Blog do Dresch

13 de julho de 2018

Ministério garante verba para o Canal do Sertão

A boa notícia foi dada pelo ministro da Integração Nacional, Antônio Pádua de Deus Andrade; os recursos para a conclusão do trecho IV do Canal do Sertão estão garantidos, assim como as obras dos demais trechos. Os recursos, cerca de R$ 226 milhões, foram solicitados ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão e fazem parte da carteira de empreendimentos prioritários da União no período de 2019-2020.

Recursos para o Canal 2

Para a conclusão das obras do trecho IV, o Governo receberá R$ 61 milhões para serem aplicados ainda este ano. O trecho IV tem 30 quilômetros e garantirá água de boa qualidade aos 32 mil habitantes de São José da Tapera. O liquido é captado em Delmiro Gouveia há 70 quilômetros de distância.

Recursos para o Canal 3

As três primeiras etapas do Canal do Sertão já beneficiam cerca de 160 mil pessoas, atendendo as cidades de Delmiro Gouveia, Pariconha, Água Branca, Olho D’Água do Casado, Inhapi e Senador Rui Palmeira. O destino final do Canal do Sertão será a cidade de Arapiraca, no agreste alagoano.

Congresso aprova a LDO

Antecipando em alguns dias o recesso parlamentar (de 18 de julho a 1º  de agosto) o Congresso Nacional aprovou na madrugada desta quinta-feira a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), sem o dispositivo do texto que proibia a concessão de reajustes ao funcionalismo e a criação de cargos no serviço público federal em 2019. A mudança no texto não continha previsão de aumentos, mas abre a possibilidade que eles possam ser concedidos nos próximos anos. Outro ponto criticado foi a rejeição do trecho que previa o corte de 5% no custeio administrativo para 2019, composto por despesas do governo no dia a dia, como água, luz, telefone, aluguéis e diárias. O percentual de 5% era uma redução definida após as negociações antes da aprovação do parecer da Comissão Mista do Orçamento (CMO). Inicialmente o texto previa o corte de 10% nessas despesas. Para a Comissão, o dispositivo era “pedagógico” e deveria iniciar um processo de conscientização do setor público.

O rombo da Geap

Para evitar maiores problemas com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e impedir que entrasse em sistema de liquidação a Geap, maior plano de saúde dos servidores públicos federais e estaduais, provisionou mais de R$ 170 milhões para cobrir o rombo de caixa. O “buraco” chegou a R$ 300 milhões, porém foram renegociados contratos com mais de 17 mil prestadores de serviços de todo o país.

O rombo do Geap 2

O balanço do primeiro semestre ainda não foi fechado, e está sendo aguardado com muita expectativa, porque deve trazer a real situação do plano. A Geap divulgou nota afirmando que os indicadores internos e também os da ANS, mostram que as metas estão sendo devidamente cumpridas. A nota diz ainda que “a Geap é protagonista no mercado de saúde suplementar brasileiro”.

A guerra dos canudinhos

O mais novo vilão da humanidade é o canudinho de plástico, grande poluidor dos oceanos e que cada vez mais é responsabilizado pela morte de várias espécies. A rede Starbucks anunciou esta semana que até 2020 deixará de usar o acessório em todas as suas 28 mil lojas espalhadas pelo mundo. A estimativa é de que mais de um bilhão de canudos sejam jogados no lixo todos os dias. No Brasil, a cidade do Rio de Janeiro dispõe de uma lei em que bares, restaurantes e quiosques só poderão oferecer canudinhos de papel reciclável. Mas a lei ainda não vigora.

A guerra dos canudinhos 2

A gigante norueguesa dos mares, a Royal Caribbean anunciou que vai acabar com os canudinhos até 2019, em todos os seus 50 transatlânticos. Desde o ano passado que a companhia somente serve os canudos se o passageiro solicita. Ela também já trabalha para reduzir o uso de outros plásticos, como embalagens de tempero, xícaras e sacolas. Os mexedores de café serão de madeira e para drinks, serão usados os produzidos de bambu.

 

 

  • A dona de casa Marineide Leite Cavalcante de Almeida foi condenada a 21 anos e 4 meses de cadeia, por ter tramado a morte do seu marido José Roberto Cavalcante de Almeida, de 44 anos, fato ocorrido em 2012.
  • O autor do crime foi Josivênio Manuel dos Santos, que teria recebido R$ 3 mil para cometer o assassinato, valor pago pela ré. Ele foi condenado a 21 anos.
  • O crime alcançou bastante repercussão, uma vez que a vítima era um empresário muito bem relacionado no bairro da Serraria. Havia se separado da mandante e já estava em outro relacionamento.
  • Um outro acusado de intermediar o homicídio, Jedson da Silva Ferreira, teve a participação reconhecida pelos jurados, mas por maioria, foi absolvido.
  • O julgamento foi realizado pela 9ª Vara Criminal da Capital e teve na acusação os promotores José Antônio Malta Marques e Leonardo Novaes Bastos.
  • Marineide e Josivênio foram condenados por homicídio duplamente qualificado, por motivos de emboscada e promessa de recompensa paga.