Roberto Baia

18 de fevereiro de 2017

Disputa por curso

Cerca de 400 estudantes dos cursos de Direito da Universidade Regional da Bahia (Unirb) e Centro de Ensino Superior Arcanjo Mikael de Arapiraca (Cesama) estão ‘perdidos’ devido a uma confusão entre os proprietários das duas instituições de ensino.

Na última semana o empresário Cicero Torres Sobrinho, proprietário do Cesama, publicou uma nota informando aos estudantes da Unirb Arapiraca que as aulas do semestre letivo 2017.1 nas dependências da Cesama.

Em desacordo

Já o diretor geral da rede Unirb, Carlos Joel Pereira, desmentiu a nota enviada por Cícero Torres. “Isso aconteceu sem conversa prévia. Não há explicação para isso. O que me incomoda é lidar com pessoas dessa espécie. Pensei estar lidando com um homem. Além disso, trata-se também de uma afronta aos estudantes do curso. Por causa dele, estamos num esforço muito grande para que os alunos estudem. Iremos até as últimas consequências para resolver essa situação. Não queremos que nossos alunos voltem a sofrer como sofriam antes”, frisou.

Resposta do MEC

Após a confusão, o jornalista Carlos Alberto Júnior entrou em contato com o Ministério da Educação (MEC) para esclarecer os fatos e dar um direcionamento aos estudantes. O MEC informou, por meio de entrevista, que o Cesama está ativo, no entanto, sob processo de supervisão. Portanto, a instituição de ensino Cesama está autorizada a admitir novos estudantes, pois teve os efeitos das medidas cautelares revogados.

Sem autorização

Em relação à Unirb, de acordo com o e-Mec, ela não possui autorização para atuar na região. “Vale ressaltar que cada ato autorizativo de funcionamento de curso está relacionado a determinado endereço. Qualquer solicitação de mudança desse dado deve ser protocolada pela instituição junto ao ministério”, destacou o órgão.

 

 

Vai fechar

Implantado em Arapiraca há 45 anos pela 7ª Região Militar em Recife, quando o município de Arapiraca vivenciava a fase áurea da cultura fumageira, o Tiro de Guerra 07-015, está ameaçado de não continuar mantendo o civismo e preparando jovens para a defesa da Pátria na cidade mais importante do interior do Estado.

 

Não cumpriu

Em novembro do ano passado, a então prefeita Célia Rocha (PSL) renovou um Acordo de Cooperação com as Forças Armadas para manter o Tiro de Guerra do Exército funcionando no município de Arapiraca. O acordo firmado foi para o período de 31 de julho de 2014, até 31 de julho de 2019. Em 2015 a ex-prefeita fez uma visita ao Tiro de Guerra, prometeu ajuda e infelizmente não cumpriu.

 

Sem previsão

 De acordo com o subtenente, Adriano Soares Martins, instrutor da instituição militar, devido à falta de repasse da Prefeitura, ele está arcando, com dinheiro do próprio bolso, com os gastos da instituição. O subtenente se diz desacreditado e não vê previsão para recebimentos dos valores atrasados e muito menos de futuros pagamentos.

 

Serra da barriga

A Serra da Barriga, localizada no município de União dos Palmares, Zona da Mata alagoana, pode se tornar Patrimônio Cultural do Mercosul. Um dossiê, que está sendo produzido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em parceria com a Secretaria de Estado da Cultura (Secult), Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Fundação Cultural Palmares, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), instituições públicas e sociedade civil, será entregue em março para avaliação da Comissão de Patrimônio Cultural do bloco econômico.

 

 

Valorização

 

De acordo com o Iphan, a candidatura se insere na proposta La Geografía del Cimarronaje: Cumbes, Quilombos y Palenques del MERCOSUR, juntamente com Colômbia, Equador e Venezuela, que também apresentaram sítios de interesse para a valoração da contribuição africana no continente sul-americano.

 

 

Patrimônio

 

Para Candice Ballester, arquiteta e urbanista do Departamento de Articulação e Fomento da Assessoria Internacional do Iphan, que está em Alagoas comandando as reuniões para a produção do dossiê e diretrizes do plano de gestão do bem, a postulação da Serra como Patrimônio Cultural do Mercosul “é um reconhecimento, uma ação estratégica de valorização da identidade negra na América Latina”.

 

 

… A sociedade já pode ter acesso às mais recentes produções da Comissão de Defesa dos Direitos Fundamentais do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

 

… Isso porque o sítio eletrônico da entidade disponibiliza uma coletânea com 15 novas publicações da comissão que visa o aprimoramento e a unidade da atuação do Ministério Público brasileiro na área.

 

… São materiais pedagógicos como revistas, guias, manuais, cartilhas, roteiros, relatórios e chamada de artigos abordando temas como prevenção ao assédio moral e sexual, educação, igualdade técnico-racial, Estado laico, pessoas em situação de rua, judicialização da saúde, movimentos sociais, direito à acessibilidade e meio ambiente.