até parou e refletiu se era a hora”, mas concluiu que não é o momento para ser vice da presidenciável Marina Silva (Rede). “ Me deixou super honrado ver que eles conseguem me enxergar nessa posição, mas não é o momento. Estou apoiando Marina, mas não tenho pretensão de ocupar cargo” afirmou o ator á Folhapress. Sem contrato com a Globo no momento, o ator é ligado à causa ambiental e também é produtor de alimentos orgânicos.

Reaberto caso Herzog

Após a condenação do Estado brasileiro na Corte Interamericana dos Direitos Humanos, da Organização dos Estados Americanos (OEA), o Ministério Público Federal de São Paulo reabriu as investigações sobre o assassinato do jornalista Vladimir Herzog, ocorrido em 1975, durante a ditadura militar. O órgão internacional condenou o Brasil por falta de investigação, julgamento e sanção para os responsáveis pela tortura e morte do jornalista.

Reaberto caso Herzog 2

Para o organismo internacional, o caso Herzog cumpriu os requisitos de crime contra a humanidade, aspecto que extingue a possibilidade de prescrição e de anistia para torturadores e criminosos. “A conclusão é que os crimes cometidos por agentes da ditadura militar não eram crimes comuns, eram crimes de lesa-humanidade” afirmou o procurador da República Sergio Suiama, que atuou como perito da Corte na avaliação do caso Herzog.

 

Reaberto caso Herzog 3

O então diretor de jornalismo da TV Cultura de São Paulo, Vladimir Herzog, 38 anos, apresentou-se espontaneamente à sede do Destacamento de Operações de Informação- Centro de Operações de Defesa Interna (Doi/Codi) para prestar depoimento sobre a prisão de outros jornalistas do seu departamento. Acabou preso, torturado e morto no mesmo dia. No dia seguinte, os agentes da repressão apresentaram laudos falsos e fotos que simularam que o jornalista havia se suicidado na sala em que foi recolhido. O caso foi um dos principais fatos que deram início ao fim da ditadura militar no Brasil.

 

 

  • Representantes dos bancos Itaú, Caixa e Bradesco, se comprometeram junto ao Procon de Alagoas a dar melhor atendimento aos clientes do sistema de autoatendimento.
  • No primeiro semestre deste ano cerca de 665 queixas contra as agências bancárias de Maceió foram encaminhadas ao órgão.
  • A maior parte delas diz respeito à falta de pessoal dos bancos na primeira ala das agências, onde estão os caixa-eletrônicos para autoatendimento.
  • Caso as orientações não sejam consideradas pelos bancos, os mesmos serão notificados pelo Procon, serem multados pelas infrações e até sofrerem medidas punitivas mais drásticas.
  • Nesta quarta –feira o mesmo tipo de discussão será feita entre o Procon e os representantes do Banco do Brasil e dos Bancos 24 horas.