Blog do Dresch

13 de maio de 2016

Um ministério sem mulheres

                  O governo do presidente interino, Michel Temer, será o primeiro após o ditador Ernesto Geisel (1974-1979) a não ter mulheres na sua composição, pelo menos por enquanto. Principalmente agora quando as mulheres lutam por mais representatividade na política. Ao que se sabe, uma mulher chegou a ser convidada durante a formação do ministério: a ex-ministra do STF, Elle Gracie, que não aceitou dirigir a Controladoria Geral da União. Após a ditadura militar, José Sarney indicou uma mulher, Fernando Collor, Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso indicaram duas mulheres cada um.

Ministério sem mulheres 2

                   No governo de Luiz Inácio Lula da Silva a presença feminina foi marcante. Onze ministras (sendo duas interinas). Já com Dilma Rousseff compuseram o ministério 15 mulheres sendo três interinas. Várias lideranças feministas do país manifestaram seu desapontamento com a falta de mulheres no ministério de Temer. Algumas chegaram a considerar um retrocesso no que diz respeito á conquista de espaço em cargos de liderança e de responsabilidade no país. Além do aspecto simbólico, a presença feminina garante a consolidação das políticas públicas destinadas ao universo feminino.

Uma análise internacional

                   O premiado jornalista, escritor e advogado americano, Gleen Greenwald, editor do site Intercept, editado no Rio de Janeiro, com circulação internacional, publicou um texto assinado pelo editor onde considera o impeachment da presidente Dilma Rousseff “um golpe á democracia no Brasil”. E ele não poupa o presidente interino Michel Temer, chamado de “político corrupto, neo liberal e inelegível”. Greenwald ganhou o Prêmio Pulitzer em 2014, quando abordou alguns relatórios sobre vigilância dos governos dos EUA e do Reino Unido. No texto publicado ontem, ele faz um relato da ascensão do Partido dos Trabalhadores que chegou ao Poder com Lula, vencendo a centro-direita do PSDB, e deixando os “mercados indignados”. Mas ele conseguiu chegar a reeleição em 2006, e posteriormente indicou Dilma Rousseff que venceu novamente os mesmos adversários, com uma vantagem de 12 pontos percentuais. Em 2014 gastaram fortunas para derrota-la, mas acabaram perdendo a eleição novamente. Para o jornalista, a classe dominante e mais influente do país, incluindo empresas e mídias, pensa que têm o direito de ignorar a democracia por completo, explorando seus meios de comunicação para incitar mentiras e colocar no governo um candidato que nunca seria eleito por conta própria, mas vai servir fielmente a sua agenda política e ideológica.

 

Investimento no turismo

                   Reconhecido internacionalmente pelo seu potencial turístico, o município de Maragogi será beneficiado com uma série de obras estruturantes para o setor a partir dos próximos meses. A garantia dessa melhoria foi dada pelo governador Renan Filho e pelo secretário do Desenvolvimento Econômico e Turismo, Hélder Lima. Primeiro será ampliada a rede de esgotamento sanitário para acabar de vez com as linhas de esgoto que atingem a área urbana do município e são considerados aspectos negativos do turismo local. O Governo assinalou ainda que pretende investir R$ 22 milhões, através da Casal para executar o projeto de captação, tratamento e distribuição d’água na cidade, utilizando como fonte o Riacho Cachoeira, sistema que poderia atender também boa parte de Japaratinga.

Investimento em turismo 2

                   Outras obras importantes também mereceram uma atenção especial do governador no encontro que teve com empresários e hoteleiros da Região Costa dos Corais. Uma delas foi a possibilidade de construção de um Centro de Convenções na região, para atender o segmento de turismo de negócios na região norte. Outro ponto discutido foi a construção do Aeroporto de Maragogi. Renan Filho afirmou que a obra é prioridade no Plano Nacional da Expansão da Aviação Regional, e que devem começar a andar de fato, após a turbulência política de Brasília.

Previsão reverte safra

                   As estimativas do quarto levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) relativas ao mês de Abril pelo IBGE revertem o quadro de previsão de nova safra recorde para este ano, assinaladas pelas três primeiras estimativas de 2016. Os dados mostram que a safra de cereais, leguminosas e oleaginosas totalizará 205,4 milhões de toneladas, resultado 1,9% menor que o mesmo período de 2015 (209,4 milhões de toneladas). Em comparação com o mês de Março, a produção variou negativamente 2,2%, mesmo com o aumento de 0,3% da área plantada.

Previsão reverte safra 2

                   Pela nova projeção, as estimativas da área a ser colhida são de 58,5 milhões de hectares, um acréscimo de 1,6% diante da área colhida em 2015 (57,6 milhões de hectares). Os dados indicam que o arroz, o milho e a soja continuam como os três principais produtos da safra brasileira de 2016. Somados eles representam 92,9% da estimativa da produção total de cereais, leguminosas e oleaginosas e respondem por 87,1% da área a ser colhida. Em relação ao ano anterior, houve um acréscimo de 2,9% na área de soja e o mesmo percentual na de milho.  Já em relação ao arroz houve uma redução de 7,7% na área.

 

  • Hoje é dia de provas, nos três turnos das escolas da rede pública e privada. É a XIX Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), juntamente com a Mostra Brasileira de Foguetes, onde a competição envolve artefatos artesanais.
  • A Olimpíada é fruto de uma parceria entre a Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) e Agência Espacial Brasileira (AEB) com intuito de estimular o interesse entre os jovens pela Astronomia, Astronáutica e ciências afins.
  • As provas terão duração de duas a quatro horas nos seguintes níveis? Nível 1 para alunos do 1º ao 3ºano do Fundamental; nível 2 para alunos do 4º e 5º anos também do Fundamental e nível 3 para turmas do 6º ao 9º igualmente do Fundamental. O nível 4 vai valer para estudantes do Nível Médio.
  • As escolas alagoanas têm participado com intensidade nestas olimpíadas. A cada ano aumenta o numero de alunos na competição. Em Maceió o numero de estudantes subiu de 1.244 em 2008 para 4.777 em 2015.
  • Arapiraca e Palmeira dos Índios igualmente cresceram na participação: a primeira no período passou de 220 alunos para 4.122; já a segunda teve 27 alunos em 2008, e no ano passado registrou 1.114 estudantes na disputa.