Blog do Dresch

21 de fevereiro de 2017

Explicações do fenômeno Lula, segundo portal

Com mais de 30% nas intenções de voto em todos os cenários de 1° e de 2° turno caso as eleições de 2018 fossem hoje, Lula (PT) inicia o ano anterior à disputa presidencial com folga em relação aos prováveis concorrentes, segundo pesquisa CNT/MDA divulgada na semana passada. Nesta análise, estudiosos e políticos que conversaram com O POVO tentam explicar a força do ex-presidente que resiste a denúncias de envolvimento em corrupção e ao enfraquecimento do PT. “Recall”, carisma e legado são as principais explicações dadas por Rodrigo Prando, professor de política e sociologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie de São Paulo. “Ele é provavelmente o político mais conhecido do Brasil na era republicana”, sintetiza.

 Fenômeno Lula, segundo portal 2

O professor também destaca o “discurso que é entendido por todo tipo de plateia” e as melhorias trazidas por Lula, principalmente à população mais pobre. “Os anos do governo Lula foram anos em que a vida da sociedade brasileira melhorou, e os seus problemas só estouraram no governo de Dilma Rousseff (PT)”, analisa. A explicação é parecida com a do deputado aliado José Guimarães (PT), que destaca também a trajetória do ex-presidente. “É a história de um homem que nasceu no povo e que continua com o coração vinculado às pessoas mais pobres”, afirma.

 

Fenômeno Lula, segundo portal 3

O parlamentar também fala sobre uma alegada “perseguição” que Lula estaria sofrendo da mídia nacional e da Operação Lava Jato. Segundo ele, a investigação tem causado efeito contrário. “Tem influenciado positivamente, porque a população percebeu que é uma caçada descabida”. O argumento não é corroborado por Prando, que aponta a Lava Jato como um dos fatores que pode impedir Lula a se candidatar no próximo ano. “É bem provável que ele nem seja candidato, pela possibilidade de condenação. E todas as acusações, denúncias e gravações seriam usadas pelos adversários durante a campanha”, afirma. Tese com a qual concorda o deputado federal Raimundo Gomes de Matos (PSDB), que acredita que as investigações “causam muita instabilidade”. Para ele, a liderança de Lula na pesquisa pode ser explicada pelos “vários seguidores e correligionários fiéis do PT”, que permitem que “ele sempre se posicione na frente”.

 

Saneamento

O Instituto Trata Brasil divulgou neste fim de semana dados preocupantes sobre a quantas anda o tratamento de esgoto e o saneamento das 100 maiores cidades brasileiras. Entre as capitais, Maceió aparece entre as últimas do ranking, ao lado de cidades como Teresina, no Piauí. Em contrapartida, o Governo do Estado de Alagoas anunciou recentemente diversas obras de esgotamento sanitário que estão sendo tocadas na capital e no interior, fazendo parte do Programa Estadual de Esgotamento Sanitário, lançado em 2015, com o objetivo de dobrar a rede coletora existente hoje. Em Maceió, duas Parceiras Público Privadas (PPPs) estão sendo executadas simultaneamente: na região do Farol (Sanema) e Tabuleiro (Sanama). A parte baixa da capital também está sendo contemplada com obras da Bacia da Pajuçara e Linha Expressa. Já no Tabuleiro do Martins, com investimento de R$ 200 milhões, a obra irá beneficiar 160 mil pessoas quando estiver concluída. Serão contemplados os bairros do Clima Bom, Santa Lúcia, Tabuleiro do Martins, Benedito Bentes, Santos Dumont, Antares e Cidade Universitária.

 

Novos nomes

 Quem também se destacou foi o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-SP), que aparece em segundo lugar na pesquisa espontânea, com 6,5%. Seu nome é apontado por Prando como possibilidade de “antagonista à altura” de Lula, assim como o prefeito de São Paulo João Dória (PSDB). Ele vem sendo apontado como um nome forte para a disputa, sobretudo após os tucanos Aécio Neves (MG) e Geraldo Alckmin (SP) terem ficado abaixo do próprio Bolsonaro na pesquisa.

 

Belo exemplo

 

Depois do sucesso que fizeram em 2016, os CãoDulas estão de volta ao Brasil Open de Tênis, que acontece entre os dias 27 de fevereiro e 5 de março no Esporte Clube Pinheiros, em São Paulo. Um time de seis cachorros vai entrar em quadra no sábado, dia 4 de março, durante a Semifinal do torneio. Eles vão fazer o que mais gostam: pegar bolinhas – e provar que podem ser grandes companheiros do homem! Depois participam cerimônia de premiação que acontece no domingo, dia 5 de março, para receber os aplausos. Cindy, Nanda, Pretinha, Mia, Arlete e Ovelha, cães das ONGs Projeto Segunda Chance (São Paulo) e Cão Sem Dono (Itapecirica da Serra), foram selecionados para participarem do projeto. O que esses cães têm em comum? Além de uma história de abandono e estarem em busca de adotantes, amam correr atrás de bolinhas e têm energia e saúde de sobra para isso. “Ao levar os CãoDulas às quadras, queremos mais uma vez mostrar ao público que os cães que aguardam por um lar só necessitam de afeto, cuidado e nutrição de alta qualidade. Não importa sua origem ou idade, quando são amados e alimentados corretamente podem ser maravilhosos companheiros, brincar, aprender coisas novas e realizar grandes feitos”, afirma Madalena Spinazzola, diretora de marketing corporativo e planejamento estratégico da PremieR pet.

 

*** A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) lança nesta terça-feira a Plataforma Brasileira sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES, na sigla em inglês). O sistema permitirá a elaboração do Diagnóstico Brasileiro sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos, o primeiro do gênero voltado para subsidiar o processo de decisões ambientais no Brasil.

 

*** A ferramenta terá como foco principal a importância dos serviços ecossistêmicos para a qualidade de vida das pessoas. A biodiversidade da Mata Atlântica, por exemplo, protege os recursos hídricos essenciais para cerca de 130 milhões de brasileiros, além de manter uma alta diversidade de polinizadores, indispensáveis para a produtividade agrícola nacional.

 

*** O documento vai integrar o diagnóstico global sobre desenvolvimento sustentável para apoiar decisões políticas em conservação, restauração e uso de recursos naturais.

 

*** O Diagnóstico Brasileiro vai utilizar os mesmos conceitos, metodologias e indicadores dos quatro diagnósticos regionais que estão sendo desenvolvidos pela Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES, na sigla em inglês), entidade internacional criada em 2012 para oferecer informações científicas visando a tomada de decisões políticas.