Blog do Dresch

6 de março de 2018

Apresentadora põe a venda tríplex de R$ 70 milhões

 

Um luxuoso tríplex, localizado nos Jardins, área nobre de São Paulo, foi colocado à venda por uma imobiliária internacional por R$ 70 milhões (ou US$ 22 milhões). E ele não pertence a Lula, mas sim a apresentadora Luciana Gimenez, da Rede TV. O tríplex conta com oito suítes, closet, uma enorme cozinha, salas de jantar e almoço, adega, escritório, sala de jogos, ambiente para atividades da família, estúdio de música, sala para cinema com 16 lugares, elevador privativo, e um hall de entrada em mármore preto e branco. O apartamento conta ainda com um terraço com churrasqueira e uma vista maravilhosa da cidade. Além disso o imóvel tem uma entrada exclusiva para o Shopping Cidade Jardim.

“STF atua apenas como revisor”

A dar a aula magna da Fundação De Estudos Sociais do Paraná, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), criticou a atuação da Corte como quarta instância. Na teoria, o Poder Judiciário tem três instâncias, sendo o Superior Tribunal de Justiça (STJ) a última delas nas justiças comum e federal. O STF tem como função atuar nos casos que envolvam ameaça à Constituição. Na prática, Fachin afirmou que o Supremo tem sido utilizado como revisor das instâncias anteriores. E, para ele, juízes e tribunais federais precisam que as cortes superiores exerçam uma tutoria, assumindo papel revisional. Criticou ainda o fórum privilegiado, onde certas autoridades públicas são julgadas somente por órgãos superiores, como o STF. Para o ministro, o mecanismo é um sintoma de uma centralização excessiva e incompatível com a Constituição. “Se já é insustentável que o Supremo se converta em corte criminal, mais insustentável ainda é a existência do foro” disse Fachin.

Governadores discutem segurança

Governadores nordestinos estarão reunidos hoje, a partir das 8h, em Teresina, no Piauí. O encontro deste ano pretende discutir a implantação de uma operação nacional de segurança pública, reunindo as forças policiais, equipamentos e a infraestrutura utilizada pelos estados no combate á criminalidade. Outro assunto da pauta é a criação de um Fundo Nacional, para que, juntamente com recursos do Tesouro Estadual e da União, possa ser utilizado em ações de combate à violência. Antes dos governadores, os secretários estaduais de segurança, vão avaliar a proposta apresentada semana passada pelo presidente Temer, que abre uma linha de financiamento de R$ 42 bilhões, através do BNDES, para reequipamento das polícias estaduais.

Governadores discutem segurança 2

Na reunião dos governadores com o presidente Temer, na semana passada, o governador de Alagoas, Renan Filho não esteve presente, mas deixou claro que a reunião do Piauí servirá para analisar criteriosamente o que está sendo proposto, uma vez que, a princípio, a proposta é insuficiente. “Ela ficou aquém do que esperávamos e abaixo da necessidade. O momento é delicado e a segurança precisa ser olhada como prioridade, como fazemos em Alagoas. Infelizmente o governo federal tem feito muito pouco e a proposta não nos satisfaz” deixou claro Renan Filho.

Maconha: negócio relevante

O que antes era apenas um mercado restrito, e o pior, fora da lei, a maconha está se tornando um negócio relevante. Agora o Canadá está prestes a ser o maior país a legaliza-la. O projeto de lei que permite o uso recreativo da cannabis deve ser aprovado até julho. Empresas produtoras, que hoje atuam no ramo medicinal, começam a se preparar para a abertura de um mercado que deverá movimentar mais de US$ 8 bilhões por ano. Um estudo da consultora Deloitte estima que o mercado ilegal da maconha no Canadá movimente US$ 4 bilhões por ano. Com a legalização, proposta pelo governo do primeiro-ministro Justin Trudeau, as vendas anuais devem chegar a US$ 8,7 bilhões.

Maconha: negócio relevante 2

Ainda de acordo com o estudo, hoje 22% dos canadenses são usuários de maconha para fins recreativos. A estimativa é que este número cresça para 39% quando liberada, já que 17% se dizem dispostos a experimentá-la. Nos Estados Unidos 9 estados já legalizaram o uso recreativo da maconha, mas o grande boom dos negócios deve acontecer este ano, quando o estado da Califórnia começa a autorizar a produção e venda da droga, cuja legalização foi aprovada em plebiscito em 2016. No Canadá as empresas precisarão de uma licença do governo federal para produzir e cada província deverá regulamentar a distribuição local.

Maconha: negócio relevante 3

Outra discussão entre os canadenses diz respeito à taxação da maconha. A tendência é que os impostos sejam divididos entre o governo federal que ficaria com um terço e as províncias, com dois terços. A estimativa é que a liberação proporcione mais de US$ 400 milhões em impostos. Para a maconha de uso medicinal, liberada no Canadá em 2014, o setor chega a movimentar US$ 2 bilhões ao ano. O País tem hoje 90 empresas produtoras de maconha. Oito delas tem valor de mercado acima de US$ 1 bilhão. É o caso da Canopy Growth, de US$ 5,7 bilhões e a Aurora Cannabis, de US$ 5,5 bilhões.

 

  • A Maternidade Escola Santa Mônica ganhou ontem 26 novos leitos entregues para atendimento à população. O governador Renan Filho inaugurou os leitos, mas que já vinham sendo utilizados de acordo com as necessidades.
  • O governo adquiriu novos equipamentos e contratou profissionais para viabilizar o funcionamento dos novos leitos. Os recursos investidos foram 100% do Estado, assim como custeio nos primeiros meses, até que sejam cadastrados no SUS.
  • Renan Filho salientou também o trabalho de expansão da Santa Mônica. “Ela é hoje três vezes maior que anteriormente. Isso significa menos gente na fila e mais atendimento” disse.
  • Ele também adiantou alguns dados sobre o projeto Ponte que deve ser lançado amanhã (7). “Estamos evoluindo o projeto, que significa fazer funcionar melhor o que existe, construir uma ponte entre o que já existe e os novos equipamentos e a construção dos novos hospitais. Vamos fechar um ciclo” assegurou o governador.